Sangue de Jesus, remédio de nossa salvação

1

Se você fosse hoje diagnosticado por um médico com uma doença muito séria, herdada de seus pais e que te levaria à morte, caso você não se tratasse, o que você faria? Com certeza, uma de suas maiores preocupações seria saber qual remédio tomar para ser curado ou, ao menos, amenizar os sintomas.

Suponhamos ainda que o valor desse remédio fosse muito superior a suas condições financeiras, o que poderia te levar a uma grande preocupação ou ao desespero, pois estamos falando de algo muito sério na sua saúde, que te levaria à morte. Contudo, o médico te indica um Centro de Saúde no qual você pode gratuitamente retirar o medicamento todos os meses. Sem dúvida, ao sair do consultório, uma das primeiras coisas que você faria seria ir até o Centro de Saúde para começar o mais breve possível a tomar o remédio.

Essa história diz respeito a todos nós, pois possuímos, sim, uma doença mortal, herdada de nossos pais, e há um remédio de preço muito elevado, capaz de nos salvar, que está disponível para nós gratuitamente.

“Porque vós sabeis que não é por bens perecíveis, como a prata e o ouro, que tendes sido resgatados da vossa vã maneira de viver, recebida por tradição de vossos pais, mas pelo precioso sangue de Cristo, o Cordeiro imaculado e sem defeito algum, aquele que foi predestinado antes da criação do mundo e que nos últimos tempos foi manifestado por amor de vós” (1Pd 1,18-20 ).

A doença que herdamos de nossos primeiros pais, Adão e Eva, chama-se pecado, que fatalmente nos levaria à morte, como nos afirma São Paulo em Rm 6,23: “Porque o salário do pecado é a morte, enquanto o dom de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor”.

Remédio que salva 

O remédio que nos salva, que nos resgata é o Preciosíssimo Sangue de Jesus, derramado na Cruz. O peito aberto de Jesus, rasgado pela lança do soldado (cf. Jo 19,34), é uma fonte inesgotável, da qual jorra o único remédio capaz de nos salvar da morte que nos vem como consequência do pecado.

remédio

O Sangue de Jesus, remédio de nossa salvação, nos é dado gratuitamente, porque somos amados até o ciúme (cf. Tg 4,5). Nós não fizemos e não somos capazes de fazer nada que pague tudo o que Cristo fez, por misericórdia, por nós na Cruz.

O Sangue de Jesus é o tesouro mais precioso e mais valioso que se pode ter!

Quando falamos de realidades espirituais, temos muita dificuldade de compreender do que se trata, porque nem sempre o espiritual é algo palpável. Se falamos de Alzheimer, por exemplo, conseguimos compreender com maior facilidade do que se trata: é uma doença que manifesta incialmente sintomas de alterações na memória e que pode culminar na perda de movimentos motores, de acordo com a Associação Brasileira de Alzheimer.

No âmbito espiritual, não temos tanta clareza, pois os efeitos nem sempre podem ser vistos com nossos olhos humanos. É justamente por isso que muitas vezes não valorizamos o valor que tem o Preciosíssimo Sangue de Jesus.

Certa vez, enquanto eu estava em oração com alguns irmãos de Comunidade, o Senhor me dizia o seguinte: “Se os homens soubessem o valor do meu Preciosíssimo Sangue, não desprezariam e não seriam indiferentes a essa torrente de graça que jorra sem cessar”.

A marca do pecado original está em nós; se não buscarmos o Sangue de Jesus como o único remédio que pode nos curar, morreremos, porque o pecado, como já vimos, tem um único fim, a morte.

Muitas vezes, até bebemos o Santo remédio, quando comungamos o Corpo do Senhor na Santa Missa, mas, por falta de fé, não provamos os efeitos de salvação que o Sangue do Senhor pode produzir em nós.

Quando ingerimos um remédio, uma série de processos químicos acontece para que os efeitos desejados surjam. O primeiro processo é o de absorção que, se por algum motivo não acontece, todo o restante fica comprometido e o efeito não é produzido. Da mesma forma, se não recebemos o Corpo e Sangue de Cristo com fé (“absorção”), não teremos o efeito que é a cura e salvação.

Aos pés da Cruz do Senhor estavam inúmeros soldados, como nos relata São João no capítulo 19 do Evangelho, mas apenas um foi verdadeiramente tocado pelo Preciosíssimo Sangue de Jesus, porque teve fé. Os outros até viram o Sangue jorrar, tocaram no Sangue que escorria pelo Corpo de Jesus, mas, por falta de fé, não foram curados e salvos.

Quanto mais temos consciência do valor, poder e eficácia do Sangue de Jesus, com muito mais zelo, amor e adoração participamos da Sagrada Comunhão na Missa.

No filme “A Paixão de Cristo”, vemos Nossa Senhora recolhendo o Sangue de Jesus que havia banhado o chão após o Senhor ter sido flagelado, algo que expressa muito o quanto o Sangue de Cristo é precioso. Na mesma cena, Maria Madalena, ao ver tão amoroso gesto da Virgem Santíssima, se abaixa e, com o manto que cobria sua cabeça, começa também a recolher o Sangue d’Aquele que ela tanto amava.

Se quisermos nos ver livres de todo mal que existe em nossas vidas, precisamos clamar o Sangue de Jesus.

O Senhor já morreu por cada um de nós na Cruz, já pagou o preço de nossos pecados, o preço de nossa salvação e nós precisamos ir até Ele, cheios de fé, para bebermos desse tão valioso e poderoso remédio que é Seu Preciosíssimo Sangue.

“Aproximemo-nos, pois, com confiança do trono da graça, a fim de alcançar misericórdia e achar a graça de um auxílio oportuno” (Hb 4,16).

Edvandro Pinto 
Discípulo da Comunidade Católica Pantokrator

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.