Home Artigos Pantokrator Amo meu trabalho ou sou escravo dele?

Amo meu trabalho ou sou escravo dele?

-

O trabalho dignifica o homem! Você certamente já ouviu esta expressão. Mas, qual o significado disso?

A verdade é que o trabalho eleva o homem a uma condição de dignidade, ou seja, ele é essencial no processo de construção do ser humano, pois através dele o homem pode realizar grandes coisas, não só para si, mas também para aqueles que o cercam, sejam eles subordinados ou superiores. Mas entenda que, quando me refiro ao homem, eu o faço enquanto criatura, criado por Deus à Sua imagem e semelhança, e não o ser do sexo masculino.

Sendo, então, essa expressão uma verdade, podemos entender que o trabalho é uma missão, algo que eu devo realizar com amor. Santa Teresinha do menino Jesus é a mestra nisso. Em sua passagem por este mundo, ela conseguiu descobrir este pequeno caminho para alcançar o coração de Deus; em tudo o que realizava, tinha como meta o amor.

Mas o que temos visto acontecer com as pessoas com quem convivemos dia a dia em nosso local de trabalho?

Certamente encontramos pessoas felizes, livres, realizadas em suas funções, não é mesmo?

Na verdade, não! O que encontramos muitas vezes é uma relação de escravidão entre as pessoas e seu trabalho. Elas não têm mais controle sobre suas vidas, dedicam horas a fio em busca da excelência, em busca de melhores resultados e, por que não dizer, de reconhecimento, seja ele financeiro ou de crescimento profissional; por que não os dois?

Colocam o trabalho como o fim último, passando, então, a ser a razão da sua vida, não importando que tenham que trabalhar 12, 14 ou 16 horas seguidas! O que importa é a excelência, o que importa é o lucro, o que importa é crescer e se destacar, não é?

Muitos sacrificam sua família, filhos, casamento, saúde, em busca do tão almejado sucesso profissional.

Também há aqueles que pela manhã picam o cartão pensando no fim do expediente, começam o dia tendo como meta a hora de voltar para casa; a sua meta é sobreviver até a hora do almoço e depois até a hora de ir embora. Para ele, happy hour é sexta feira às 18 horas, quando chega a hora de ir embora para casa ou outro lugar qualquer. O trabalho é um castigo, culpa de Adão, talvez, quando comeu o fruto proibido. Ele trabalha única e exclusivamente pelo salário, o que ele quer não é reconhecimento, excelência, o que ele quer é que o dia, a semana e o mês acabem, pois somente assim ele receberá o tão merecido prêmio chamado salário.

Esse pobre coitado não tem perspectiva alguma de crescimento, ele também não percebe, mas vive é uma relação de servo e senhor, ou seja, também é escravo, escravo do seu salário, escravo de uma vida medíocre, escravo de uma visão apequenada do que é o trabalhar e qual o seu verdadeiro sentido na vida.

Na passagem de Mc 2, 27-28, diz Jesus “O sábado foi feito para o homem, e não o homem para o sábado, e para dizer tudo, o Filho do homem é senhor também do sábado.”

Vale lembrar que os discípulos de Jesus estavam sendo acusados de trabalhar em dia de sábado, já que colheram espigas de milho enquanto caminhavam pelo campo, o que para o judeu era proibido, mas, qual é a mensagem que Jesus deseja nos ensinar?

Ele quer restabelecer a ordem das coisas. Jesus diz que o sábado foi feito para o homem, assim como todas as coisas criadas foram feitas para que nós possamos delas desfrutar numa relação de liberdade. Só é livre quem consegue colocar o amor naquilo que faz; só é livre quem compreende que o trabalho não é um fim em si mesmo, ou um fardo a ser carregado pelo qual eu recebo um mísero salário no final do mês, não! O amor livre faz do meu trabalho lugar de missão.

Bem, isso muda tudo, muda a maneira como eu me relaciono com as pessoas com quem eu trabalho, pois entendo chamado e me relaciono de maneira cortês, gentil e educada com todos. Isso muda a forma como eu me relaciono com a minha função enquanto membro de uma equipe, pois sou membro de um corpo jurídico que é a empresa, assim realizo com excelência o meu trabalho, busco o melhor que eu posso dar, busco ajudar os meus colegas, por amor.

Que possamos descobrir nossa missão e que o Senhor abra nossos olhos para que sejamos em nossos trabalhos verdadeiramente livres e não mais escravos.

Guilherme Granja 
Consagrado da Comunidade Católica Pantokrator 

Guilherme Granja
Consagrado da Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.

×