O que fazer com os nossos desejos?

0
desejos

Escute aqui a transcrição dessa matéria

A busca incessante pelo prazer e pela satisfação dos desejos sempre foi uma característica intrínseca à humanidade. Não é à toa que desde o período helenístico, que começou lá em 332 a.C e foi até 30 a.C, o homem estuda como chegar à alegria plena pela satisfação prazeres. E são muitos os pensadores que estruturaram escolas filosóficas para refletir e explicar o mundo e uma vida boa e feliz, através da satisfação do “eu” – como, por exemplo, a epicurista, estoica, cínica e cética.

E por mais que à primeira vista não pareça, isso se relaciona muito com o mundo em que vivemos e, principalmente, com tal pergunta que intitula esse texto. Ademais, concomitantemente à elaboração desses pensamentos, ocorria a degradação do coletivo e o homem se deparava, pela primeira vez, com a instituição do individualismo – este, que é um dos princípios basilares da contemporaneidade ocidental. Há, então, a relação da autossuficiência humana e a busca de entender os desejos, sendo assim selado o homem como principal agente e sujeito dessa satisfação.

Entenda seus desejos

Tal construção da relação homem-desejo beira, atualmente, o hedonismo – a busca pelo erótico, principalmente e uma sexualização excessiva dos prazeres – e distorce qual deve ser a busca e a canalização dos nossos desejos. Essa centralização individualista escamota a verdade e faz com que nossos desejos nos consumam, impedindo que sejam consumados. Deve ser bem claro que nós não os somos, e a consumação deles não é a essência da nossa felicidade, aí que há a deformação, aí que se encontra o individualismo, não vamos satisfazer todos os nossos desejos sozinhos e satisfazendo-os, não significa que nos encontraremos!

Certo, há a distorção, mas muitas vezes podemos cair em extremismos, puritanismos e escrúpulos. Não somos nossos desejos, há a erotização e o materialismo, mas isso não significa que devemos nega-los. Na realidade, não podemos negá-los, porque como foi dito lá no comecinho, na primeira linha, os desejos são intimamente ligados com o que somos, nós não o somos, mas eles dizem muito sobre nossa humanidade. E se o próprio Cristo abraçou a humanidade, quem somos nós para negá-la?

Além de que o desejo começou no Pai, tudo era bom n’Ele. Ele desejou a criação, nos desejou como filhos e, mesmo que soe redundante, desejou nossos desejos. E tudo que vem d’Ele, em sua essência mais pura, traz um bem e é o bem. Sendo assim, a primeira resposta – para a pergunta título – é descobrir qual a sua relação com seus desejos, eles te definem e te consomem ou te mergulham num escrúpulo? Seus desejos são um bem e estão Naquele que é a verdade? A primeira dica sobre como lidar com seus anseios é não “monstrualizar” nem vangloriar, seja real com o que eles significam para você.

Seu papel nos seus desejos

A partir do momento em que você mapeou o que eles são, é importante compreender qual a sua relação com os seus desejos. Se você se enxerga como único sujeito para tornar eles reais, ou se eles não te afetam e você está sempre cômodo esperando uma obra sobrenatural concretizá-los. A indiferença e a autossuficiência são alguns daqueles fatores que distorcem a verdade sobre os desejos e por mais que pareçam paradoxais, ambas são ruins e não integram vontade de Deus. Ele é aquele que traz o equilíbrio tanto para o ambicioso como para o indiferente.

Depois dessas duas primeiras análises, entender nossos desejos e o que somos em relação a eles, a próxima resposta é entregar os desejos e as vontades para Deus. Mas aí há o cerne de muita desconfiança e medo, a entrega dos desejos muitas vezes pode ser entendida como uma perda deles e anulação da nossa vontade. Há então uma batalha travada entre o abandono e o autocontrole, entre o filho e o homem racional que vem lá do período helenístico, o homem que acha que confiar os desejos a Deus é não ver a consumação destes e que se convence de que o Pai é aquele que nega, há a concepção de que entregar é aguentar só humilhação posteriormente.

Mas na realidade, a entrega dos nossos desejos é pura e genuína liberdade, porque é nos descobrir amados e pequenos, é nos fazer ativos no plano do bem do Pai. Sei que pode soar abstrato ou muito teatral, mas é a verdade. Somos tão livres e tão humanos em Cristo, que abraçamos nossos desejos, mas confiamos que nosso senhorio não é a nossa vontade e sim o abandono no Pai. A resposta é assimilar que nossos desejos tem um Senhor que os efetivará, à maneira d’Ele, que não é castradora nem “pedagoga do não”, mas que também aprimorará a concretização desses desejos de maneira que culmine só na verdadeira alegria e crescimento.

Então se abandone, deseje, sonhe, entenda seus desejos, entenda você e se entregue. Não se deixe confundir pela vaidade que atrai a autossuficiência ou pelo puritanismo que te inibe desejar, não permita brechas que te deem medo para se abandonar verdadeiramente e confiar, se lance. Mas para isso a vida de oração deve ser constante e necessária, para a única voz que predomine seja Daquele que mais nos ama.

Ana Clara Gonçalves
Engajada da Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.

9 + nove =