Como transformar vícios em virtudes

0
virtudes

Se alguém perguntasse a você agora: “Quais são as suas virtudes?”, o que você responderia? Conheço algumas pessoas que teriam uma lista animada, mas a maioria diria algo como “não posso começar pelos defeitos, não?”. É… não é fácil desenvolver virtudes… reconhecer que as temos, então…
Existem as virtudes teologais – fé, esperança e caridade – que nós recebemos de Deus no nosso batismo, e também as virtudes humanas, as principais, chamadas de “virtudes cardeais”: prudência, justiça, temperança e fortaleza.
“A virtude é uma disposição habitual e firme para fazer o bem.” (CIC, 1803), portanto não adianta fazer uma coisa boa umas poucas vezes, é preciso fazer isso sempre para que se torne uma virtude, assim se tornará um hábito. Já os vícios, ao contrário, são uma disposição para o mal e eles “podem ser classificados segundo as virtudes que contrariam, ou ainda ligados aos pecados capitais que a experiência cristã distinguiu, seguindo São João Cassiano e São Gregório Magno. São chamados capitais porque geram outros pecados, outros vícios. São o orgulho, a avareza, a inveja, a ira, a impureza (luxúria), a gula, a preguiça ou acídia” (Catecismo da Igreja Católica § 1866).
É preciso que se diga que, da mesma forma que as virtudes, para que se instalem, os vícios requerem uma constância, conforme nos ensina também o Catecismo: “A repetição dos pecados, mesmo veniais, produz os vícios, entre os quais avultam os pecados capitais” (§ 1876).
Isso significa que temos uma longa batalha pela frente! É preciso que nossa inteligência e nossa vontade estejam dispostas e determinadas a seguir buscando transformar os vícios em virtudes. Para isso é preciso esforço, suor, lágrima, sorrisos, tentativas, erros, acertos, crescimento, superação, transformação!
Vícios e virtudes são como os lados de uma gangorra. De um lado, inclinações para o mal; de outro, inclinações para o bem. Comanda a brincadeira aquele que é mais forte. Mas aqui a “brincadeira” é coisa séria, é batalha! E nela não podemos chegar desarmados! Qual um cavaleiro medieval, vamos a campo com espada e escudo. Nossa espada, a penitência, por meio da qual “atacamos” o pecado que já cometemos, reconhecendo-o, arrependemo-nos de tê-lo cometido, confessando para nos reconciliar com Deus e reparando o mal que causamos a outros, sempre que possível. Já o nosso escudo é a mortificação, que nos ajuda a prevenir quedas futuras, educando nosso corpo e nosso espírito para o bom, o belo e o verdadeiro, desenvolvendo, assim, as virtudes.

Para o pecado que já cometemos, penitência. Para evitar que pequemos novamente, mortificação.

É importante que falemos de nossas lutas para transformar nossos vícios em virtudes, sobretudo para aqueles que convivem conosco. E que peçamos ajuda. Ninguém se torna virtuoso sozinho. Ninguém chega ao céu sozinho. Talvez depois de uma, duas, dez, cem quedas, não sejamos tão admirados pelas pessoas conhecidas e desconhecidas, mas certamente depois de duas, dez, cem novas tentativas, pedidos de ajuda e um coração sincero e disposto a crescer, estaremos mais abertos para amar e sermos amados, sobretudo pelas pessoas mais próximas.
O vício – o pecado – não nos torna irracionais, ainda que muitas vezes nos percamos do caminho de Deus, afastando-nos da graça. Isso significa que podemos dar um basta! Podemos dizer “não”, rompendo com o pecado e nos dispondo a transformar os nossos vícios em virtudes. E aqui nos socorre uma virtude, a fortaleza, que nos leva à determinação para seguir em frente nesse bom propósito. No entanto, para dar essa guinada, é preciso de uma motivação. Qual seria (ou será) a sua?
Jesus mesmo nos fala sobre o desenvolvimento do potencial que recebemos do Pai através da Parábola dos Talentos (cf. Mt 25, 14 – 30), em que os funcionários, motivados pela confiança depositada neles pelo patrão, se lançam nas iniciativas para fazer render os talentos recebidos, exceto um, que fica com medo… medo ou preguiça? Faltou-lhe a prudência. Tendo o patrão confiado a ele uma tarefa, deveria ter feito o seu melhor, para que, sendo fiel à sua responsabilidade, ao menos não fosse repreendido.

