Sou muito distraído e não consigo rezar. O que faço?

0
distraído

Escute aqui a transcrição dessa matéria

A vida de oração nos pede que travemos inúmeras batalhas contra aquilo que, muitas vezes, envolve nossa natureza e pode até fazer parte das nossas características mais orgânicas. Primeiro, precisamos vencer o comodismo e a preguiça. Em seguida, a distração. Seja você alguém já distraído naturalmente ou não, não tenho dúvida de que essa luta toca a sua vida de oração de alguma forma, afinal, pode parecer mais interessante à nossa mente devanear sobre o que será o almoço do dia seguinte do que silenciar para escutar a voz de Deus falar.

Silenciar tem se tornado cada vez mais difícil. Andamos muito mal acostumados. O mundo virou barulhento, os dias são corridos, pensamentos estão sempre a mil. Do fútil ao importante, são milhares de coisas que nos distraem, comprometendo a qualidade da oração. Uma vida de oração sem qualidade sempre irá prejudicar nosso crescimento como cristãos que buscam a santidade, porque é através dela que nos conformamos à vontade do Senhor para nossas vidas.

Não podemos nos acostumar a ficar distraídos, apenas de corpo presente, enquanto Ele quer moldar nosso coração. Essas orações, embora o Senhor olhe para o seu esforço, não geram frutos. Depois de um tempo, quem encontra dificuldade de se concentrar na oração acaba perdendo o sabor e o sentido nisso tudo. Por isso, precisamos ser responsáveis e inteligentes para vencer essa batalha na prática, uma vez que ela não somente nos leva a patinar, mas faz com que a relação com Deus se esfrie.

Santa Teresa D’Ávila e seus ensinamentos

Se existe alguém que pode nos ajudar a vencer esses empecilhos e mergulhar na interioridade, é Santa Teresa. Seus escritos deixaram dicas valiosas e um testemunho encarnado de alguém que venceu o temperamento, as inquietações e os devaneios para se tornar grande mestre da vida espiritual. Através da determinação determinada, Teresa nos convida a uma radical mudança de atitude através de exercícios espirituais, ou asceses. Mas antes disso, ela nos ensina a ter sempre em mente que a natureza não dá saltos, sendo necessário ter paciência para uma progressão gradativa.

Na maioria das vezes, nós nos distraímos com o ambiente, seja visualmente ou sonoramente. Por isso, a primeira coisa para diminuir os estímulos que damos à razão seria encontrar um lugar calmo e silencioso para rezar. Já a segunda consiste em manter sempre uma postura adequada, que favoreça a sua concentração. Para lutar contra os devaneios, Santa Teresa nos indica o recolhimento de si através de exercícios de respiração, onde você inspira e expira o ar diversas vezes e se coloca na presença de Deus, tanto física quanto espiritualmente. Para isso, é interessante ir percorrendo mentalmente cada parte de seu corpo, das dores ou incômodos que está ou não sentindo, esvaziando-se de pensamentos alheios a cada exalar.

Após reavivar a consciência do seu corpo, é interessante também percorrer rapidamente os seus sentimentos naquele momento: angústia, alegria, tristeza, desespero, ansiedade, empolgação? Seja o que for, fazer o diagnóstico e entregar tudo ao Senhor nos ajuda muito a nos desprender do meio externo e a nos libertar dessas emoções, até que sobre somente nada e Deus. Quando se consegue entrar em si, é possível encontrar o Deus que habita dentro do coração. O autodomínio vem aos poucos.

Uma pessoa distraída possui a razão agitada. Talvez tudo isso ainda seja difícil de início. Pronunciar as palavras ao invés de rezar no pensamento também é uma dica valiosa para os que mais sofrem deste mal. E quando nada disso estiver dando certo, precisamos ser inteligentes. Podemos usar das nossas próprias distrações para falar com Deus e experimentar do Seu Amor.

Se é uma pessoa que te distrai, reze por ela. Se é uma situação que te aflige, oferte-a a Deus. Se é uma mosca que passou do seu lado naquele instante, louve por ela. Não existe nada que não possamos usar para nos voltar ao Pai, e caso depois de tudo isso você ainda fracasse, aí está uma bela oportunidade de experimentar a misericórdia de um Deus que te ama e não desiste nunca de você.

Até dos nossos fracassos o Senhor se aproveita, por isso a insistência – um grande passo de humildade – é fundamental. Santa Teresa, em suas obras, ainda nos ensina que quanto mais você se entrega, mais a graça te alcança. Talvez, ou com certeza, haverá dias melhores e dias piores. Mas, aos poucos, a libertação da distração ao rezar se torna encarnada. Aos poucos, a carne se submete ao espírito e assim podemos, enfim, experimentar as maravilhas de uma alma que consegue se unir verdadeiramente a seu Criador.

Giovana Cardoso
Postulante da Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.

sete + 7 =