“As coisas de Deus merecem pressa”, disse Bento XVI na missa da festividade da Assunção de Maria

0

“As coisas de Deus merecem pressa, aliás, as únicas coisas do mundo que merecem pressa são as coisas de Deus: elas as únicas que têm urgência na vida”. Esta reflexão foi feita por Bento XVI esta manhã, na homilia da missa celebrada para a festividade da Assunção.

Comentando o Evangelho de Lucas, o papa explicou que “Maria deixou sua casa em Nazaré e foi rapidamente para a montanha, pois queria chegar depressa à casa de Zacarias e Isabel, numa cidade da Judéia. Maria entra nesta casa, mas não entra sozinha; ela leva no ventre o filho, que é o próprio Deus, feito homem”.

Esta foi a reflexão proposta pelo papa na paróquia pontifícia São Tomás de Villanova. Seguindo uma tradição, Bento XVI e seu irmão Georg saíram da residência onde está passando um período de descanso e percorreram a pé a distância até a igreja, sendo cumprimentados por um grupo de fiéis, turistas e curiosos.

Com eles, estavam também o Secretário de Estado, Cardeal Tarcisio Bertone, o secretário pessoal do papa, Mons. George Gaenswein, o reitor dos Salesianos, Mons. Chavez, o prefeito da casa pontifícia, Mons. James Harvey e o mestre de cerimônias, Mons. Guido Marini.
Na pequena paróquia, recém-reformada, o papa foi recebido pelo pároco, Pe. Pietro Di Letti.

Analisando a passagem do Evangelho de Lucas, na homilia Papa Ratzinger disse que “Maria é o caminho para um futuro de alegria: para o cristão, esta via está na acolhida à amizade de Cristo, seguindo-O todos os dias, inclusive nos momentos em que sentimos nossas cruzes mais pesadas”.

A primeira leitura, extraída do Apocalipse, diz que “o templo de Deus que está no céu se abriu; e apareceu no templo a arca de sua aliança. Qual o significado da arca? Para o Antigo Testamento, ela é o símbolo da presença de Deus em meio a seu povo. Mas o símbolo já havia cedido o lugar à realidade”.

“Assim, o Novo Testamento afirma que a verdadeira arca da aliança é uma pessoa viva e concreta: é a Virgem Maria, porque acolheu em si Jesus, acolheu em si a Palavra viva, todo o conteúdo da vontade de Deus, da verdade de Deus”.

A festividade da Assunção foi instituída por Papa Pio XII com a Bula “Munificentissimus Deus”, em 1º de novembro de 1950. Com aquele documento, Eugenio Pacelli proclamou o último dogma (até hoje) da Doutrina Católica.

Rádio Vaticano

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.