As minhas dores não me definem

0
dores

“A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional”. Vi essa frase em um livro que li na adolescência. Apesar de não me lembrar do nome do livro, a frase nunca saiu da minha memória.  Quando estou diante de uma dor inevitável, essa frase me vem à lembrança, agora de uma maneira um pouco diferente, ficando da seguinte forma: “a dor é inevitável e o sofrimento é redentor”.

A nossa história é cheia desses momentos de dores inevitáveis, mas eles não podem nos definir. Nossa existência não pode ser simplesmente uma chaga aberta e inflamada eternamente. Em última instância, nós podemos escolher como agir diante da dor que nos é infligida, seja por injustiças, humilhações, abusos físicos e morais. Seja como for e de onde vier, o que importa é o que faremos com isso.

Quando olhamos para o Cristo crucificado, podemos contemplar o que é o sofrimento redentor que somos chamados a viver. Se Jesus não tivesse suportado as dores e ido até o fim na sua missão de redentor do mundo, vai saber o que seria de nós. Pois bem, qual a missão que você deixou de realizar por estar paralisado na dor inevitável do processo?

As experiências dolorosas da nossa vida são apenas uma parte da história na qual somos cheios de possibilidades. Lembram de um programa antigo chamado “Você decide”? Pois bem, imagine-se no momento de dor e escolha qual o final da história, se você decide ser uma simples vítima ressentida ou o cordeiro do sacrifício redentor.

Tudo bem, eu sei que não é tão simples assim quanto parece. Sei que não é simples porque para mim também não é, sou uma pobre pecadora justiceira, vingativa, mas que luta com a força do Espírito Santo para não agir a partir desses sentimentos ruins e devastadores. Por isso gostaria de compartilhar alguns recursos que uso no processo de ressignificação da minha dor, talvez te ajude.

São três os passos que sigo para ressignificar a dor:

O primeiro deles é não negar a dor que sente. É importante não jogarmos para baixo do tapete e dizer que está tudo bem, usar de mantras positivos “no fim tudo dá certo”, “reage, bota um cropped”, “pense positivo, vamos ver o lado bom da situação”. Quero deixar claro que não sou contra palavras e frases motivacionais, o que gostaria que entendessem é que tudo dará certo sim, mas no momento em que sofremos as coisas não estão bem, precisamos olhar para essa dor, nos permitir sofrer, reconhecer que precisamos de cura.

Entendido que não devemos negar o que sentimos, vamos ao segundo passo: submeta suas dores a ação do Espirito Santo.

Meus caros amigos, aceitem de uma vez por todas que não adianta espernear, chorar um rio de lágrimas, xingar, murmurar, parar a vida ou cobrar da sociedade uma reparação pelas dores e feridas causadas por alguma experiência ruim que vivemos. Aceite sua dor e a submeta ao Espírito Santo.

Peça ao Amigo de nossa alma a ajuda, a cura, o suporte necessário para bem viver o momento, a experiência, e tornar esse sofrimento redentor, para sua alma e das pessoas que lhe fizeram mal. Quem faz isso nunca é desamparado. “Este infeliz gritou a Deus e foi ouvido” Salmo 33.

Por último e não menos importante: nunca esqueça que Deus não te abandona nunca. Ele está sempre ao seu lado como sustento nos momentos dolorosos.

O Salmo 90 nos diz: Do caçador e do seu laço ele te livra. Ele te salva da palavra que destrói. Com suas asas haverá de proteger-te. Sua fidelidade cuidará de defender-te”. Deixe que o amor de Deus defina sua história, defina quem é você e não permita que as dores inevitáveis sejam o fio condutor das suas ações.

Espero que nossa partilha de hoje tenha ajudado você a ampliar os horizontes de suas experiências e conseguido recursos para ajudar no processo de ressignificação da dor em busca de viver o sofrimento com sentido redentor.

Deus te abençoe.

Fernanda Guardia
Consagrada da Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.