Na Índia Sexta-feira Santa será dedicada às vítimas dos ataques cristãos com peregrinação silenciosa

0

Na próxima Sexta-feira Santa, 22 de abril, cristãos na Índia caminharão. Será uma peregrinação silenciosa pelas ruas de Mumbai, e que contará com a presença de mais de 20 mil cristãos indianos, de todas as confissões. A iniciativa, lançada pela ONG Católica “Catholic Seculçar ForUM” (CSF) e já apoiada por numerosos grupos e associações cristãs, será dedicada à oração pelos fiéis perseguidos e, em especial, às vítimas dos ataques cristãos na Índia.

Como afirma à Agência Fides Joseph Dias, leigo católico e diretor da CSF, a comunidade destaca a importância de dedicar a Sexta-feira Santa, dia no qual se reflete e se ora sobre a crucificação de Cristo, a todos aqueles fiéis “crucificados” hoje na Índia e no mundo. A peregrinação principal acontecerá em Mumbai (segundo as adesões, são esperadas mais de 20 mil pessoas), partindo da Igreja do Sagrado Coração para chegar, após 10 km de marcha, ao Convento de São Carlos.

Também nas outras principais cidades indianas, como Délhi, Calcutá, Bangalore e outras, estão sendo organizadas iniciativas similares, nas quais os cristãos irão desfilar e orar publicamente para sensibilizar as instituições e a opinião pública.

Os cristãos de fato estão alarmados porque, ressalta Dias, “os ataques anticristãos realizados por grupos extremistas hindus estão em aumento: em 2011 registramos, em média, um episódio por dia, mais ou menos grave. Às vezes as agressões se concentram em algumas áreas, como Orissa ou Karnataka, mas é possível dizer que nenhum estado da Índia esteja imune”.

Segundo Dias, com relação ao estado de Karnataka, por exemplo, não é possível caracterizar os atos como “nova onda” porque “desde 2008 os ataques não pararam mais. Os recentes episódios representam uma dramática confirmação disso”.

O CSF denunciou uma aliança criminosa entre vértices do exército e líderes extremistas hindus, “responsáveis pela violência anticristã que nos últimos anos atingiu os estados de Orinna Karnataka, Madhya Pradesh e Maharashtra, e que ainda prossegue”. Dias nota que “os cristãos são vítimas fáceis porque não respondem com a violência, nem com vingança, mas com oração e com o perdão”.

Sobre as ‘razões’ dos ataques, o diretora afirma à Fides que “frequentemente o pretexto é uma falsa acusação de proselitismo e de conversões forçadas. A verdadeira questão é que extremistas hindus não toleram o empenho social dos cristãos, em escolas ou hospitais, e sobretudo a sua preciosa obra de promoção humana, econômica e social dos dalits e de outros oprimidos e discriminados na sociedade sob base de castas, já que estas pessoas seguidamente pedem para abraçar a fé cristã”.

Com informações da Radio Vaticana e da Agência Fides.

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.