Por que ser íntimos de Deus? 

Aquele que sempre existiu desejou dar-nos também a vida para simplesmente nos amar, cercando-nos de um lindo universo, pensando em cada detalhe… Por que não ser íntimos de Deus, que Se inclina para nos olhar, e Se interessa pelos nossos atos (cf. Sl 32,14-15)? Ele, que cuida de cada fio de cabelo (cf. Mt 10,30) e nos conhece desde antes de nossa concepção (cf. Jr 1,5)!

Ao sermos íntimos d´Ele, somos plenos e felizes, aumenta o amor próprio e o amor pelos outros. Mas, para que essa intimidade se sustente, precisamos estar atentos às adversidades. É como uma construção, que precisa de bom alicerce, resistir às intempéries, ao “peso próprio” dos elementos construtivos, às infiltrações e corrosões. Em cada indivíduo, essas adversidades atuam de maneira diferente. Por isso, faz-se necessário conhecer-se bem. Quem sustenta essa busca torna-se até mais belo, pois reflete o próprio Cristo (Esposo que atrai todas as almas).

Alicerce: Deixar-se seduzir 

“Provai e vede como o Senhor é bom, feliz o homem que se refugia junto dele” (Sl 33,9). Ao experimentarmos o Amor de Deus, Seu cuidado, proteção e providência em nossas vidas, somos capazes de nos comprometer com Sua amizade.

Encontremos o Amado nas atividades comuns, como nos ensina Santa Teresa D´Ávila: “Em meio às panelas também se encontra o Senhor”. O ideal é que nos alimentemos de Sua Palavra logo pela manhã e, através dela, nos relacionemos com Ele. Aquilo que Deus falou orientará as próximas orações e ações frente à vida. Ao fim do dia, é possível contemplar os frutos.

Nos trajetos, elogiá-l’O por Suas obras; lamentar pela degradação humana ou da natureza; acolher Cristo nas pessoas que cruzam nossos caminhos; imitar Jesus, Maria e José, “peregrinos” que, por onde passavam, deixavam curas, bênçãos, amor.

Fazer perguntas para Deus. A Seu tempo e modo, Ele responde (cf. Jr 33,3). Recorrer ao Seu auxílio, até mesmo nas pequenas coisas. Isso não é “abusar de Sua paciência”, mas é dar-Lhe a oportunidade de revelar Seu amor nos pequenos detalhes. Anotar o que Ele fala e realiza em nossas vidas, fazer memória.

Experimentemos “exultar de Alegria” no Espírito. Participar de grupos de Oração nos ajuda a provar de Seu Amor e Poder. Cercar-nos de amizades com quem possamos compartilhar a ação de Deus em nossas vidas mantém abrasada a chama da fé.

Pedir auxílio do próprio Deus, da Virgem Santíssima, dos santos e do nosso Anjo da Guarda, por esta “empreitada” de buscar maior intimidade com Deus. Rezar o Santo Terço, mergulhando em cada Mistério. Quanto mais conhecemos Deus, mais nos apaixonamos por Sua Verdade. : “Quem come a minha carne e bebe meu sangue permanece em mim e eu nele” (Jo 6,56). Quer maior intimidade do que essa união? Adoração: oportunidade de nos relacionarmos em espírito, alma e presença física.

Estruturando o “peso próprio” 

Nossa humanidade requer cuidados físicos; necessitamos de afetos humanos; carregamos “marcas” em nossas memórias; somos fracos para resistir ao pecado… Tudo isso influencia nossa vida de oração. Resta-nos identificar, em cada área de nosso ser, aquilo que mais nos atrapalha a intimidade com Deus. Podemos anotar estes pontos, estabelecendo metas, prazos e meios para combatê-los (1).

Santa Teresa D´Ávila nos ensina que, diante das distrações na oração (causadas por paixões, vícios, apegos), não devemos lutar contra elas, mas ignorar e ofertar ao Senhor. Usá-las para manter o diálogo com Deus.

