Irmã Dulce: uma história em favor dos mais necessitados

0

Após o ingresso no convento, Irmã Dulce passou a exercer os primeiros trabalhos de ajuda aos mais necessitados num lugar que une uma incrível história da presença de três importantes personalidades de nossa Igreja.As crianças correm em terra firme pelas estreitas ruas do bairro do Uruguai, na periferia de Salvador (BA). Em outra época, a precariedade era maior. Tanta, que o local, em 1980, foi escolhido para ser visitado por João Paulo II.

A Igreja de Nossa Senhora dos Alagados foi consagrada diretamente pelo Papa. O título é único em todo o mundo.

A visita inspirou paineis artísticos. Décadas atrás só existiam palafitas à beira do rio. As moradias foram feitas em cima do lixo urbano. Em 1940, todo lixo da cidade alta era jogado na cidade baixa. Esse foi um dos primeiros bairros onde Irmã Dulce prestava assistência aos enfermos. Época em que pobreza e doença eram sentidas na carne.

Irmã Dulce está neste painel. E nas fotografias de época. Não houve obstáculo capaz de impedi-la. O ímpeto de estender a mão aos mais pobres era uma vocação.

Em 1935, todo a área do bairro era tomada por água, por isso o nome de “alagados”. Ali existia também uma ilha chamada “ilha do rato”, e se pode imaginar o motivo do nome. Irmã Dulce tinha 21 anos e costumava visitar as pessoas que moravam em palafitas, atendendo os doentes. A única área de terra que existia é onde, em 1980, foi construída a igreja que guarda, em seu interior, uma história de espiritualidade muito especial.

Quem entra na igreja se depara com a foto de João Paulo II, que visitou a igreja em 1980. Madre Tereza de Calcutá, esteve aqui em 1979. E do outro lado da pilastra, Irmã Dulce. É o que torna este lugar simples, tão diferente.

Madre Teresa instituiu uma casa de missão aqui, em 1979. Irmã Dulce e ela se encontraram.

Irmã Dulce se encontrou com o Papa João Paulo II na primeira visita dele. Onze anos depois, o Papa retorna ao Brasil e reencontra a Irmã, que estava enferma.

Foi na região de alagados que Irmã Dulce viveu a experiência da radicalidade, como ela mesma recorda em entrevista dada alguns anos antes de sua morte.

Irmã Dulce foi pioneira em grandes projetos de assistência social.

Em 1937, surgiu a União Operária de São Francisco, o primeiro Movimento Cristão Operário de Salvador. Depois, o Círculo Operário, entidade que oferecia assistência a trabalhadores e familiares. Três cinemas no local garantiam a renda necessária para manter a obra.

O cine Roma servia também para shows musicais e eventos. Funcionou assim até 1983. O dinheiro passou a ser destinado aos pobres que dependiam de assistência médica.

O bairro Alagados está aterrado, virou Uruguai. O Círculo Operário deu lugar ao cinema, que hoje é Igreja da Imaculada Conceição da Mãe de Deus. Mudanças que vieram sempre para melhor.

A força do amor transforma tudo o que encontra pela frente.

Canção Nova

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.