Testemunho – A grandeza de Deus na dor

2
Testemunho - A Grandeza de Deus na dor

Gostaria de testemunhar para meus irmãos de Comunidade, amigos e a todos o que me aconteceu e que me levou a ter uma nova percepção da grandeza de Deus em minha vida.

Recentemente tive a grande alegria de receber a resposta de que iria ingressar no Discipulado da Comunidade Pantokrator. Nunca tinha sentido tamanha felicidade. O êxtase da felicidade me tomou. Vivi momentos de profunda alegria e fiquei impressionado com a misericórdia de Deus. Não sabia eu que logo depois ia passar por algo inesperado.Testemunho - A Grandeza de Deus na dor

Passados alguns dias, quando estava me preparando para dormir, fui surpreendido por dores no “pé da barriga” e nas costas; fui conduzido ao Pronto Socorro, onde fiquei por um bom tempo em agonia com uma forte dor que eu nunca tinha sentido antes; e foi diagnosticado que era “pedra nos rins”.

A dor afetou meu sistema nervoso e, por um momento, fiquei sem o movimento das mãos e sem falar. Lembro-me que a enfermeira perguntava meu nome e eu me esforçava para falar e não conseguia. Neste momento, tive um forte sentimento de impotência. Meu corpo em alguns momentos ficava totalmente dormente, o coração acelerava e pedia para que Deus não me permitisse a morte. A dor permanecia e não parava, mesmo depois de já ter tomado o primeiro soro com medicamentos fortes. Sem poder mudar aquela situação, me senti muito impotente e frágil, me senti um “nada”, mas sentia que aquela dor carregava um mistério. Não era uma simples dor. Parecia que Deus queria que eu experimentasse o meu “nada”. Percebi que naquele momento Deus estava me fazendo perceber a sua grandeza, que Ele tem o domínio da minha vida, que a minha vida pertence a Ele, que o funcionamento de todos os meus orgãos é sustentado por Ele, que Ele é aquele que tira e que permite a dor, pois no primeiro soro, era provável que já parasse a dor, mas era preciso eu sofrer de dor mais um pouco para perceber que é Ele que tem o domínio de todas as coisas e não os medicamentos, o Médico ou as Enfermeiras.

Como não tinha nada a fazer para parar a dor, lembrei-me de Santa Teresinha e dos sacrifícios que ela oferecia a Deus pela salvação das almas. Então, comecei a oferecer a Deus aquela dor pela salvação das almas e de forma especial, pelo médico que me atendeu e pelas enfermeiras. Nesse tempo, sentia que aquela dor representava uma das dores de Cristo e de Seu lado esquerdo e comecei a agradecer a Deus pela oportunidade de sentir um pouco das dores de Cristo e percebi que naquele momento Deus queria me formar, me instruir e me fazer perceber a Sua grandeza e que grande foi o sofrimento de Cristo por mim.

Depois de tudo ter acontecido, me senti transformado e mais dependente de Deus e feliz por Ele ter me instruído na dor. Ele tem a sua pedagogia para nos formar. Com isso, comecei a entender de forma mais concreta uma passagem bíblica que diz: “Pelo dor também é instruído o homem em seu leito, quando todos os seus membros são agitados”. (Jó 33, 19).

A dor me fez perceber que não sou nada, que não posso mudar as coisas sem a ajuda de Deus. Louvo a Deus por tudo o que passei e por saber que a sabedoria dEle é transcendente. Não há um acontecimento em nossa vida em que Deus não possa nos formar. É como diz Santa Teresinha: “O sofrimento se torna a maior das alegrias, quando o buscamos como o mais precioso dos tesouros”.

Sofrer com Cristo é sofrer por amor a Deus, oferecendo tudo a Ele, é descobrir grandes riquezas.

 “Agora quero de boa vontade estar doente minha vida inteira, se for do agrado do bom Deus, e consinto até em que minha vida seja bem prolongada. A única graça que almejo, é que seja destruída pelo amor”. Santa Teresinha do Menino Jesus.

Fábio Junior
Postulante na Comunidade Pantokrator 

2 COMENTÁRIOS

  1. Grande Fábio! Que alegria saber que aproveitou esse momento. O amor não desperdiça nada! Deus permita que não sinta mais essas dores (são terriveis), mas sempre aproveite as que vierem para oferece-las a Deus, sejam elas pequenas ou grandes.

    Fraterno abraço.

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.