Virei pai, e agora?

0
pai

O Pai É…

Gosto muito de escrever e por isso busco a origem das palavras para entender em qual contexto ela se aplica. Vemos a beleza da palavra Pai, que encontramos na Bíblia como “Aba”; tendo este vocábulo a tradução “ho pa·tér” em grego”, que literalmente é “o pai”. Perceba que para o Deus que se revela como “Eu sou” (Êxodo 3,13-14), nada mais adequado do que tratá-lo como “O Pai”. A Ele a glória, louvor e o domínio.

Isso me enche de confiança, pois Ele sempre esteve, está e estará ao meu lado, para que assim eu exerça o dom da paternidade segundo a Sua vontade.

A paternidade responsável

O termo em destaque pode nos levar a pensar prioritariamente no aspecto material, o que é importante, porém, jamais o único alicerce de um pai responsável. Trazer o olhar apenas para questões materiais acarreta um desequilíbrio na parte afetiva e espiritual do homem, portanto, é preciso orar em busca da intimidade com “O Pai” e pedir-Lhe Seus conselhos.

Os outros pilares, afetividade e espiritualidade, são amadurecidos no matrimônio. Em uma relação entre o homem, a mulher e Cristo, sendo este o mestre de como podemos refletir a vontade de Deus nas relações humanas, para então uma paternidade responsável:

O matrimônio não é, portanto, fruto do acaso, ou produto de forças naturais inconscientes: é uma instituição sapiente do Criador, para realizar na humanidade o seu desígnio de amor. Mediante a doação pessoal recíproca, que lhes é própria e exclusiva, os esposos tendem para a comunhão dos seus seres, em vista de um aperfeiçoamento mútuo pessoal, para colaborarem com Deus na geração e educação de novas vidas. Encíclica Humanae Vitae.

O Pai é amor, misericórdia e justiça

Sendo filho de Deus, e agora pai, tenho questionado em que consiste ter a semelhança do Pai em relação a geração e educação de novas vidas. A resposta que vem se solidificando é: “Eu sou amor, misericórdia e justiça! Ame no ordinário do seu dia, doe-se por completo sem esperar nada em troca e seja firme em direcionar Meus filhos de volta para Mim, pois o mundo os quer e eles não são do mundo.”

Esse ressoar de Deus é impetuoso, certeiro e me traz uma paz na alma. Sei que nada é possível sem o Espírito Santo, pois És o meu conselheiro no cotidiano desta relação pai e filho. É preciso clamar a unção diariamente e sobretudo respirar diante dos acontecimentos para que Ele tome conta da minha vontade e direcione a ação ou omissão para Cristo.

Construa bons hábitos, crie virtudes

Pela graça do Espírito Santo busque construir bons hábitos, fortalecer as virtudes carnais (moral e intelectual) e teologais (fé, esperança e caridade). Essa é a chave para educar em direção a Cristo. É preciso viver para educar, pois nossos filhos aprendem nos observando, e de certa forma, testando as nossas reações. Desse modo, relaciono algumas formas para construir bons hábitos:

1. Reze com o seu filho desde a concepção;

2. Leia a Bíblia em família;

3. Reze antes de cada refeição;

4. Conte as histórias dos Santos;

5. Ensine que há consequências nas escolhas;

6. Brinque, sorria e faça cócegas;

7. Mostre o céu e diga que Deus fez tudo para nós.

Peço a intercessão de São José, o justo, nesta missão da paternidade, um mistério vivido no cotidiano.

Thiago Casarini
Postulante da Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.