Quanto você tem desenvolvido os seus talentos, transformando os vícios que habitam o seu coração em virtudes que te aproximam de Deus e do próximo? Quanto você tem tentado fazer isso?

É fundamental que nós e os outros vejamos na nossa vida nossos vícios, a gula e a avareza, por exemplo, transformados em virtudes – no caso, temperança e generosidade (que deriva da justiça) – mas não podemos desprezar nenhum passo, ainda que pequeno. É preciso caminhar. E o primeiro passo pode estar muito longe do destino final; porém, já não é o ponto de onde se partiu. Esse processo todo requer muitas renúncias e cada renúncia feita a um vício que temos é um “sim” à virtude que queremos ter. E cá estou eu com mais um paradoxo, como não podia deixar de ser. A renúncia que, aparentemente, é um “não fazer” algo, na verdade é um “SIM” à vida plena que Jesus veio para nos dar: “Eu vim para que as ovelhas tenham vida e para que a tenham em abundância” (Jo 10, 10). Nós somos essas ovelhas, buscadas e sustentadas pelo Bom Pastor, mas dotados de liberdade, temos nossos passos a trilhar. É preciso pôr-se a caminho!

É… Este foi um texto de muitas perguntas; porém, apenas duas são perguntas fundamentalmente necessárias:  Estamos dispostos a amar a Jesus? Estamos dispostos a nos deixar amar por Jesus?

Sem isso, nada faz sentido! Sem o Amor, nenhuma batalha faz sentido! Sem O Amado, nenhuma virtude tem sentido!

“Ó almas remidas pelo sangue de Jesus Cristo! Compreendei vosso estado e tende compaixão de vós mesmas! Persuadidas dessa verdade, será possível que não procureis tirar de vós mesmas esse piche – o pecado – que obscurece o cristal? Pensai bem: se a vida se vos acaba nesse estado, jamais tornareis a desfrutar dessa luz!” (Santa Teresa de Jesus, Castelo Interior, 4).

Se alguém perguntasse a você agora: “Quais são as suas virtudes?”, o que você responderia? Conheço algumas pessoas que teriam uma lista animada, mas a maioria diria algo como “não posso começar pelos defeitos, não?”. É… não é fácil desenvolver virtudes… reconhecer que as temos, então…
Existem as virtudes teologais – fé, esperança e caridade – que nós recebemos de Deus no nosso batismo, e também as virtudes humanas, as principais, chamadas de “virtudes cardeais”: prudência, justiça, temperança e fortaleza.
“A virtude é uma disposição habitual e firme para fazer o bem.” (CIC, 1803), portanto não adianta fazer uma coisa boa umas poucas vezes, é preciso fazer isso sempre para que se torne uma virtude, assim se tornará um hábito. Já os vícios, ao contrário, são uma disposição para o mal e eles “podem ser classificados segundo as virtudes que contrariam, ou ainda ligados aos pecados capitais que a experiência cristã distinguiu, seguindo São João Cassiano e São Gregório Magno. São chamados capitais porque geram outros pecados, outros vícios. São o orgulho, a avareza, a inveja, a ira, a impureza (luxúria), a gula, a preguiça ou acídia” (Catecismo da Igreja Católica § 1866).
É preciso que se diga que, da mesma forma que as virtudes, para que se instalem, os vícios requerem uma constância, conforme nos ensina também o Catecismo: “A repetição dos pecados, mesmo veniais, produz os vícios, entre os quais avultam os pecados capitais” (§ 1876).
Isso significa que temos uma longa batalha pela frente! É preciso que nossa inteligência e nossa vontade estejam dispostas e determinadas a seguir buscando transformar os vícios em virtudes. Para isso é preciso esforço, suor, lágrima, sorrisos, tentativas, erros, acertos, crescimento, superação, transformação!
Vícios e virtudes são como os lados de uma gangorra. De um lado, inclinações para o mal; de outro, inclinações para o bem. Comanda a brincadeira aquele que é mais forte. Mas aqui a “brincadeira” é coisa séria, é batalha! E nela não podemos chegar desarmados! Qual um cavaleiro medieval, vamos a campo com espada e escudo. Nossa espada, a penitência, por meio da qual “atacamos” o pecado que já cometemos, reconhecendo-o, arrependemo-nos de tê-lo cometido, confessando para nos reconciliar com Deus e reparando o mal que causamos a outros, sempre que possível. Já o nosso escudo é a mortificação, que nos ajuda a prevenir quedas futuras, educando nosso corpo e nosso espírito para o bom, o belo e o verdadeiro, desenvolvendo, assim, as virtudes.