Fugir das situações de pecado. Buscar sempre a Confissão. Isso “abre nossos olhos espirituais” à Luz de Deus e ao Sopro do Espírito. É como uma construção de amplas aberturas: ao receber boa iluminação e ventilação, torna-se mais salubre.

Nem sempre experimentaremos emoções prazerosas na oração. O que importa é a fidelidade de estarmos com Deus. Recorrer a jaculatórias, leitura orante, músicas, contemplação da Cruz e imagens sagradas, tudo isso pode nos ajudar. Fora dos momentos de oração: filmes, livros e pregações nos ajudam a retornar ao “primeiro amor”.

Resistindo às intempéries 

As circunstâncias exteriores merecem nossa atenção. Não devemos nos deixar abalar pelas “tempestades” da vida: é momento de intensificar as orações. Quando Deus permite “chuvas de bênçãos”, corremos o risco de nos distrair tanto com a alegria, que deixamos de lado o próprio Deus!

Um dos maiores desafios atuais é encontrar tempo para estar com Deus em meio ao “furacão” da correria. Sigamos o exemplo de Maria, irmã de Marta, que “escolheu a melhor parte” (cf. Lc 10, 42). Podemos contar com a ajuda de alarmes, em determinados horários, para deixar brevemente nossos afazeres e nos dirigir a Ele. Escolher melhor local para facilitar essa intimidade: o silêncio.

Combatendo infiltrações e corrosões 

Expulsar de nossos corações: ódio, ressentimento, vanglória pelos dons e santidade crescentes (pela maior intimidade); eliminar o legalismo (mero cumprimento de preceitos, sem amor); acabar com o “cupim” do “posso tudo pelos meus esforços”, sem contar com auxílio da Graça (cf. Santa Teresa D´Ávila).

A Beleza de ser íntimos 

Toda essa busca gera maturidade espiritual. Mas, nunca nos acomodemos.

Aderir à vontade de Deus (dispostos às “loucuras” a que Ele nos convida) torna-nos íntimos como com laços de sangue (cf. Mt 12,50)!

Sejamos guardiões da Verdade em nosso meio, zelando pela Igreja e pelas coisas do Reino, como um herdeiro zela pelas coisas de seu pai.

Santa Teresinha nos ensina a ofertar florzinhas a Cristo (pequenos sacrifícios, jejuns, dores e tristezas), unindo-nos com o Crucificado. Ensina-nos também a compartilhar coisas boas com o Amado, como comer lindas uvas.

Porque amamos, gostamos de fazer Deus sorrir, utilizando-nos de bom humor e bom senso. Cada um descobre, ao longo do tempo, meios para se defender daquilo que o afasta de Seu Amado. O próprio Deus nos inspira a criatividade necessária. Convidamos você, leitor(a), a compartilhar suas técnicas nos comentários deste site, colaborando com a edificação dos demais leitores e autora deste texto. Mãos à obra!!!

Luiza Torres
Postulante da Comunidade Católica Pantokrator 

REFERÊNCIAS:

  1. Cf. NOGUEIRA M. E.; LEMOS S. M. Tecendo o Fio de Ouro: Itinerário para o autoconhecimento e a liberdade interior. Aquiraz: Shalom, 2013

2 COMENTÁRIOS

  1. Nossa!!! Estou devorando tudo que a Comunidade Pantokrator me encaminha por e-mail….salvo tudo em uma pasta para não correr o risco de perder.
    Leio, imprimo e marco os pontos que me impressionam. Aprendendo dia a dia a amar cada vez mais Aquele que me ama tanto.
    Obrigada…agradeço intensamente por tudo.
    Um grande abraço à todos da equipe.

    • Olá, a paz!
      Essa mensagem nos alegra muito.
      Reze por nós para que continuemos a ouvir e expressar a vontade de Deus em nossos textos.
      Conte com as nossas orações no dia de hoje.
      Abraço fraterno.

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.