Seja a alegria que o mundo precisa!

0

Escute aqui a transcrição dessa matéria

Seja a alegria que o mundo precisa!

“A nossa alegria é o melhor modo de pregar o cristianismo”

Santa Teresa de Calcutá disse essa bela frase, que mais do que nunca é um apelo para nós nos tempos atuais. Tempos esses onde é cool fazer parte do clube das sad girls e sad boys, tempo em que músicas que exaltam a sofrência ganham mais e mais espaço em nossas vidas. Vivemos um tempo onde ser alegre e se divertir sem acessórios é muito incomum. Até entre nós, cristãos, a verdadeira alegria caiu em descrédito, de maneira que, no meu grupo de oração, num retiro, sou a alegria encarnada, mas saindo dali, no trabalho, na família, na escola, nos misturamos com os e, andamos por aí com cara de funeral, com medo da alegria. Será que agimos assim por medo do compromisso que é testemunhar a alegria de filhos de Deus? Ou porque duvidamos da alegria que recebemos de Cristo?

Você tem sido sinal dessa alegria no mundo?

Nos processos de canonização, um detalhe importante é procurado na vida dos candidatos a santos, que é o detalhe da alegria. Verifica-se o quanto aquela pessoa foi testemunha da alegria de filhos de Deus, e eu te pergunto: você tem sido sinal dessa alegria no mundo?
Atualmente, nossos valores foram invertidos, somos tentados a buscar sempre ter, receber, nunca dar, nunca servir, apenas ser servido, talvez essa seja a causa dessa onda de tristeza no mundo que ceifa tantas vidas, tantos corações. A palavra vai nos dizer que “Há mais alegria em dar do que em receber”, percebam o quanto nosso egoísmo nos priva da verdadeira alegria. Temos buscado freneticamente a alegria, a felicidade plena, mas de forma tão egoísta que não percebemos que a alegria será encontrada quando servirmos o próximo, quando darmos da nossa vida para o outro, quando pararmos de buscar um sentimento de alegria e passarmos a viver num estado de alegria, que nada mais é do que um estado de doação de si, doação da nossa vida.

Às vezes jogamos a culpa de nossa tristeza no estado, nas tragédias ambientais, nos sistemas econômicos, nas ideologias, e vamos vivendo nessa bolha de tristeza que nos consome, mesmo sendo cristãos, mesmo tendo recebido a alegria do ressuscitado, ficamos com medo, escondidos, nos conformando, sem coragem de assumir esse compromisso de cristão e gritar pra incomodar o mundo com nossa alegria de filhos de Deus.

O príncipe deste mundo tem a missão de nos roubar do Pai. Seu maior desejo é que nos afastemos Dele pouco a pouco até não ter mais volta, e ele sempre começa por minar nossa alegria de filhos, nos oferece alegrias passageiras, nos atrai com promessa de felicidade plena quando na verdade só teremos sensações, momentos de euforia que passam e pouco a pouco nos lançam num vazio, no abismo da tristeza, de murmuração, de conformismos, de vitimismo. Passamos a enxergar o mundo sob o véu da desesperança, da falta de fé, nos tornando pessoas amargas.

Não quero dizer aqui que devemos ser alienados e viver como se estivéssemos num comercial de creme dental, sorrindo 100% do tempo. O cansaço da nossa rotina, os desafios do cotidiano, os sofrimentos da vida, tudo isso faz parte dessa aventura que é viver, logo, fica difícil sustentar um sorriso o tempo todo, mas eu preciso dizer pra vocês, nós filhos de Deus devemos ter o coração sorrindo o tempo todo e isso deve se manifestar nas nossas ações, “pois a boca fala do que o coração está cheio” Mt 12, 34.

Trabalho num projeto social que atende crianças em situação de vulnerabilidade social, crianças que muitas vezes são privadas da alegria de brincar livre na rua, que são privadas da alegria de ter uma festinha de aniversário, crianças que são privadas da alegria de poder sonhar. Se meu coração de filha de Deus não estiver sorrindo com a promessa do céu e todas minhas ações permeadas dessa alegria, eu serei mais uma que irá roubar a alegria daquelas crianças, por não dar a elas o mínimo, que é a alegria do Senhor. Quantas vezes a única pregação que teremos a oportunidade de fazer é sermos a alegria que o mundo precisa? A alegria dos santos converteu mais pessoas e salvou mais almas do que nossos posts em rede social sobre o amor de Deus. E isso o que realmente importa, pela fé diante das adversidades encontradas seguir o apelo dos primeiros cristãos “Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito: alegrai-vos!” FL 4,4.

Cerca de 800 mil pessoas por ano tiram sua própria vida, desistem de viver buscando alivio para seus sofrimentos interiores; nós podemos não entrar pra essa estatística, mas o medo da alegria, a falta de fé na alegria verdadeira, já tirou nossa vida há muito tempo.
Quero com esse texto provocar você leitor a fazer essa reflexão: onde está sua alegria? Você tem se conformado com a tristeza e sofrimentos do mundo ou se levantado e testemunhado ao mundo como os apóstolos “alegrai-vos no senhor”?

Finalizo essa reflexão com as palavras do Papa Francisco sobre a alegria cristã: “Alegria não significa viver de risada em risada, não, não é isso. A alegria não é ser engraçado, não, não é isso, é outra coisa. A alegria cristã é a paz, a paz que se encontra nas raízes, a paz do coração, a paz que somente Deus nos pode dar: essa é a alegria cristã. Não é fácil preservar esta alegria. Somente a fé preserva a alegria e a consolação”.
Que o Espirito Santo nos ajude a tomar posse da graça do dom da alegria e, mais do que isso, que Ele nos inspire para sermos a alegria que o mundo precisa!

Deus abençoe.

Fernanda Guardia
Consagrada da Comunidade Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.

um × dois =