Com o que você preenche o seu coração?

0

A gente, normalmente, nunca para para pensar na gravidade que existe em preencher o coração com coisas erradas. Na verdade, em um mundo tão enraizado no “a pessoa é livre para fazer o que ela quiser” onde, consequentemente, nada se torna mais “errado” em nome da liberdade, não paramos nem para pensar que de fato existe algo certo e algo errado para preencher o nosso coração. E isso é mais grave ainda. Por isso, é hora de abrir os olhos. O discurso onde tudo é permitido em nome da liberdade e com a justificativa de felicidade, que no fundo é ilusória, é falho. Nosso coração precisa ser preenchido com aquilo que ele foi feito para ser preenchido, não por qualquer coisa.

Nosso coração engloba tudo que somos. Nossa alma, nossas paixões, nossos objetivos. E assim como o corpo físico necessita dos alimentos saudáveis para se manter vivo e íntegro ao longo dos anos, o coração também precisa. Ainda que não se note o efeito imediato, preenchê-lo com coisas ruins ou tóxicas, fúteis e desnecessárias, ou ainda importantes, mas em exagero, causa um dano tremendo em nosso ser. Do mesmo jeito como viver a vida comendo porcarias também pode resultar em diabetes, hipertensão, e uma lista infinita de males físicos.

O que precisa preencher nosso coração

Vivemos a vida em busca de preencher nosso coração com o que nos faz feliz. O que as pessoas nunca param para pensar é no porquê de fato somos movidos por isso. Se olharmos para Genêsis, encontramos a resposta. Tenho certeza de que você já ouviu falar da marca do pecado original que a humanidade sofreu e carrega de geração em geração até nós. Pois bem, essa marca ficou impressa no ser humano de uma maneira que interfere muito em nossas vidas hoje. Todavia, ela não é a única marca que ficou no coração humano e é carregada por todos os séculos. Uma marca muito maior existe.

A marca da felicidade. Um dia, o ser humano tocou e experimentou o que era ser verdadeiramente feliz. Um dia, o ser humano esteve na presença do Senhor por completo, e ali havia ordem, havia paz, havia felicidade. O que é felicidade? Felicidade é o fruto de ser aquilo que você foi criado para ser. Você foi criado para ser filho de Deus, para amar e ser amado. E a partir do momento em que a união com Deus foi rompida, o ser humano perdeu-se de sua essência. Mas a saudade, a memória da felicidade ficou impressa no coração do homem, por isso todos buscam por ela. E ela só é encontrada quando o coração (for) se preenche daquilo que o falta, daquilo que pertence a ele. Ou seja, Deus.

Assim como dizia Jesus, à samaritana que buscava água no poço: “Todo aquele que beber des­ta água tornará a ter sede, mas o que beber da água que eu lhe der jamais terá sede. Mas a água que eu lhe der virá a ser nele fonte de água, que jorrará até a vida eterna” (Jo 3, 13-14). Apenas o Senhor possui a água que preenche os corações da maneira como eles devem ser preenchidos.

Para saber o que preenche o seu coração hoje, basta olhar para aquilo que te move. Para aquilo que você vive, aquilo que te guia e molda as suas ações e passos. Talvez, você seja a pessoa que preencha seu coração com coisas tóxicas. E esse é o estado mais sério e grave, onde seus ídolos possam ser as drogas, paixões afetivas desregradas, prazer sexual incontrolável, o dinheiro a qualquer custo, a militância por ideologias mentirosas, um relacionamento abusivo, etc. Talvez ainda, você seja a pessoa que preenche seu coração com coisas fúteis, como um ideal de beleza, o desejo pela fama e reconhecimento, o desejo de ter tudo, o apego incondicional por um artista, um time esportivo, etc. E, por fim, você pode estar até no estado menos grave, mas ainda sim muito sério: o que preenche o coração com coisas lícitas, mas de maneira exagerada, como sua própria família, seu trabalho, seus estudos, como se aquilo fosse seu deus, seu ídolo, a sua essência.

Esses três estados se diferenciam em gravidade, realmente. Mas todos possuem algo em comum: a falta do essencial. A falta de Deus. Ainda que uns precisem de mais purificação que outros, todos precisam encontrar o lugar que Deus precisa tomar no seu coração. Muitos se enganam que esse lugar é apenas um espaço reservado, uma subdivisão, uma parte do todo. Mas não é. Me incomoda tremendamente as pessoas que fazem de Deus uma subdivisão da sua vida lotada de coisas. Vão à missa aos domingos, vão a grupos de oração, mas vivem o mundo lá fora sem ao menos rezar, sem ao menos agir com valores cristãos. Não!

O lugar de Deus preenche o coração inteiro, em todos os setores que existem. Na sua família, trabalho, estudo, lazer e o que mais for. Deus precisa estar em tudo isso, e acima de tudo isso. Porque só Ele é essencial.

“Tudo passa, só Deus basta”

É Santa Teresa de Jesus que nos ensina. É exatamente por isso que o discurso mundano de que as pessoas podem fazer o que quiserem desde que as faça felizes é falho. Nada as fará felizes como Deus, pois enquanto todas as outras coisas acabam, o nosso coração tem sede daquilo que é eterno. Da água que não traz mais sede, que Jesus apresenta à samaritana. Pare e perceba, as pessoas estão constantemente buscando por coisas que durem. Por uma perspectiva de eternidade.

Então pare de preencher o seu coração com as coisas erradas, que não te levam a nada. Que trazem um prazer momentâneo, mas que te esvaziam pouco a pouco, e a longo prazo, não te sobra nada. São dessas escolhas que nascem a tristeza, a frustração (,) e a infelicidade. Tudo nesta Terra passa, no final das contas… só Deus basta.

Giovana Cardoso
Postulante da Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.

três × 5 =