Por que não me sinto amado?

8
amado

Assim como o alimento é o que dá sustento ao corpo, assim como a água é aquela que permite a manutenção da vida, o amor também é uma necessidade humana que possui a raiz mais profunda na nossa carne e alma, essencial para nossa sobrevivência. Por isso é natural que, além de sentir fome e sede, também sintamos uma profunda necessidade de ser amado. Não importa a fase da vida, seja ela a infância, a adolescência, vida adulta ou terceira idade, muito menos se é homem ou mulher, cada um em sua maneira porta isso dentro de si. Assim, é muito normal sentirmos frustração quando não nos sentimos amados. Ainda que muitos ao nosso redor nos amem verdadeiramente e que tenhamos consciência disso, é com frequência que dentro de nós tenhamos dificuldade de sentir isso ser real. Mas por que isso acontece?

Como se sentir amado?

Tudo gira muito em torno sobre o que as pessoas entendem por amor hoje em dia. Desde pequenos, somos acostumados a entender o amor como um sentimento, como uma paixão, como algo muito mais emocional do que racional. E na fase adulta acaba sendo muito difícil desvincular o amor dessa imagem enfeitada que ele possui. No mundo hoje, fala-se muito de amor. Mas fala-se de um amor irreal. Um amor superficial e que jamais foi o amor que o Senhor nos apresenta nas Escrituras. A sociedade moderna banalizou, deturpou o amor para torná-lo mais fácil. Mais cômodo. Então, declarar que o amor jamais foi um sentimento e sim uma decisão, algo que habita na razão humana, vira um tremendo absurdo. Embora seja a mais pura verdade.

Não é de se surpreender então, que ao viver em uma sociedade que nem sabe mais o que é amar, que prega o amor a todo custo, mas vive tão distante dele, os seres humanos tenham tamanha dificuldade de se sentirem amados. E ainda que as pessoas soubessem amar, querer sentir-se amado seria uma maneira um tanto infantil de saciar o coração de sua necessidade de amor. Afinal, não somos capazes de sentir uma escolha, um sacrifício, uma doação, uma decisão.

Como resultado, vemos o que é tão comum e triste hoje em dia: pessoas se submetem às coisas mais absurdas para conseguir saciar o desejo de amor. Pessoas que fazem o possível para ser sentirem aceitas. Pessoas que fazem o que não gostam para sentirem que pertencem a algum lugar ou alguém. Pessoas que imploram a atenção das outras. Pessoas que pulam de relacionamento para relacionamento buscando algo que elas jamais irão encontrar. Em troca de quê? O que recebem com isso? No fim do dia, as coisas estão apenas piores. Há frustração. Há expectativas não correspondidas.

Para sair desse ciclo vicioso, para finalmente reconhecermos que somos amados e que não precisamos mendigar por isso, é preciso abrir os olhos. Abrir os olhos para ver o amor da maneira como ele é, e não de como idealizamos que ele seja. O amor que se transmite em gestos sim, mas que não se encontra somente neles. O amor que é entrega antes de qualquer coisa. Cada um porta uma forma única de amar, que passa através da personalidade, temperamento e experiência; e o maior erro que cometemos é achar que os outros demonstram a nós da maneira como faríamos ou gostaríamos. E o segundo maior erro talvez seja achar que se as pessoas nos amassem do jeito que esperamos, seríamos saciados. Pois não seríamos.

O que nos falta?

A verdade é que nenhum amor humano é suficiente, então não importa o quão perfeito ou ideal ele aparenta ser, sempre vamos carregar a sensação de que nos falta algo. Falta Deus. Falta O Amor propriamente dito. Apenas O Amor é capaz de nos trazer a certeza de que somos amados, porque Ele ama na integridade. Enquanto não nos tomarmos consciência do Amor que o Senhor possui por cada um de seus filhos, se tornará mil vezes mais difícil sentirmos que somos amados pelas pessoas que Ele coloca ao nosso redor, pois o Amor perfeito é o que traz a clareza e a ordem aos amores humanos.

Além disso, a busca desordenada e desesperada pelos amores terrenos também reflete a falta de amor que temos por nós mesmos, porque alguém que espera e depende tanto da aprovação alheia significa que ele não aprova a si mesmo. E assim também, somente o Amor perfeito de Deus é capaz de nos fazer amar a nós mesmos. A busca desesperada cessa quando tomamos consciência de que valemos a pena. Não precisamos dos outros para nos provar a nossa dignidade, precisamos de Deus. Em Deus, pertencemos a algo. Em Deus, somos aceitos. Em Deus, fomos sonhados.

Até os mais convertidos encaram desafios em tomar posse de tudo isso, afinal, nossa tendência é sempre nos voltar para o que é mais visível aos nossos olhos, e não para o amor de um Deus que não se vê. Mas para que possamos reconhecer que somos amados, precisamos entender que o nosso coração tem sede de algo que vai muito além de sentimentos. Só estaremos desperdiçando energia enquanto continuarmos tentando tapar o sol com a peneira. Enquanto não voltarmos nosso olhar para a verdadeira necessidade do nosso coração, continuaremos caminhando em círculos e terminando sempre no mesmo lugar.

Giovana Cardoso
Postulante da Comunidade Católica Pantokrator

8 COMENTÁRIOS

  1. Louvo a Deus por essa comunidade. Quantas vezes estava passando por algumas situações, dúvidas e quando abria meu e-mail tinha um texto justamente falando sobre algo que estava vivendo naquele momento. E esse texto veio exatamente no momento que me sinto assim. Obrigada. Deus abençoe vcs.

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.