A nossa alegria está em depender de Deus

0
alegria

Escute aqui a transcrição dessa matéria

Quem já não presenciou a alegria de uma criança ao ser erguida pelo seu pai e lançada nas alturas. São muitas gargalhadas, gritos e sorrisos. Quem vê de longe tem até calafrios, mas a criança está tranquila nos braços do pai. Deus nos convida a sermos pequenos, dóceis e dependentes para que Ele possa nos conduzir à verdadeira felicidade.

Não tenhas medo

A exemplo dessa criança, Deus quer nos elevar! E para isso, precisamos nos abandonar confiantes na sua misericórdia e bondade. O Papa Francisco, na Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, “Alegrai-vos e Exultai” nos revela: “Não tenhas medo da santidade. Não te tirará forças, nem vida, nem alegria. Muito pelo contrário, porque chegarás a ser o que o Pai pensou quando te criou e serás fiel ao teu próprio ser. Depender d’Ele liberta-nos das escravidões e leva-nos a reconhecer a nossa dignidade”(1).

Depender é caminhar com Cristo e se alimentar diariamente da vontade do Pai. É assim,  o encontro da nossa fragilidade com a força do Todo Poderoso. “Feliz o homem que não procede conforme o conselho dos ímpios, não trilha o caminho dos pecadores, nem se assenta entre os escarnecedores. Feliz aquele que se compraz no serviço do Senhor e medita Sua lei dia e noite. Ele é como a árvore plantada na margem das águas correntes: dá fruto na época própria, sua folhagem não murchará jamais. Tudo o que empreende, prospera” (Sl 1, 1-3).

Na alegria de ser de Cristo e estar com Cristo

Precisamos estar enxertados em Cristo, recebendo toda graça necessária para vencer as batalhas, suportar os sacrifícios e viver todo o bem. Ele mesmo disse: “Sem mim nada podeis fazer”(Jo 15,5). Tantas vezes, caímos na cilada de caminharmos sozinhos, guiados pela nossa própria vontade, seduzidos pelo nosso orgulho. Esse vai minando toda a nossa alegria, e em vez de voarmos como filhos de Deus, começamos a rastejar, devido ao peso dos nossos apegos.

Sem humildade não conseguimos avançar: “A falta dum reconhecimento sincero, pesaroso e orante dos nossos limites é que impede a graça de atuar melhor em nós, pois não lhe deixa espaço para provocar aquele bem possível que se integra num caminho sincero e real de crescimento. A graça, precisamente porque supõe a nossa natureza, não nos faz improvisadamente super-homens. Pretendê-lo seria confiar demasiado em nós próprios” (2).

É necessário, portanto, reconhecer a nossa natureza limitada e pedir a força do Pai a cada momento de nossas vidas. Além disso, precisamos renunciar tudo aquilo que nos distancia da vontade de Deus. Que peçamos a graça ao Espírito Santo, que Ele nos mostre o que precisamos abandonar por amor a Deus e seu Reino. Tenhamos coragem! “No fundo, como dizia León Bloy, na vida existe apenas uma tristeza: a de não ser santo” (3).

Andressa Silva
Consagrada da Comunidade Católica Pantokrator

(1) Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, 32

(2) Ibidem, 50

(3) Ibidem, 34

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.

catorze − dois =