Quero rezar, mas não tenho tempo

0

Não temos como falar de tempo sem mencionar a palavra de Eclesiastes 3. Nesse livro do Antigo Testamento, o autor narra diversas situações ensinando-nos “haver um tempo para cada coisa debaixo do céu”. Isso vem nos orientar que, para termos uma vida agradável, de qualidade e equilibrada, precisamos aprender: tudo tem o seu tempo. Assim como a nossa vida: um dia nascemos, vivemos um tempo, longo ou curto nesta “terra de exílio”, e depois morremos – ou como nos ensina Santa Terezinha: “Não morro, entro na vida.”

Mesmo Deus na criação do mundo, como vemos em Gênesis 1, também criou cada coisa a seu tempo devido, terminando somente após sete dias. Houve um momento certo na origem e na organização de todo o criado. Por último, Deus criou o homem e viu, então, que tudo era muito Bom, era muito Belo!

Podemos notar quantos costumes e atitudes boas foram se perdendo com o tempo; o quanto as pessoas partilhavam de suas dificuldades, seus problemas, suas alegrias, dores, tristezas… e ainda sobrava tempo para seus afazeres, passeios, estar com a família e familiares, amigos… Podíamos ver na vida das pessoas um grande proveito do tempo, uma satisfação e gosto pela vida; havia uma simplicidade, uma leveza, um toque, um tom, uma cor diferente no ar, no modo de se viver.

Há tempos temos vivido um grande mal, o qual tem roubado a energia, o ânimo, o vigor, o entusiasmo de tantas pessoas. E, consequentemente, temos visto uma baixa qualidade de vida por todos os cantos do mundo, principalmente, nos grandes centros.

O mundo está muito voltado às ilusões do consumismo. As pessoas praticamente estão presas nas teias das tecnologias, do tudo rápido, prático, fácil, acessível, pronto; das facilidades que a referida tecnologia proporciona, transformando-nos em seres imediatistas, mas se esquecem que o homem ainda leva nove meses para nascer. Não querem viver nenhum tipo de sacrifício, por menor que seja. Quando surgem as dificuldades, então, percebe-se uma força de vontade muito fraca em querer resolvê-las. As pessoas também não sabem mais como enfrentar as provações, tão pouco, como lutar para vencê-las. Tem-se desistido muito fácil da vida, das famílias, dos sonhos, dos bons projetos de vida, de tudo… até mesmo dos sonhos de Deus para a nossa vida.

Descrevi tudo isso, para entendermos bem o quanto é importante mantermos a esperança, que vem de Deus, sempre renovada e muito viva dentro de nós, pois desse modo, não seremos abatidos ou vencidos pelas circunstâncias e fatores externos, conforme mencionado. Porque a esperança, vinda de Deus, não é uma espera parada… ela é transcendente!

Agora lhe pergunto: vale a pena “gastarmos” tempo para rezar? Colocar-se em oração, estabelecer uma relação de amizade e intimidade com o Autor de nossas vidas? Ler a bíblia? Já parou para pensar que, assim como tudo vem com manual, nós também temos o nosso? Sim, a Bíblia é o nosso manual! E se não a lermos, podemos estar fazendo mau “uso” e correndo o risco de “queimar” ou “danificar” esse nosso aparelho precioso chamado VIDA! Isso tudo precisa provocar em nós uma reflexão, levar-nos a uma firme decisão e gerar conversão.

Sua vida é muito preciosa! Não sei como a tem vivido – se está pouco, muito ou nada em sintonia com Deus através da Vida de Oração; entretanto, uma coisa eu tenho certeza: se você não está em Deus, você é um entre milhões de insatisfeitos e desgostosos com a vida.

Santo Afonso Maria de Ligório, descreve a oração como “o meio necessário e seguro para se obter a salvação e todas as graças de que necessitamos para alcançá-la”. É dele também a síntese: “Quem reza se salva, quem não reza se condena.”

Às vezes cedemos à tentação de não rezar, porque é fato nos depararmos com a preguiça, desânimo, falta de vontade e outros inúmeros contratempos. Temos uma avalanche de desculpas para não nos colocarmos na presença do Único que realmente pode nos ajudar, do Único que tem a solução para os nossos dramas, problemas e crises. Com isso, só retardamos o nosso alívio e nossa alegria: “vinde a Mim, vós todos que estais aflitos sob o fardo, e Eu vos aliviarei.” Mt 11, 28. A máxima das desculpas a ser vencida é: “não tenho tempo!”

Muitas vezes precisamos, ainda que sem vontade, nos colocarmos na presença de Deus, pois Ele virá em nosso auxílio. E antes mesmo de nos decidirmos por estar em Sua presença, Ele já está lá a nossa espera porque quer somente o nosso bem. Outros meios possíveis e úteis de ajuda é procurarmos um Grupo de Oração, encontros, retiros… eles favorecerão o nosso crescimento e amadurecimento espiritual.

Guarde bem isto que vou lhe dizer: o homem sem uma Vida de Oração, acredite, será alguém sempre insatisfeito à procura de algo que preencha esse vazio interior; sempre terá a sensação de que lhe falta algo – e de fato falta… Deus. Porque o vazio existente em todos nós, somente Deus pode preenchê-lo.

A oração é algo imprescindível na vida do homem! Quando há alguma tribulação ou doença, em nós ou na família, seja ela de qual natureza for, enquanto não dobramos nossos joelhos e oramos ou não buscamos alguém que reze por nós, pelas circunstâncias a qual estamos passando, a situação parece não andar, fica travada. A Palavra nos diz: “tudo pode ser mudado pela força da oração.”

Acredito muito na graça de Deus sobre o Seu povo e à Sua Igreja; de um povo que gasta seu tempo em oração para o bem de todos.

Convido você, não apenas a fazer, e sim, a viver uma experiência nova. Se ainda não tem a prática de uma Vida de Oração diária. Se você acha que não tem tempo, peça ao Espírito Santo ajudá-lo a encontrar um espacinho em sua agenda…afinal, arrumamos tempo para tantas coisas inúteis e fúteis que não contribuirão em nada para a nossa salvação. Então, topa?

Inicie, exercitando-se todos os dias agradecendo pelo descanso que teve, a cama confortável onde pode descansar, por sua saúde, o novo dia que o Pai lhe concede gratuitamente, pelo trabalho que tem, por ter um lar para retornar todos dias, pela vida de sua família – ainda que não seja perfeita como gostaria -, pelo ar que respira, pela beleza das flores, do Sol, da Lua, pelo pão de cada dia, enfim, temos uma infinidade de coisas e situações para agradecer… até mesmo na tristeza, na dor, nas dificuldades, devemos louvar a Deus, porque Ele é sempre Bom, é inacessível ao mal, jamais permitirá algo se não for para o nosso bem.

O nosso Pai derrama Suas graças todos os dias, cabe a nós abrirmos o nosso coração para recebê-la… Ele é educado, de modo algum, forçará a entrada porque respeita nossa liberdade. Uma coisa é certa: não podemos esperar ou depender apenas da nossa vontade para buscarmos a oração, é necessário nosso esforço também…. ao menos no princípio, depois a alma se acostuma tanto que sentirá falta quando você não rezar, e aos poucos verá os frutos de uma Vida de Oração.

Deus o abençoe!

Reinaldo Marques
Consagrado da Comunidade Católica Pantokrator 

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.