Home Artigos Pantokrator O que podemos aprender com os Santos Zélia e Luís Martin

O que podemos aprender com os Santos Zélia e Luís Martin

-

Temos a alegria de celebrar no mês de julho a memória dos Santos Zélia (1831 – 1877) e Luís Martin (1823 -1894), pais de Santa Teresinha. Foram canonizados em 2015 pelo Papa Francisco. Nossa querida mãe Igreja nos traz vidas de virtudes para nos animar a seguir o que Deus nos exorta: “Sede Santos!” (Lv 20, 26).

Zélia e Luís tiveram uma educação marcada pelo rigor. Os dois tiveram pais militares. Santa Zélia, em cartas trocadas com seu irmão mais novo, define sua infância e juventude como tristes. Sua mãe não era afetuosa. A ela e sua irmã mais velha não era permitido brincar sequer com bonecas.

O estudo dos dois teve base religiosa. Sentiam-se desejosos de viver em uma comunidade religiosa, mas não foram aceitos. Escolheram como profissão, ele, aprender o ofício de relojoeiro, ela, aprender a fazer rendas, obtendo sucesso em seus negócios.

O encontro do santo casal aconteceu quando passavam por uma ponte, em Alençon – França. A ponte São Leonardo literalmente ligou um ao outro. Casaram-se dentro de 3 meses. Nos primeiros meses de casamento, viveram como irmãos. Após uma conversa com um sacerdote, foram convencidos a ter uma família numerosa.

A vida em uma família de santos

A vida da família alternou momentos de alegria pela chegada de cada filho com o luto e profunda tristeza pela perda de quatro deles. Em 13 anos, tiveram 9 filhos no total. As 5 filhas que sobreviveram escolheram ser religiosas.

Viviam os sofrimentos com serenidade e fortaleza, as alegrias, com gratidão e nas dificuldades, conservavam a paz de espírito, sempre dando graças ao Bom Deus.

santos

Santa Zélia soube conciliar a maternidade com a profissão. A educação das filhas foi sempre priorizada, nos minuciosos detalhes, conciliando os estudos com o lazer saudável (recitações, cantorias, jogos). Também com suas colaboradoras em casa e no ateliê mantinha um clima alegre e fraterno. Tal ambiente, ao lado do talento de Zélia, contribuiu para o êxito do empreendimento, o qual prosperou tanto que Luís vendeu sua joalheria para um sobrinho e passou a cuidar das encomendas, entregas e da contabilidade do ateliê.

Luís, tão devotado às filhas quanto Zélia, dava-lhes uma educação firme e marcada pelo carinho. Ao mesmo tempo austero e divertido, gostava muito de brincar com as filhas e levá-las para passear.

O santo casal vivia o autêntico espírito cristão: missas diárias, confissões frequentes, grande devoção à Santíssima Virgem, adoração ao Santíssimo Sacramento, peregrinações e retiros espirituais, seguimento fiel aos ensinamentos da Igreja. Manifestavam a caridade como casal na visita aos idosos, auxílio aos pobres, assistência aos doentes, no amor e cuidado com o próximo.

Após descobrir que estava gravemente doente, com câncer de mama, Zélia continuou com as devoções diárias e com o trabalho até não ter mais forças para continuar. Apesar de sofrer com a ideia de deixar as filhas e o marido, confortava-a o pensamento de fazer a vontade de Deus. Os últimos meses de vida lhe trouxeram grandes sofrimentos físicos. No entanto, manteve a serenidade até a morte.

Após a morte da esposa, Luís mudou-se de Alençon para Lisieux, morando próximo ao cunhado, como era a vontade de Zélia. Luís se desdobrou para diminuir a falta que a mãe fazia às filhas. Santa Teresinha conta que a vida com o pai lhe era muito agradável. O seu rei, como ela o chamava, jogava damas, cantava e recitava as verdades eternas, elevando a alma. Faziam orações juntos.  Santa Teresinha dizia que bastava olhar para seu pai para saber como os santos rezavam.  Seu pai gostava de pescar e apreciar a natureza.  A visita ao Santíssimo Sacramento era uma de suas atividades prediletas.

Tão próximo de Deus, o senhor Martin sentia em seu coração que era feliz demais para alcançar o céu. Quis então oferecer-se ao Senhor para sofrer por Ele. Teve então uma doença que lhe provocou lapsos de memória cada vez mais graves, chegando à perda das faculdades mentais, necessitando ser internado. Segundo Teresa, “ele bebeu a mais humilhante de todas as taças”. Faleceu com 71 anos.

Vivendo os sacrifícios com esperança

O ambiente de fé, amor e virtude que Santa Teresinha viveu em sua infância permitiu brotar e desenvolver seu chamado à santidade. Luís e Zélia souberam viver plenamente o Sacramento do Matrimônio com total abertura à vida e aceitação dos sofrimentos e sacrifícios.

O amor de Zélia e Luís a Deus os levou à esperança do céu e a viver os sacrifícios com serenidade. Decidiram confiar e entregar toda sua vida a Deus.

 O processo de canonização dos santos foi instruído separadamente entre 1957 e 1960. A vida de cada um foi analisada separadamente. Souberam viver as virtudes cristãs um para o outro e os dois para Deus.

Santa Teresinha reconhecia a santidade dos pais em vida; dizia: “O bom Deus deu-me um pai e uma mãe mais dignos do céu que da terra.”

Tocar a vida da família do santo casal, adentrar um pouco mais sua história é tocar a beleza e a bondade do Senhor. Enche-nos de entusiasmo para amar mais a Deus em nossa vida cotidiana, em cada detalhe.

Santos Zélia e Luís Martin, rogai por nós!

Thais Casarini
Postulante da Comunidade Católica Pantokrator

Thais Casarini
Postulante da Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.

EDIFICANDO A FÉ NOS CORAÇÕES

Ao tornar-se um Construtor da Fé você participa da Obra de Pantokrator e constrói a fé no coração de milhares de pessoas mensalmente atingidas pela nossa Obra. E ainda colabora na estrutura missionária e na formação dos sacerdotes da Comunidade Pantokrator.

Ao tornar-se um Construtor da Fé você participa da Obra de Pantokrator e constrói a fé no coração de milhares de pessoas mensalmente atingidas pela nossa Obra. E ainda colabora na estrutura missionária e na formação dos sacerdotes da Comunidade Pantokrator.

×