Home Artigos Pantokrator Não desista da esperança

Não desista da esperança

-

Eu creio que você, assim como eu, já ouviu a expressão: já não há mais esperança! É verdade que vivemos um momento muito difícil da história, no qual a esperança praticamente foi extinta das vidas das pessoas. Eu conheço inúmeras delas que, se perguntadas, por exemplo, a respeito da política dirão que são todos ladrões e corruptos e que não há mais esperança de renovação, mas será?

Há também aqueles que perderam a esperança em suas próprias vidas. Muitas vezes por causa de desilusões no decorrer de suas histórias, foram deixando-se minar e quando viram se encontravam no fundo de um poço, desenvolvendo em muitos casos patologias muito graves como a depressão por exemplo, dentre outras.

Fato é que precisamos, independente do momento em que estamos, refletir profundamente sobre esse assunto, pois pode ser caso de vida ou de morte. A esperança morreu? Escrevendo este trecho me vem a memória a passagem da ressurreição da filha de Jairo, um dos chefes da sinagoga, você se lembra? 

Esperança e fé

“Tendo Jesus navegado outra vez para a margem oposta, de novo afluiu a ele uma grande multidão. Ele se achava à beira do mar, quando um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo, se apresentou e, à sua vista, lançou-se a seus pés, rogando-lhe com insistência: Minha filhinha está nas últimas. Vem, impõe-lhe as mãos para que se salve e viva. Jesus foi com ele e grande multidão o seguia, comprimindo-o. Enquanto ainda falava, chegou alguém da casa do chefe da sinagoga, anunciando: Tua filha morreu. Para que ainda incomodas o Mestre?. Ouvindo Jesus a notícia que era transmitida, dirigiu-se ao chefe da sinagoga: Não temas; crê somente (Mc 5, 21 – 24, 35-36).

Nesta passagem vemos claramente uma contraposição entre a fé e a realidade – a realidade era a morte de sua filha, mas pela fé que Jairo depositava em Cristo, Ele a ela ressuscitou. São Paulo em uma de suas cartas aos Hebreus nos fala algo sobre a fé que convêm lembrar: “A fé é o fundamento da esperança, é a certeza a respeito daquilo que não se vê.” Esta foi claramente a experiência de Jairo, diante do fato narrado por aqueles que tinham constatado a morte de sua filha, só lhe restou acreditar na palavra de Jesus, “crê somente” e foi o que ele fez, mas Jairo foi decepcionado?

A sua e a minha falta de esperança nas situações cotidianas da vida está ligada intimamente a nossa fé em Jesus. Se São Paulo nos diz que a fé é o fundamento, é claro que não ter fé faz com que nossa esperança não se sustente. Sabemos que na construção de um edifício o que permite que ele seja alto é a sua base, quanto mais profunda, mais forte e consequentemente mais alto poderá ser a construção. Assim é nas nossas vidas, quanto maior a nossa fé, maior será nossa esperança.

Nós cristãos não temos uma fé vazia, temos uma fé firme e alicerçada numa rocha que é Jesus. Esta certamente é a grande diferença, parafraseando São Paulo “sabemos em quem depositamos a nossa fé”, isso não nos faz super-heróis ou super-heroínas, mas nos enche de esperança, pois quem tem a Cristo tem tudo.

Como disse São Paulo, tudo dei a conta de esterco afim de possuir a Cristo Jesus, com isso somos possuidores da gloria pois possuímos a Cristo que se deixa possuir por àqueles que creem na força de sua palavra.

Irmãos, esta verdade nos liberta das mentiras do demônio e nutre em nossos corações a esperança nesta vida, esperança esta que nos impulsiona a glória de Deus e que um dia contemplaremos face a face no céu. Por isso não desanimemos, lutemos com todas as nossas forças para que possamos irradiar a glória de Cristo Jesus no mundo sedento de esperança.

Guilherme Granja
Consagrado da Comunidade Católica Pantokrator

Guilherme Granja
Consagrado da Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.

×