Ex-produtor de filmes pornográficos se converte e conta sua história

0

Donny Pauling, antes de se converter, era um produtor de sucesso da indústria pornográfica norte-americana.

Um dia, recebeu um convite da Revista Playboy para produzir um reality show com lésbicas, recebendo 4 mil dólares por dia.

Após sair da reunião onde havia acertado detalhes para a produção do reality show, Pauling fez uma oração agradecendo a Deus pelo seu novo contrato: “Eu estava como que falando com Deus: não importa o que eu faça, abençoa-me. Basicamente eu estava dizendo: ‘Obrigado pelo novo contrato pornográfico’”, contou o ex-produtor ao LifeSiteNews.

Segundo ele, após esse controverso episódio, ele sentiu-se “atingido por um raio de eletricidade” que o fez ter a certeza que era Deus falando com ele, “por maior loucura que isso pareça”, conta Pauling, que vinha participando de encontros promovidos pela Igreja XXX, que tem como objetivo, alcançar pessoas envolvidas com a indústria pornográfica e prostitutas.

Vários dias após ter tido essa experiência com Deus, ele decidiu se converter e abandonar a indústria pornográfica. “Estou assustado. Estou realmente assustado. Apavorado. Petrificado. Todas essas coisas. Sinto uma imensa sensação de alívio e felicidade pela primeira vez num LONGO, LONGO tempo”, escreveu na ocasião em seu blog pessoal.

A história de Pauling com a indústria pornográfica começou junto com a internet, quando o acesso à pornografia era mais fácil que nos dias atuais. Deslumbrado com essa facilidade, ele montou um escritório e começou a produzir filmes sem o conhecimento de sua esposa. Ele começou a ter casos extraconjugais, e quando resolveu confessar esses segredos à sua esposa, ela o abandonou. O divórcio o fez mergulhar ainda mais na indústria pornográfica, e com isso, começou a ganhar mais dinheiro.

A partir desse episódio até sua conversão, se passaram oito anos, em que ele conseguiu arrecadar milhões de dólares, participar de festas e ver centenas de pessoas se destruindo. Arrependido, conta que alguns episódios o fizeram acordar.

Pauling conta que além do vício na pornografia, o que o motivava a permanecer nessa vida era um sentimento de ódio que ele nutria pelo cristianismo. Esse sentimento surgiu na infância, pois seu pai, um Pastor pentecostal, o educou de forma austera. Segundo ele, sua impressão era de que Deus era só um conjunto de regras. Quando se encontrava com seus amigos cristãos, fazia questão de citar que era um produtor pornográfico: “Eu adorava lançar pornografia na cara deles”, conta Donny.

O ódio só começou a recuar quando Donny conheceu a igreja XXX, que pregava o evangelho de forma diferente.

“Em vez de ficarem do lado de fora protestando e segurando cartazes dizendo às pessoas que Deus estava enviando-as ao inferno onde queimariam em tormento, eles estavam dentro, armando estandes, fazendo maquilagem nas moças. E em vez de julgá-las, eles diziam a elas que elas eram belas e que Deus as amava, e que não havia nada que elas pudessem fazer que mudasse isso, e que Ele queria mais para elas”, relata. “Esse é o tipo de cristão que eu desejava ser, e o tipo de Jesus que eu gostaria de servir”, afirma Pauling.

“Desisti, e simplesmente me afastei”. Quando abandonou a indústria pornográfica, sua namorada o deixou para viver com um gerente da Playboy, e perdeu tudo o que tinha, pois precisava do dinheiro que ganhava para pagar suas dívidas. Mesmo assim, embora com dificuldades, ele persistiu em sua decisão.

Após superar as primeiras dificuldades, Donny se matriculou em um seminário, para estudar e se tornar um Pastor. Ele afirma que além do desejo de mudar de vida, ele precisava “reprogramar” seu cérebro. Lançou uma empresa de marketing pela internet e passou a viajar pelo mundo contando a realidade dos bastidores da indústria pornográfica.

Donny Pauling acredita que a abordagem que o tirou da pornografia deve ser usada para libertar outros viciados. “Penso que precisamos compreender que, embora o pecado realmente nos separe de Deus, Ele ainda nos ama. Não importa o que fazemos. O amor d’Ele não muda. Não é condicional”.

A libertação do vício é comparada por Donny com o momento que a criança começa a andar. “Só porque a criança cai frequentemente, não significa que o pai lhe diga que andar não é para ela. Deus, que nos ama muito, não está procurando uma razão para nos enviar ao Inferno. Ele está procurando todas as razões para nos levar até Ele. Por isso, apenas fique de pé de novo”, incentiva Donny Pauling.

Fonte: Gospel +

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.