De que lado estou?

0

dois-caminhosQuem não está comigo, está contra mim; quem não recolhe comigo, espalha.(Lc 11,23).

Essa palavra me levou a uma reflexão sobre o seguimento de Cristo. Ele foi muito claro ao dizer que aqueles que não estão com Ele, estão contra Ele. Não disse que poderão ou talvez não estarão com Ele, mas fez uma afirmação: “Quem não está comigo, está contra mim”.

As palavras de Cristo são fortes e verdadeiras e leva-nos a um confronto conosco mesmos. É uma palavra que nos provoca. Acostumados por uma cultura hedonista, que só busca o prazer e a satisfação em tudo, até mesmo nas coisas de Deus, ficamos chocados quando nos deparamos com a verdade, mas isso deveria ser motivo de grande alegria para nós, pois somente  a verdade liberta!

Vivemos hoje um tempo onde vemos muita mornidão espiritual, de cristãos que se entregam a Cristo e a sua Igreja muitas vezes pela metade, mas Deus nos chama a dar TUDO porque Ele já deu TUDO! Como diz Santa Terezinha: “Não quero ser santa pela metade!” O Papa Emérito Bento XVI diz que nos tempos de hoje somos chamados a viver o martírio. Não o martírio de sangue, mas o martírio da ridicularização. Cristo e sua Igreja desejam que os seus filhos saiam de cima do muro e se decidam pela verdade e se entreguem e se rendam a ela. Um cristão não pode ser superficial, subjetivo. Tem que sair de cima do muro, tem que sair da mornidão para a radicalidade evangélica.

Em nossa decisão de seguir a Cristo, ou estamos com Ele ou não. Essa é a radicalidade da vida evangélica e do seu seguimento que somos chamados! Mesmo assim, podemos desconsiderar muitas vezes as palavras que Ele nos diz, e criar, por assim dizer, uma fé subjetiva e fria, uma fé de conveniências, adaptada ao meu jeito de interpretar as coisas e me esconder por causa do medo, da vergonha e até mesmo de querer proteger nossa alto imagem. Não podemos nos esconder. Jesus diz: “Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha… que a vossa luz brilhe diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem vosso Pai que está nos céus.” (Mt 5,14-16).

Jesus ainda diz: “O que vos digo na escuridão, dizei-o às claras. O que vos é dito ao ouvido, publicai-o de cima dos telhados.” (Mt 10,27). Nós não temos o direito de guardar a verdade. De escondê-la. De deixar de falar o que tem que ser falado só pra ser politicamente correto. O mundo estar cansado de relativismo! Ele clama pela verdade! No fundo, todo o ser humano busca a verdade porque ele nasceu pra ela. Se alguém esta doente ao nosso lado e temos o remédio que pode curá-lo, não temos o direito de negá-lo ao que está sofrendo e infelizmente muitos morrem porque nós temos o remédio e não damos ao que está doente.

Infelizmente uma das doenças do mundo pós-moderno é por falta da verdade. O mundo carece de pessoas que anunciem a verdade, se comprometam com ela, deem a vida por ela, se sacrifiquem por ela. Nossa geração tem se transformado numa geração fraca, sem vida, sem entusiamo, sem brilho, incapaz de fazer escolhas definitivas, porque escolheu o relativismo em detrimento da verdade. Enquanto a verdade liberta o relativismo escraviza! Só existe dois caminhos. Um leva para a salvação e outro para perdição.

Existe uma meta a ser conquistada e Cristo sabe que podemos alcançá-la, por isso, nos chama a estarmos do seu lado. O lado bom, o lado da alegria, da felicidade, do sofrimento sim, mas também da ressurreição. O lado de Cristo é o lado da verdade, é o lado da liberdade e sobretudo – da salvação.

Confrontar a palavra de Cristo com nossa realidade as vezes se torna um escândalo. Mas Cristo, parece que nos faz essa pergunta: “Você está comigo ou não?” Suas palavras sempre nos apresenta dois caminhos para seguir e não tem um “meio termo”.

Como servos de Cristo, somos chamados também a recolher, e não a espalhar: “…quem não recolhe comigo, espalha” (Lc 11,23). Talvez possamos achar que viver um cristianismo superficial é o suficiente, mas literalmente não é. Todavia, precisamos entender e se questionar se a nossa forma de viver o cristianismo não está sendo sem comprometimento, sem responsabilidades e sem decisão. Desta forma, não estando comprometido com o que Ele nos chama, podemos também estar sendo um empecilho para a construção do seu reino, ajudando assim a espalhar no sentido que diz o relato de Jesus. Afinal, viver o silêncio em algumas situações, também pode ser um pecado: “Aquele que souber fazer o bem, e não o faz, peca.” (Tg 4,17).

Mas porque as palavras de Cristo são tão duras e radicais? Porque Ele deseja nos dá muito, mas o seu seguimento é exigente e requer de nós decisão e renuncia. Não vi até hoje alguém que tem abandonado sua vida em Deus e que, no entanto, tenha se decepcionado. Cristo é sempre sim e quando nos lançamos confiantemente para fazer a sua vontade Ele abre seus reservatórios de graças para nos cumular de bens. Assim diz a sua palavra: “Coisas que os olhos não viram, os ouvidos não ouviram e nem o coração humano imaginou, tais são os bens que Deus tem reservado para aqueles que o amam”…(1 Cor 2,9)

Ao encerrar deixo um questionamento para nós: “De qual lado estou? Estou com Cristo ou estou contra Ele? O que estou buscando com Cristo, minhas necessidades ou as de Deus? Estou recolhendo almas para Deus ou estou dispersando?”

Boa reflexão e que Cristo seja nossa alegria sempre!

Fábio Junior
Consagrado na Comunidade Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.