“O que Acontece na Nigéria é muito Parecido ao que Acontece no Iraque”, diz sacerdote

0

guerra-nigériaAbuja (RV) – “O que está acontecendo no nordeste da Nigéria é muito parecido com o que aconteceu recentemente no norte do Iraque”, afirmou à Agência Fides o sacerdote Patrick Tor Alumuku, Diretor de Comunicações da Arquidiocese de Abuja, ao comentar as recentes conquistas territoriais da seita islâmica Boko Haram, no norte no país. “Como os guerrilheiros do Estado Islâmico no Iraque, Boko Haram iniciou há pelo menos dois anos minar a moral da população e dos militares com uma série de atentados, sempre mais espetaculares, para depois desferir o ataque voltado à conquista territorial”, afirmou.

“Começaram atacando as escolas, com a desculpa de que não querem a educação ocidental, após atingiram as estações da polícia e em seguida passaram a atacar os quarteis do exército”, explicou o Padre Patrick. “Boko Haram, então, passou a ter como alvos escritórios governamentais, de uma cidade a outra. Ao mesmo tempo semeava o pânico colocando bombas nos mercados. Nada foi feito por acaso. Tratou-se de uma atividade preparatória que durou um longo tempo, para passar em seguida à tomada do controle do território. É muito parecido com o que aconteceu no Iraque”, observa o religioso. 

“Os ataques às igrejas e aos cristãos faziam parte, portanto, desta estratégia mais ampla voltada à conquista do território, ‘liberado’ da presença dos cristãos, assim como ocorreu no Iraque”, precisou Padre Patrick.

O Diretor de Comunicações da Arquidiocese de Abuja recordou que “recentemente descobriu-se que os financiamentos para o Boko Haram vem da península arábica, por meio da AQMI (a Al Qaeda no Maghreb Islâmico). Algumas vezes, os fundos transitavam por alguns escritórios de câmbio, o que levou o Banco Central da Nigéria a impor controles mais severos nesta atividade”.

Padre Patrick recorda que “para grupos como a Al Qaeda, a Nigéria é um objetivo fundamental, pois é um dos países com o maior número de muçulmanos no mundo. Mais da metade dos seus 170 milhões de habitantes é muçulmana. Os extremistas esperam encontrar uma base forte a partir da qual poderão lançar ataques a outros países africanos. Eu defendo, porém, que eles não têm consciência da complexidade da Nigéria, um país formado por 36 Estados”. (JE)

Fonte: Radio Vaticana

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.