A relação professor e aluno nos dias de hoje

1

professorTemos visto uma realidade assustadora atualmente quando falamos da relação professor x aluno. Coloco este “X” no texto para remeter aos combates que são transmitidos na TV e na mídia como um todo. Infelizmente, a mídia se promove em cima de noticias desagradáveis que acabam nos roubando a esperança.

Tenho duas experiências bem interessantes que vivi recentemente e gostaria de relatar:

1º tive a alegria de lecionar dentro da penitenciária de Hortolândia por cerca de 4 meses e posso garantir que foi uma experiência inesquecível por vários aspectos:

– Em primeiro lugar pude ter acesso àquela antiga relação professor e aluno que hoje quase não se vê. O aluno levantando a mão para pedir que expresse a sua opinião e não atropelando o professor e os demais colegas simplesmente. O fato de ser chamado de senhor, entre outros me fizeram resgatar a importância de ser Professor e a alegria que é fazer a diferença na vida das pessoas por meio da disseminação do conhecimento, enfim coisas que não se via há muito tempo. No sistema penitenciário fiquei muito espantado ao ver o desejo de aprender, de ter novas possibilidades e de mudar de vida através do aprendizado e isso, sem dúvida, passa pelo professor;

– Outra experiência interessante na penitenciaria foi a de ver o aluno valorizando o seu espaço de expressão. Muitas vezes, este espaço é mal utilizado, onde os alunos fazem mal uso da liberdade de expressão e, por sua vez, os Professores, cansados de tanta falta de respeito, acabam por levar o ensino ao nível atual que como todos sabem está longe do ideal.

2º Propus para os meus alunos do último módulo do curso técnico em Administração de Empresas uma atividade; separei eles em 3 grupos, um da Diretoria, outro da Gerência, que iria avaliar o funcionário e, o último grupo, era o do Avaliado. Como o grupo da Gerência demorou a definir sua estratégia acabou atrasando as atividades e logo tocou o sinal do intervalo. Para meu espanto uma pessoa se levantou e fechou a porta da sala para o barulho de fora não atrapalhar a atividade. Fiquei espantado, pensei na minha família que me esperava em casa e, por outro lado, nos que não estariam comigo na semana seguinte, pois eu participaria de um Treinamento, então eis a questão: ficar em sala ou ir? Pensei rapidamente nos meus direitos, afinal eu não recebo no horário de intervalo, mas os alunos abriram mão do descanso merecido deles para terminar a atividade, por isso, pensei bastante por 5 longos segundos e decidi ficar. Eles sem comer e sem ir ao banheiro e eu demorando um pouco mais para ir para casa. O tempo já estava extrapolado referente ao meu limite de jornada de trabalho. Fiquei e não me arrependi; a atividade foi ótima e ninguém reclamou, pelo contrário, após eu ir embora o Grupo da Diretoria ficou fazendo o relatório final.

Ainda existem bons alunos e os professores não podem virar as costas para eles; ainda existe esperança no ensino e nas pessoas; não nos deixemos enganar.

Vejo que o professor tem uma missão árdua, pois ele enfrenta um ambiente de muita hostilidade e o aluno também sofre, pois enfrenta professores desanimados, cansados de muita luta e desrespeito entre outros problemas da profissão, mas peço a todos, professores, alunos ou aqueles que tenham qualquer ligação com a escola que não se deixem abater pelas dificuldades e que não percam a esperança na educação, pois o nosso papel como pais, professores, alunos, voluntários, ou qualquer outra função na comunidade, é mais importante do que imaginamos.

Elysiario Santos
Postulante na Comunidade Católica Pantokrator

1 COMENTÁRIO

  1. Belíssimo texto, ótimo exemplo!
    Também sou educadora, e considero a sala de aula minha terra de missão. Pois é lá, que preciso expressar o Amor de Deus.
    Se mais pessoas abrissem a mente e o coração para serem educadores, acho que o mundo estaria melhor!

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.