A ordem de Cristo “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Marcos 16,15) diz respeito a todos nós, cristãos, pois todos somos chamados a levar ao mundo a Boa Nova de Cristo que dissipa as trevas e dá sentido ao existir do homem. Essa ordem exige de nós renúncias que nos tornam cada vez mais conformados ao Senhor, o enviado do Pai.

Em Lucas 10,2-4 quando lemos o envio dos setenta e dois discípulos, dentre algumas recomendações, vemos o que Jesus diz aos enviados: “Não leveis bolsa nem mochila, nem calçado e a ninguém saudeis pelo caminho.”

A recomendação daquilo que os discípulos não deveriam levar pode ser compreendida por nós não somente como algo material, mas no sentido mais amplo de tudo o que deve ser deixado para trás para o anúncio do Evangelho.

As renúncias sempre serão necessárias na vida de um missionário, pois quem é enviado por Deus deve estar livre de tudo que o prende, para anunciar unicamente ao que Deus ordena.

É comum que principalmente no início de nossa caminhada com Deus tenhamos que renunciar a muitas coisas que não condizem com a fé que abraçamos. Essas renúncias, no entusiasmo do encontro com Cristo, em muitos de nós, se dá de forma quase que espontânea, pois ficamos extasiados de alegria, por termos encontrado o tesouro que tanto buscávamos (Cf. Mateus 13,43-44).

Com o passar do tempo, o que era feito com alegria torna-se um peso, pois nos acostumamos com o tesouro que encontramos: Jesus. Por isso, é sempre necessário nos lembrarmos do encontro que tivemos com o Senhor e de que vale a pena renunciar a tudo para anunciar aos homens a alegria que possuímos.

Quando falamos sobre vida missionária, com muita facilidade nos recordamos daqueles homens e mulheres que deixaram tudo – família, projetos, profissões, bens materiais – para seguirem a Cristo mais de perto.

Contudo, todos nós, batizados e membros vivos da Igreja, juntos “temos a missão de levar o Evangelho a todos”, como nos ensina Sua Santidade o Papa Francisco na mensagem para o Dia Mundial das Missões de 2018.

Assim, as renúncias são necessárias para os que deixam tudo e, também, para os que são chamados a deixarem a cada dia pequenas coisas, para que a Palavra do Senhor chegue a todos os homens, pois todos somos missionários.

Quais são as renúncias que Deus te chama a viver hoje?

Pode ser a renúncia de abrir mão de um tempo de descanso para conversar com alguém, postergar o plano de comprar algo desejado para ajudar um irmão necessitado, reagendar aquele passeio tão sonhado para assumir algo na obra de Deus, escolher dedicar-se mais à oração a ouvir música ou assistir a um filme, deixar de lado o celular para estar atento ao outro…

Perceba que as renúncias da vida de um missionário passam também por coisas que são lícitas, saudáveis, mas que não devem ser prioridades quando a necessidade de se doar a Deus e ao outro se fizer presente.

Peçamos ao Senhor a graça de encararmos sempre com alegria as renúncias que precisamos fazer em nossa vida missionária, cheios de fé de que o que deixamos para traz não se compara com o valor do tesouro que encontramos e com tudo o que Deus tem reservado para nós no céu. Que nossas renúncias tenham também sentido diante de tantas almas que podemos salvar com nosso sim generoso a Deus.

Edvandro Pinto
Discípulo da Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.