Namoro a três: o encontro com o Amor

3

O namoro é um tempo de descoberta do outro, não do seu corpo, da beleza física ou do que o excita, mas do tesouro que o outro tem guardado dentro de si, para que desta forma se descubra quão caro ele é e se tenha coragem de vender todos seus bens para ‘comprar’ essa perola preciosa.

O caminho do namoro é também de renuncias, de si mesmo, de suas vontades para ir ao encontro do outro que tem o desejo também de te encontrar.

O namoro é o encontro de dois corações que buscam um lugar para descansar.

Enganam-se quem pensa que encontrará alguém que o complete. E ótimo que não pois, desta forma conseguirão, juntos, irem ao encontro de Deus. Aquele que pode te dar a plenitude e, assim se completarem no amor. É o Amor que pode completar um ao outro!

Se você já se machucou com um amor mal vivido, não desanime, talvez nunca tenha sido amado pelo que você é, do jeito que merece e se permitia pular etapas, com a ânsia de ser feliz.

O papa emérito Bento XIV nos convida a continuar a trilhar um caminho de conquistas: “Queridos jovens, não tenhais medo de enfrentar estes desafios! Nunca percais a esperança. Tende coragem, também nas dificuldades, permanecendo firmes na fé. Tende a certeza de que, em todas as circunstâncias, sois amados e protegidos pelo amor de Deus, que é a nossa força. Deus é bom… amar a Deus e sentir que Ele me ama. Nada nos pode separar do amor de Deus!”

Só quem reconhece e faz uma experiência com Deus, pode dar amor ao outro, amor puro, sincero e verdadeiro. Cristo quer nos ensinar a namorar, Ele que em tudo foi santo, sabe que seu coração tem sede do que é bom, do que não passa e do que é eterno. O amor nos propõe a eternidade!

Bento XIV, em um encontro com namorados, nos diz que “como namorados estais a viver uma fase única, que abre para a maravilha do encontro e faz descobrir a beleza de existir e de ser preciosos para alguém, de poder dizer um ao outro: tu és importante para mim. Vivei com intensidade, gradualidade e verdade este caminho. Não renuncieis a perseguir um ideal alto de amor, reflexo e testemunho do amor de Deus! […] Não vos esqueçais de que para ser autêntico, também o amor exige um caminho de amadurecimento: a partir da atração inicial e do sentir-se bem com o outro, educai-vos a amar o outro, a querer o bem do outro. O amor vive de gratuidade, de sacrifício de si, de perdão e de respeito do outro.“

Que belo ver que nos ensinam a viver um namoro, um amor saudável e que nos promete a eternidade. Acostumamos-nos a comer as migalhas que caem da mesa e continuamos a nos rastejar ao chão, implorando um pouco de amor. Mas Cristo nos quer apresentar um novo amor, um amor muito maior que nos faz crescer e viver um pedaço do céu.

Alegre-se em saber que para ser feliz é apenas um passo. É preciso almejar medidas altas e parar de se contentar com níveis baixos de amor. Saber que fui criado para o alto e não preciso viver na planície em meu namoro. Quando reduzo meu namoro a apenas o uso, ao meu prazer, ao contato físico, a avançar os limites de onde podemos chegar, esqueço que o namoro é sim uma aventura, uma visão do alto que nos levará a momentos, situações, sentimentos que só podem ser experimentado a dois. Esqueço que não posso tocar a beleza do outro sem encontrar antes a pérola preciosa que lá está escondida, e que está além do que posso tocar ou ver. É a visão do infinito que tenho do alto e não da planície.

“Acelerar as etapas acaba por comprometer o amor, que ao contrário precisa respeitar os tempos e a gradualidade nas expressões: tem necessidade de dar espaço a Cristo, que é capaz de tornar um amor humano fiel, feliz e indissolúvel”.

Deixe Deus viver com vocês o namoro, peça também Cristo em namoro todos os dias, para que Ele possa viver no meio do casal, fortalecendo, dando oportunidade de dizer o sim de cada dia, de cada dia escolher mais essa pessoa, descobri-la e esperá-la. O amor verdadeiro vem com o conhecimento, o conhecimento se obtém pela intimidade e esta acontece quando você consegue ser você mesmo!

E por vezes creio que é um tempo mais que vivido a três, é talvez a quatro:

“Depois, tende a certeza de que também a Igreja está próxima de vós, vos ampara, não cessa de olhar para vós com grande confiança. Ela sabe que tendes sede de valores, dos verdadeiros, sobre os quais vale à pena construir a vossa casa! […] Não estejais sós: sede os primeiros a procurar e a acolher a companhia da Igreja.”

Temos em todos os lados ajuda para nos fazer crescer e discernir uma vocação autentica.

Jovens, temos a resposta de como viver bem e em plenitude esse amor humano que é para nós sinal do Amor Eterno, de como nos preparar no namoro para descobrir e assumir a vocação do matrimonio. Faça do seu namoro um treino para viver para o outro, prepare-se para viver com convicção “um para sempre”. A indissolubilidade antes de ser uma condição é um dom que precisa ser pedido e desejado pelo casal e depois vivido.

Namore, se apaixone, descubra e aproveite essa fase que nos faz crescer também na fé.

“Cada amor humano é sinal do Amor Eterno que nos criou e, cuja graça santifica a escolha de um homem e de uma mulher de se entregarem reciprocamente a vida no matrimônio.”

Amanda Ferreira Marques
Consagrada da Comunidade Pantokrator 

3 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns filha, por este texto maravilhoso.
    Continue a acreditar sempre nesse AMOR maior.
    E viva intensamente o seu namoro, com alegria, com fé, com esperança de um mundo tão maravilhoso que faça a juventude correr atras do que é eterno.
    Simplesmente te amo!
    Sua mãe

  2. Com certeza. É bom que não nos sintamos completos no namoro, pois se assim fosse, não recorreríamos à Deus. Colocar o Cristo no namoro não é melhor, mas sim essencial.

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.