Para o pecado que já cometemos, penitência. Para evitar que pequemos novamente, mortificação.

É importante que falemos de nossas lutas para transformar nossos vícios em virtudes, sobretudo para aqueles que convivem conosco. E que peçamos ajuda. Ninguém se torna virtuoso sozinho. Ninguém chega ao céu sozinho. Talvez depois de uma, duas, dez, cem quedas, não sejamos tão admirados pelas pessoas conhecidas e desconhecidas, mas certamente depois de duas, dez, cem novas tentativas, pedidos de ajuda e um coração sincero e disposto a crescer, estaremos mais abertos para amar e sermos amados, sobretudo pelas pessoas mais próximas.
O vício – o pecado – não nos torna irracionais, ainda que muitas vezes nos percamos do caminho de Deus, afastando-nos da graça. Isso significa que podemos dar um basta! Podemos dizer “não”, rompendo com o pecado e nos dispondo a transformar os nossos vícios em virtudes. E aqui nos socorre uma virtude, a fortaleza, que nos leva à determinação para seguir em frente nesse bom propósito. No entanto, para dar essa guinada, é preciso de uma motivação. Qual seria (ou será) a sua?
Jesus mesmo nos fala sobre o desenvolvimento do potencial que recebemos do Pai através da Parábola dos Talentos (cf. Mt 25, 14 – 30), em que os funcionários, motivados pela confiança depositada neles pelo patrão, se lançam nas iniciativas para fazer render os talentos recebidos, exceto um, que fica com medo… medo ou preguiça? Faltou-lhe a prudência. Tendo o patrão confiado a ele uma tarefa, deveria ter feito o seu melhor, para que, sendo fiel à sua responsabilidade, ao menos não fosse repreendido.

Quanto você tem desenvolvido os seus talentos, transformando os vícios que habitam o seu coração em virtudes que te aproximam de Deus e do próximo? Quanto você tem tentado fazer isso?

É fundamental que nós e os outros vejamos na nossa vida nossos vícios, a gula e a avareza, por exemplo, transformados em virtudes – no caso, temperança e generosidade (que deriva da justiça) – mas não podemos desprezar nenhum passo, ainda que pequeno. É preciso caminhar. E o primeiro passo pode estar muito longe do destino final; porém, já não é o ponto de onde se partiu. Esse processo todo requer muitas renúncias e cada renúncia feita a um vício que temos é um “sim” à virtude que queremos ter. E cá estou eu com mais um paradoxo, como não podia deixar de ser. A renúncia que, aparentemente, é um “não fazer” algo, na verdade é um “SIM” à vida plena que Jesus veio para nos dar: “Eu vim para que as ovelhas tenham vida e para que a tenham em abundância” (Jo 10, 10). Nós somos essas ovelhas, buscadas e sustentadas pelo Bom Pastor, mas dotados de liberdade, temos nossos passos a trilhar. É preciso pôr-se a caminho!

É… Este foi um texto de muitas perguntas; porém, apenas duas são perguntas fundamentalmente necessárias:  Estamos dispostos a amar a Jesus? Estamos dispostos a nos deixar amar por Jesus?

Sem isso, nada faz sentido! Sem o Amor, nenhuma batalha faz sentido! Sem O Amado, nenhuma virtude tem sentido!

“Ó almas remidas pelo sangue de Jesus Cristo! Compreendei vosso estado e tende compaixão de vós mesmas! Persuadidas dessa verdade, será possível que não procureis tirar de vós mesmas esse piche – o pecado – que obscurece o cristal? Pensai bem: se a vida se vos acaba nesse estado, jamais tornareis a desfrutar dessa luz!” (Santa Teresa de Jesus, Castelo Interior, 4).

Carolina Vieira da Cunha
Discípula da Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.