O valor do nosso corpo e a sexualidade humana

0

Descobrir o valor do nosso corpo é fundamental para darmos os passos necessários para vivermos nossa sexualidade da forma que Deus a criou, pois foi na dinâmica do corpo humano que Deus manifestou o seu plano de amor e sua obra de salvação. O nosso corpo é a manifestação visível de Deus e da sua grandeza!

afetividade_corpo

Foi em um corpo que aconteceu a maior obra e prova de amor de Deus por nós em Cristo. Foi na carne humana que Deus quis se revelar: “E o verbo se fez carne e habitou entre nós…” (Jo 1,14). Como nos diz o Beato João Paulo II: “somente o corpo é capaz de tornar visível o que é invisível: o espiritual e o divino”. O Catecismo da Igreja Católica também destaca o valor do nosso corpo quando afirma que “a carne é o eixo da salvação”.

Nossa natureza humana, assim como nossa sexualidade humana, revela e expressa a grandeza e o mistério de Deus. Nosso corpo é um sacramento. Um templo onde Deus vem fazer sua morada. Assim nos ensina a Sagrada Escritura: “Não sabeis que sois templo de Deus? E que o Espírito de Deus habita em vós?” (1Cor 3,16).

Para destacar de forma especial a beleza que é nosso corpo e a sexualidade humana, o Beato João Paulo II, em suas primeiras catequeses – durante as audiências de quarta-feira – ministrou durante os anos de 1970 a 1984 ensinamentos a respeito do corpo, que intitulou de “Teologia do Corpo”. Ele nos deu ensinamentos valiosos para nos mostrar que no futuro da humanidade, uma verdadeira cultura de vida e de felicidade se dará quando nós descobrirmos o significado e a finalidade do nosso corpo e de nossa sexualidade humana, para que tenhamos uma civilização sadia e feliz.

A Teologia do Corpo vem sendo como um fogo que se alastra para repercutir em todo mundo, para ir de encontro à cultura hedonista do mundo pós-moderno que reduz a sexualidade humana apenas ao prazer. Segundo George Weigel – um biógrafo do Beato João Paulo II – “a Teologia do Corpo é como uma bomba relógio teológica programada para explodir com consequências dramáticas no século XXI” e isso já está acontecendo; e é necessário que isso aconteça! O futuro de nossa sociedade passa pela sexualidade humana. É dela que surge a civilização. Uma sexualidade vivida da forma para a qual foi criada, consequentemente construirá uma geração de pessoas sadias e felizes. Não podemos construir uma verdadeira cultura de vida sem a vivência correta e coerente de nossa sexualidade.

O nosso corpo é tão belo que o salmista exalta de forma maravilhosa: “Não quiseste sacrifício, nem oblação, mas me formaste um corpo” (Sl 39,7). “Fostes vós que plasmastes as entranhas de meu corpo” (Sl 138,13).

Deus criou e acompanhou cada passo da formação do nosso corpo e nos deu como dom para o outro e para que nele acontecesse o Seu plano de amor. Nosso corpo é sacramento, é lugar privilegiado de Deus e preparado por Ele para uma finalidade – a comunhão de amor. Não podemos desprezar o nosso corpo nem ter o entendimento errado de que ele é apenas uma matéria qualquer. Ele é uma matéria espiritualizada. Ele torna visível aquilo que é invisível – Deus. O nosso corpo revela o mistério de Deus e é nele que toda a nossa espiritualidade cristã acontece.

O pecado tem deturpado a sexualidade humana. A revolução sexual, na ilusão de que a sexualidade humana tem que ser vivida de qualquer forma, tem causado um desastre no ser humano. Temos cada vez mais uma geração de pessoas carentes, depressivas e sem sentido na vida, justamente porque não tem vivido sua sexualidade de acordo com sua finalidade. Precisamos de uma vivência madura da castidade, tanto na vida de solteiros como de casados. Ela é um dom e uma resposta concreta para os desequilíbrios sexuais do mundo de hoje. A castidade nos possibilita viver a verdadeira liberdade, a pureza, e nos dá a têmpera necessária para permanecermos firmes em Deus. A castidade também nos treina para a fidelidade, como diz Jason Evert.

Consagremos a Deus o nosso corpo e peçamos a Ele a graça da castidade, para que possamos fazer da nossa sexualidade humana um lugar digno, santo, puro, em que Deus possa vim e reinar!

Fábio Júnior
Consagrado na Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.