Papa Francisco: Ano da Misericórdia para caminhar na estrada da salvação

0

“Não deveríamos e não poderíamos ser nós que estamos aqui cristãos?”, perguntou-se o Papa Francisco antes de rezar o Ângelus da janela do apartamento pontifício do Palácio Apostólico. Em seguida, ofereceu uma reflexão sobre o que é necessário para que assim seja e se dê em cada um a conversão.

Sem título 1

“Eu os deixo esta pergunta: Sou apaixonado por Jesus? Estou convencido de que Jesus me oferece e me dá a salvação? Se sou apaixonado devo anunciá-lo”.

“Temos de ser corajosos e abaixar as montanhas do orgulho e da rivalidade, encher os poços cavados pela indiferença e apatia, endireitar os caminhos de nossas preguiças e de nossos compromissos”, assinalou.

O Papa se perguntou também: “Por que devemos nos converter?”. “Assim pensando, não nos damos conta de que é exatamente desta presunção que devemos nos converter: da hipótese de que, tudo somado, está bem e não temos necessidade de conversão alguma”, assinalou.

O Pontífice pediu aos fiéis que se perguntassem: “É verdade que nas várias situações e circunstâncias da vida temos em nós os mesmos sentimentos de Jesus? Por exemplo, quando sofremos uma injustiça ou uma afronta, conseguimos reagir sem ressentimento e perdoar de coração a quem nos pede desculpa? Quanto é difícil perdoar!”.

“Quando somos chamados a compartilhar alegrias ou dores, sabemos sinceramente chorar com quem chora e nos alegrar com quem se alegra? Quando devemos expressar nossa fé, sabemos fazê-lo com coragem e simplicidade, sem nos envergonhar do Evangelho?”. “E assim poderíamos nos fazer muitas perguntas. Não é suficiente, sempre devemos nos converter, ter os sentimentos que tinha Jesus”.

O Papa explicou que “a voz de João Batista grita ainda nos desertos atuais da humanidade, que são as mentes fechadas e os corações endurecidos, e nos leva a nos perguntar se efetivamente estamos percorrendo o caminho justo, vivendo uma vida segundo o Evangelho”.

“Hoje, como naquela tempo, ele nos adverte com as palavras do Profeta Isaías: ‘Preparem o caminho do Senhor’”.

“É um convite urgente a abrir o coração e acolher a salvação que Deus nos oferece incessantemente, quase com teimosia, porque nos quer livres da escravidão do pecado”.

A este respeito, o Santo Padre indicou que “a salvação é oferecida a toda pessoa, a todo povo, ninguém está excluído, porque Deus quer que todos os homens sejam salvos por meio de Jesus Cristo, único mediador”. “Nenhum de nós pode dizer: Eu sou santo, sou perfeito, já estou salvo. Devemos sempre receber esta oferta da salvação. É para isso o Ano da Misericórdia: para caminhar nesta estrada da salvação, estrada que Jesus nos ensinou”.

“Portanto, cada um de nós é chamado a anunciar Jesus aos que ainda não o conhecem”.

“Se o Senhor Jesus mudou a nossa vida, como não sentir o desejo de anunciá-lo a quem encontramos no trabalho, na escola, no bairro, no hospital, nos lugares de encontro?”.

O Bispo de Roma também assinalou que “olhamos ao nosso redor, encontramos pessoas que estão dispostas a começar ou a recomeçar um caminho de fé, se encontram cristãos apaixonados por Jesus”.

Antes de rezar o Ângelus, Francisco pediu à “Virgem Maria para que nos ajude a quebrar as barreiras e os obstáculos que impedem a nossa conversão, o nosso caminho rumo ao Senhor. Só Ele pode realizar todas as esperanças do ser humano”.

Via ACIdigital

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.