O que você tem testemunhado?

0
testemunhado

Aqui estamos, mais um mês, com a alegria de ser de Deus e de Deus somente. Muita água
passou por baixo da ponte desde o início de ano de 2019 e ainda vem por aí um grande volume de purificação de nossas almas. E como já se passaram 10 meses, é chegada a hora de nos tornar mais próximos. Há um tempo, diziam que “é a hora de abrir o livro”, nos dias atuais eu prefiro dizer que “é a hora de retirar o firewall da página”. Para essa liberdade fluir, vou acionar a função “testemunho”, o que significa relatar o que tenho testemunhado na fé católica nos mais variados ambientes e com as pessoas com quem convivo.

O que é o testemunho?

Testemunhar a fé católica é mais do que fazer, é colocar como sentido único do pensar, agir, falar ou omitir, tudo o que o Evangelho, a doutrina, a vida dos santos e a tradição da igreja nos ensina. Como disse S. Philippe, bispo e mártir († 404): “Pensas que o nosso Deus seja um ser que se fecha entre paredes? Não sabes que Ele estabelece morada nos corações dos fiéis?”

É preciso que a fé extrapole do coração para o mundo, em especial, na família, na Igreja e trabalho, sabendo que Deus vê tudo: “Nada, em toda a criação, está oculto aos olhos de Deus. Tudo está descoberto e exposto diante dos olhos daquele a quem havemos de prestar contas” (Hb 4,13).

O testemunho na família

A família é o santuário da vida; portanto, é a representação mais próxima, guardadas as devidas dimensões, da união entre Pai, Filho e Espírito Santo. Assim como tudo se iniciou quando “Deus disse: ‘Faça-se a luz!’. E a luz foi feita” (Gn 1, 3). Aqui em casa o dia começa bem cedo, entre 5h30min. e 6h: as “pequenas princesas” acordam com a pilha cheia, enquanto a rainha da casa se ocupa com os adornos do principado, eu vou para a cozinha preparar o café da manhã e postar a mesa para a degustação da primeira refeição da minha senhora e nossas bençãos.

Confesso que existem manhãs que a vontade de dormir é grande; e sei que nesses dias é que Jesus pode entrar mais no meu viver, pois sou impelido a amar gratuitamente. Ainda quando após fazer o café com todo amor, surge aquele comentário: “Eu queria chá hoje!”. Ou então: “Só tem pão!” E Ainda: “Não quero ovo hoje!” Depois de quase 4 meses neste treinamento, entendi que a minha resposta só poderia ser uma, apesar de meu temperamento colérico ter várias sugestões: Hoje está assim e amanhã podemos fazer tudo diferente! Ter testemunhado a cada manhã servindo a mesa do café me faz refletir o quão pequeno sou diante do banquete do Cordeiro que é revivido a cada Missa.

Claro que intempéries ocorrem, como por exemplo, uma fralda suja a 1 minuto da hora limite de sair de casa. Diga-se de passagem, uma fralda atômica, a qual trocar é amar no limite e dar um banho é amar sem medida, é ter testemunhado o cuidado do Pai com os filhos, mesmo diante de tanta sujeira do pecado.

Ao final do dia, buscar a oração conjugal antes de dormir e, pelo menos uma vez na semana, confidenciar ao cônjuge os sentimentos daquela semana. Pois um casal é chamado, sim, a cultivar a relação; e isso é muito mais do que apenas fazer checklist; ajuda e nunca foi o principal. Mesmo que você seja um entusiasta da lista de afazeres, seguem algumas sugestões:

1. Oração da manhã

2. Mínimo de 2 Missas durante a semana (segunda a sábado)

3. Missa aos domingos

4. Confissão mensal

5. Terço diário

6. Oração conjugal antes de dormir

7. Partilhar sentimentos com o cônjuge.

A Igreja é espaço e tempo de entrega.

“A messe é abundante, mas os operários, pouco numerosos; pedi, pois, ao dono da messe que mande operários para a sua messe” (Mt 9,35-38). Penso quantos pais, mães e filhos se
entregam hoje pela Igreja e, mesmo assim, ainda há tanto para levar o Evangelho a este vale de lágrimas. A confiança na promessa de Cristo é o primeiro passo para se deixar consumir pelo Reino de Deus, pois “o zelo pela tua casa me consome” (Sl 69, 9).

Faço tão pouco diante das graças que Deus me concede pelas mãos da Virgem Maria, e sei também que a célula familiar é a pequena via para cuidar da mãe Igreja, pois é aqui que tudo deve começar, assim como Nosso Senhor Jesus Cristo quis. Cuidando das coisas de Deus, Ele concedeu a graça de ter um pedido da minha princesinha para me acompanhar na Missa e ver a outra, ainda de fralda, fazer o Sinal da Cruz antes de cada leitura do Evangelho.

Como esquecer da minha rainha, que por muitos dias e noites reveza comigo pelo zelo por nosso lar como resposta de missão. Para suportar tais exigências, somente com o diálogo; e perguntar a priori: Senhor, o que queres de mim? “Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” (Mt 18, 20). E Ele responde, como responde de forma clara.

Ora et labora

O local de trabalho e as pessoas com que convivo fazem parte do espaço teologal, ou seja, é onde tenho Deus por principal objeto. Em certa ocasião, foi solicitado para que refletíssemos sobre o que nos move, qual o lema de minha vida. Há algum tempo, a resposta era pronta, clichê até da minha parte; e hoje, Cristo me pede algo d’Ele, pois “Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim.” (Gl 2, 20)

Após oração e reflexão, a resposta vinda do Espírito Santo é: servir as pessoas com alegria! E desde então, a liberdade do Espírito tem fluído onde trabalho: mais flexibilidade, menos rigidez, mais alegria, menos murmuração, mais fidelidade, menos dúvidas.

O que somos, somos em qualquer lugar com qualquer pessoa

Somos filhos de Deus e chamados a imitar Cristo em tudo. Assim, irradiemos a fé e o amor pela nossa atitude em todos os lugares e para todas as pessoas, pois “Ai de mim, se eu não anunciar o evangelho” (1Cor 9,16) e “Assim também a fé: se não tiver obras, é morta em si mesma.” (Tg 2, 17).

Como o lápis que pode ser utilizado no mais profundo oceano, bem como no mais longínquo lugar no espaço explorado pelo homem, tenhamos o testemunho em Cristo para escrever a ponte para o céu descer aqui na Terra.

Thiago Casarini
Postulante da Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.