Depois de corrermos tanto são necessárias as paradas

| 7 de fevereiro de 2019 | 0 Comentários

Corremos tanto na vida, corremos para tudo, para o trabalho, para a aula, para pegar o ônibus ou táxi, ou para simplesmente entrar no carro, corremos para comer ou comemos correndo, corremos no trânsito, no shopping, no mercado. E quando nos perguntamos aonde vamos, dizemos, rápido demais: “vou correndo ali e já volto”. Corremos tanto para acompanhar o ritmo alucinante em nossa vida, os prazos, as datas, as entregas, a moda, a mídia… E tudo é tão rápido que nos perdemos e, às vezes, sem sabermos atrás do que estamos correndo.

Aí chega a hora que correr nos cansa, não sabemos para onde, como e por que corremos, mas se o ‘fluxo’ mandar, continuamos correndo. Porém, a falta de sentido, de sermos fazedores de coisas, é um sinal de PARADA!

Quantas vezes paramos no dia? Na semana? Seja no mês? E no ano? E os dias passam, sem paradas… Não entendemos o que fazemos aqui.

E se você não for uma pessoa que por vontade própria sentirá necessidade de fazer uma parada, porque assim como eu, se sentirá forte suficiente para resolver tudo correndo, Deus parará você!

Deus nos para

Quantas vezes vemos gente sendo paradas, por exemplo, com uma doença, depressão, exaustão, ou por nada. Sim, Deus nos para também com nada. Quando te tira tudo, a saúde, o emprego, um ente querido, algo que goste muito, logo te sobra: NADA! É um grito de Deus para te fazer parar.

Não tendo nada, terá que pensar em você, o que no meio da correria não faz tão bem, e olhando para dentro encontrará Deus. E é isso que Ele quer, pois chegará a entender que o nada é tão importante mesmo e o tudo, na verdade, vale de nada.

A parada te dá um tempo para respirar em um ritmo normal, andar nos mesmos lugares e ver a paisagem, falar com as mesmas pessoas e descobri-las, te permite cheirar as flores, tomar chuva, beber café sentindo o gosto, comer fruta no pé, olhar para o céu. A parada, portanto, permite que você olhe sua vida de fora e descubra o que realmente vale a pena.

A parada, certamente, pode te fazer voltar a correr com mais fôlego, em outro sentido, para um destino, (e) levar pessoas com você e não permitir mais que a correnteza te carregue.

A parada te faz refletir (,) quem é mesmo dono de quem. O tempo é seu dono ou você vive o tempo de Deus?

O que faz valer a corrida?

Em conclusão, depois de voltar a correr, seu ritmo muda, mesmo tudo estando igual. Pois o NADA vai te perseguir, afinal você descobriu que é ele mesmo que vale a pena. E tudo que você faz, o cargo que exerce, seu estudo, seu número de curtidas no Face (,) e o carro do ano (,) não vão te levar a lugar algum. E se vier a nada ter, possuirá o Tudo; e esse não passa. Não importa mais como se vive, como diz São Paulo: “sei viver na penúria, e sei também viver na abundância. Estou acostumado a todas as vicissitudes: a ter fartura e a passar fome, a ter abundância e a padecer necessidade” (Fl4,12). O que faz valer a corrida é a PARADA!

Amanda Ferreira Marques
Discípula da Comunidade Católica Pantokrator

GOSTOU? COMPARTILHE EM SUAS REDES SOCIAIS!

Tags: , , , , ,

Category: Artigos Pantokrator

Deixe um comentário

Eventos Campinas Informações