Espaços públicos sem símbolos religiosos?

0

A Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão propôs, no dia 31 de julho deste ano, uma ação civil pública para obrigar a União a retirar os símbolos religiosos de locais de ampla visibilidade e de atendimento ao público nas repartições dos órgãos federais no Estado de São Paulo. A presença de tais símbolos estaria ferindo a liberdade religiosa de cidadãos que não compartilham a mesma fé relacionada com determinado símbolo.

Movimentações semelhantes pela retirada dos símbolos religiosos em espaços do Estado, como tribunais, salas de trabalho em repartições públicas, hospitais e salas de aula também têm acontecido em outros Estados. O Presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, desembargador Luiz Zveiter, ao tomar posse do cargo, em fevereiro deste ano, determinou a retirada dos crucifixos espalhados pelo edifício da corte e desativou a Capela. O argumento que embasa atos dessa natureza é sempre o mesmo: o Estado brasileiro é “laico” e, por isso, a presença de tais símbolos seria contrária ao que prevê o artigo 5º da Constituição Federal.

Contudo, não há nada no texto constitucional que proíba a presença de símbolos religiosos nos espaços públicos. A Constituição não confessa nada, de maneira explícita nem implícita, que proíba a presença de símbolos religiosos nos espaços do Estado. A própria Constituição, no seu preâmbulo, faz referência a Deus. E, nas notas de reais que todos usamos, está escrito: “Deus seja louvado”. Nem por isso o Estado brasileiro deixa de ser laico, ou adota um religião oficial; e, certamente, isso não ofende aos brasileiros que não têm nenhuma religião. Laicidade do Estado é a clara separação entre Estado e Igreja, ao contrário daquilo que vigorava até a Constituição de 1891, antes da República, quando o Brasil tinha o catolicismo como sua religião oficial.

Segundo o Cardeal Dom Odilo P. Scherer, Arcebispo de São Paulo, “o Estado brasileiro não tem uma religião oficial, mas respeita todas e deixa ao cidadão a liberdade da escolha; e também respeita a liberdade de ter ou não ter uma religião. A Igreja Católica aceita isso, sem problemas. Por outro lado, a laicidade do Estado também significa que este não interfere nas Igrejas e religiões, de modo indevido, respeitando a sua autonomia interna para se organizarem, resguardados os princípios constitucionais”(1). Dom Odilo considera que, “com demasiada frequência e facilidade, e de modo equívoco, é invocada a laicidade do Estado. Ela, certamente, não autoriza a repressão de ideias ou manifestações religiosas, a não ser que sejam claramente criminosas, como seria a incitação à violência ou a promoção de atos desonestos” (2).

Na organização da sociedade, o secularismo proclama o laicismo do Estado, que não é o mesmo que laicidade do Estado. Quanto se fala em laicidade do Estado, significa que este não é regido por nenhuma religiosidade e, portanto, suas leis, suas ações não são religiosas. Ser o Estado laico é algo bom, pois Estado e Igreja são importantes para a sociedade, mas cada um tem papel distinto, devendo haver autonomia na relação entre os dois.
Não podemos confundir laicismo com laicidade. Laico não significa avesso à religião. O Estado pode ser leigo sem ser a-religioso. A laicidade do Estado não impede que o povo leve sua consciência religiosa para os poderes públicos, e menos ainda, que as leis e ações do Estado não se enriqueçam com o imenso patrimônio de sabedoria e humanidade das religiões. Um governante, por exemplo, não pode ser cristão como pessoa privada e indiferente como pessoa pública! Essa é uma questão que dificilmente fica bem compreendida.

Já no laicismo, o Estado assume a irreligião como sua opção religiosa, ou seja, uma fobia de tudo aquilo que é religioso. Nele, a religiosidade das pessoas pode até existir, mas no foro íntimo de suas consciências, nas sombras dos templos e no claustro de suas casas. A religiosidade não pode ter implicação nos valores da sociedade, nas leis, nas ações dos poderes públicos.

A Cruz: mais do que um símbolo religioso

Mas, dentre os símbolos religiosos, inegavelmente, há, em relação à Cruz, algo peculiar: a Cruz – assim também o crucifixo – não é simplesmente um símbolo religioso. Ela faz parte de nossa identidade nacional. Foi o primeiro nome do Brasil: “Terra de Santa Cruz”. Por isso não se pode ir simplesmente arrancando os crucifixos das repartições públicas. O crucifixo é mais do que um símbolo da Igreja Cartólica: é símbolo da nacionalidade do Brasil. Por isso ele não ofende a fé do não-cristão que conhece a história. É simbolismo da pátria. Não é mais somente da religião. Faz parte de nossa pátria. Faz parte da história de todo mundo que vive aqui no Brasil, não só dos católicos. É patrimônio da história e da cultura brasileiras.

A Cruz num Tribunal é um símbolo do Cristianismo, da fé do povo, do que representa a morte de Jesus Cristo para qualquer criminoso e do que representa o resultado de um julgamento injusto para o juiz. Não é somente um símbolo da fé, mas da identidade do nosso país. O Cristianismo é o berço da civilização ocidental. Roma cristã foi um núcleo universal. Na verdade, o crucifixo é símbolo da laicidade do Estado, pois representa a identidade nacional. Independente de nossa confissão religiosa, não podemos negar a memória de nossas raízes cristãs. Uma sociedade que esquece seu passado fica exposta ao risco de não saber enfrentar o presente e não conseguir se preparar para o futuro.
Assim se pronuncia Dom Odilo Scherer: “a presença de símbolos religiosos em espaços públicos faz parte da história e da cultura do povo e de suas livres manifestações; até agora, isso não foi visto como desrespeito ou ofensa à liberdade religiosa. Ao contrário, a sua exclusão obrigada dos espaços públicos do Estado, de um momento para outro, poderia, isso sim, suscitar constrangimento e uma sensação de desrespeito a muitos brasileiros, e não somente católicos. Além disso, como a experiência mostrou durante mais de cem anos de República, a manutenção de símbolos religiosos em espaços públicos não levou o Brasil a ter uma religião oficial. Resta perguntar, se o Brasil ficaria melhor com a retirada dos símbolos religiosos” (3).

Alguém se atreveria a retirar o Cristo Redentor do alto do Corcovado?

(1) Jornal O São Paulo, edição de 18 de agosto de 2009.
(2) Ibidem.
(3) Ibidem.

Kátia Maria Bouez Azzi
Consagrada na Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.