Mãe: Como dar conta de tudo?

0
mãe

Em uma sociedade tomada pelo utilitarismo, nós, mulheres, somos um dos alvos preferidos do mundão. Exige-se que estejamos sempre lindas, sorridentes, com o emprego dos sonhos e ostentando o salto-alto – tudo isso enquanto preparamos o café da manhã. Mesmo diante de tantas demandas, algumas de nós (como é o meu caso) temos a ousadia de optar pela maternidade. Não demora quase nada para que as vozes ao nosso redor ecoem a grande questão: “Mas você vai conseguir dar conta?”.

Estas mesmas “vozes” – a cada dia mais exigentes – se enchem de autoridade para nos dizer: “Mulher, você só pode considerar dar mais um passo em sua vida quando conseguir dar conta, COM PERFEIÇÃO, de tudo que lhe cabe atualmente”. Destaque-se a parte do “com perfeição”.

A verdade é que, diante de tais exigências, nos tornamos cada vez mais acuadas e apreensivas, a ponto de jogarmos a toalha e nos desesperarmos por não conseguir ser uma nova “Mulher-Maravilha”.

Não são poucas as vezes que temos a sensação de que precisamos escolher se somos boas profissionais, se casamos, se optamos por ser donas de casa ou se queremos ter filhos. E se eu passo a considerar que talvez não consiga fazer tudo perfeitamente, vem então aquele sentimento de culpa e de vergonha.

Mas… será mesmo que temos de dar conta de tudo?

Querida leitora, seria muita prepotência a nossa em querermos dar conta de tudo à nossa volta. Afinal, somos meras criaturas, extremamente limitadas por natureza. Aliás, quem foi que falou que o controle remoto da vida está em nossas mãos?

Precisamos, para o nosso próprio bem, aceitar que nem sempre as coisas acontecerão da forma como nós planejamos (e não tem problema que seja assim!). Eu sei bem como é almejar uma casa extremamente organizada, sem brinquedos espalhados e o tapete totalmente alinhado. Sei também como é desejar que as crianças se comportem como miniadultos, participando da Missa como se estivessem em uma entrevista de emprego. Mas, quando tais coisas não acontecerem, não haverá motivos para choro e ranger de dentes!

Nós somos chamadas a encontrar a grandeza de um Deus que se dá abundantemente em Seu amor misericordioso, mesmo em meio ao caos de uma casa para arrumar, aos gritos e choros de nossos filhos ou entre tantos outros percalços que norteiam o dia a dia de uma mulher em suas mais variadas facetas.

Diante da ausência de superpoderes, a palavra mágica é: Prioridades.

Nós, mulheres, somos agraciadas com tantos dons! Um deles – que costuma ser motivo de brincadeiras – é o fato de que nós temos a capacidade de realizar diversas atividades ao mesmo tempo, enquanto nossos maridos precisam de 100% da atenção para terminar de amarrar os sapatos…

E, mesmo conseguindo fazer tantas coisas ao mesmo tempo, quando chegamos ao final de um dia comum, acabamos por encher uma lista de afazeres para o próximo dia, com as mais variadas pendências não feitas do dia anterior.

Querida mãe e amiga leitora, respire fundo e leia isso com seu coração consolado: está tudo bem finalizarmos o dia sem termos conseguido fazer tudo, desde que tenhamos feito aquilo que era a nossa PRIORIDADE.

Como saber o que é prioridade?

Rotineiramente, nos deparamos com uma infinidade de fogueiras que precisam ser apagadas ao longo do nosso dia…

Veja um exemplo comum. Perto do horário do almoço, seu filho exige sua atenção, pois quer brincar um pouco com a mamãe. A mamãe, porém, precisa fazer a refeição, senão prejudicará a rotina de todos em casa. Caso você ainda não tenha adquirido o dom da bilocação (como é o meu caso), é evidente que não dará para realizar as duas coisas conjuntamente. Ainda que seu filho chore e que você se sinta a madrasta da Cinderela, você não será uma mãe ruim por priorizar o almoço da família.

Do mesmo modo, você pode muito bem deixar de varrer o quintal naquele dia para dedicar um tempo de maior qualidade ao filho ou ao marido, de modo que não deverá se sentir culpada por deixar a limpeza para depois. Veja bem: se você conseguir estabelecer bem as prioridades, ainda que não consiga fazer tudo o que queria, terá ao menos feito o essencial em cada momento.

Só não podemos nos esquecer: Deus deve ser a prioridade das prioridades

O dia de qualquer mulher jamais será completo e proveitoso se o mais importante for esquecido. Esteja ela trabalhando fora ou não, independente de quantos compromissos ou afazeres ela terá ao longo do seu dia, nada é mais necessário do que parar por uns momentos e se encontrar com seu Criador.

Nada nem ninguém tem maior prioridade do que nosso Deus. Pois, quando nos apresentamos a Ele e entregamos tudo e todos que nos cercam, somos agraciadas também com Seu cuidado, que vem através do Seu Espírito Santo. Tal cuidado nos enche de forças e ajuda a trilhar nosso cotidiano, nos auxiliando e nos fazendo identificar quais são as prioridades de cada momento.

Ao nos encontrarmos com nosso Senhor, temos que ser impelidas a falar com o coração aberto: “Eu não dou conta de tudo sozinha. Mas, Senhor, o que faremos juntos no dia de hoje?”.

Nosso Deus não é um Deus distante, e nem exige de nós aqueles “grandes feitos” clamados pelas vozes do mundão. Ao contrário, nosso Senhor é um Deus amoroso e misericordioso, que se junta a nós e vem combater o bom combate de cada dia.

Minha querida leitora, tenhamos essa certeza em nosso coração: não precisamos ser perfeitas ou dar conta de tudo; só o que precisamos é permanecer na presença do Altíssimo e deixá-Lo governar a nossa realidade, ensinando a calar as “vozes” e a pontuar cada pequena prioridade.

Que Deus nos abençoe!

Angélica Baruchi Libório
Discípula da Comunidade Católica Pantokrator

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.