O desespero de sentir algo a todo custo

1

Hoje, vamos começar com uma pergunta básica: como você tem se sentindo? Perceba que o sentido da pergunta pode ir além dos aspectos físico e mental, pode sim estar ligado ao espiritual. Agora, calma, sem desespero, imagine que essas 3 dimensões são recipientes conectados por meio de canos. No que tange a explicação da dimensão espiritual, atrai-me muito utilizar a metáfora da água. Pois bem, tudo tem uma direção, direita para esquerda, de cima para baixo, etc. Então, qual o recipiente que está enchendo primeiro?

Essa elucidação me faz lembrar que em se tratando do sentir é preciso dar um passo atrás e refletir de onde surge, muitas vezes, a necessidade de sentir alguma coisa, custe o que custar. Isso é fruto de uma alma agitada por demais pelas coisas terrenas. Assim também, a frigidez constante nos alerta a falta de ânimo da alma. Seja de uma forma ou de outra, ambas levam ao desespero, que sentindo por excesso ou por falta, busca coisas e pessoas para se satisfazer, drogas lícitas e ilícitas, sexo, etc. E não seja ingênuo aquele que não sente nada, pois este coloca a própria imagem como culto: “Eu me basto”!

O verdadeiro sentir 

O verdadeiro sentir, quando preenchido no recipiente do espírito, por meio da nossa busca ao que é sagrado (como por exemplo: a adoração, oração, confissão e eucaristia), dará a direção infalível para preencher os demais recipientes de maneira uniforme e plena, limpando inclusive os dutos dos animais peçonhentos, lodo e retirando a ferrugem.

sentir

Percebamos que Deus permite que demos o nosso sim todos os dias para esse real sentimento de SER FILHOS DE DEUS! Também é certo que o próprio Deus trabalha muito a nosso favor, inclusive, em sua vinda para este desterro não parou um minuto, e ainda quando parava, não tinha onde repousar a cabeça. Isso nunca O impediu de sentir o amor pleno e a misericórdia pura. O que te impede de pedir os sentimentos de Jesus? Abra a boca para pedir e crer que Deus bombeia essa enxurrada de graça!

A libertação vem do Espírito Santo 

A graça de Deus é como um guarda-chuva que ficamos por debaixo. Enquanto estamos lá, Ele, além de nos proteger do maligno, também reordena tudo: escolhas, emoções, imaginação e sentimentos. O que era angústia, se torna esperança, o que era medo, se torna fé e o que era egoísmo, se torna caridade.

Longe da graça, ficamos expostos a tempestades do consumismo e hedonismo. Estes são venenos para a nossa alma, preenchem o espaço que temos como um cubo de gelo no deserto. É refrescante e imediato, todavia temporário e raso; um desespero.

Eu quero sentir o que é eterno, perene e puro, ou seja, eu quero o ESPÍRITO SANTO! E caso não sinta nada, nunca me desespero, pois sei que sou filho da promessa de Deus. Ele vive, mesmo que eu não veja.

Thiago Casarini
Postulante da Comunidade Católica Pantokrator

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.