Testemunho: Alegria de encontrar a Vocação Pantokrator

0

Quero partilhar com vocês, como é importante a vocação na vida de uma pessoa. Todos nós como batizados temos uma vocação, isso é bom e muito louvável, não importa se em uma paróquia, em uma comunidade nova, como encontrei a minha dentro de uma comunidade onde vivemos um movimento e no Espírito de renovação. No qual todos os que seguem uma vocação em uma comunidade nova, vivem um carisma específico. Temos um fundador e cada fundação tem um toque especial de Deus, é uma escolha divina.

Antes de encontrar a vocação na Comunidade Pantokrator, tinha uma vivência de grupos de oração. Tive o primeiro contato com a Comunidade Pantokrator, em um retiro paroquial, promovido pela Renovação de Hortolândia. Neste retiro, tivemos a participação de 300 pessoas, e foi neste retiro que tive uma das maiores experiências de Deus. Através da Comunidade Pantokrator, senti neste retiro um impulso renovador, diante de tudo que já tinha vivido. Este retiro que aconteceu no ano de 1997 despertou um ardor do Espírito, um ardor renovador, em todos nós como servos.

Diante de muitas coisas boas que vivemos neste retiro, jamais imaginava, um dia despertar em mim a vocação na Comunidade Pantokrator.

Eu, porém, fui muito impactado por um novo amor de Deus através da Comunidade Pantokrator. Tive algo diferente dentro de mim, não sabia dar nome a tudo o que havia sentido, mas sabia que era Deus depositando em meu ser algo que já mudaria a minha vida e minha vocação como paroquiano.

Digo a vocês, meus amados, quando você tem uma vocação séria e comprometida, Deus transcende através de você, o amor devorador Dele pelos homens. E você pode ter uma certeza muito grande, o seu chamado, como batizado  que é, se torna algo muito precioso para Deus .

Creia que na preciosidade que você é para Deus, na sua vocação, independente se em uma paróquia ou dentro de um Carisma de uma comunidade nova, você é uma escolha de Deus, e tem um papel fundamental de levar este Deus a toda a criatura, assim como diz o evangelho de Mateus 28, 18-20: “Pregai, levai a palavra e a verdade a toda a criatura, dai um ensinamento da verdade e batizai” e também em Marcos 16-15: “Ide por todo mundo e pregai o evangelho a toda a criatura”.

Só para dizer uma coisa, todos nós que vivemos ou exercemos alguma função dentro de uma igreja e temos um objetivo de levar o conhecimento de Deus para as nações, se não tivermos a alegria em viver tudo isto, tanto a minha vocação como a tua se tornam uma vocação de puro preceito ou legalismo. Servindo a Deus sem alegria, não conseguimos transfigurar este Deus diante de qualquer ato que temos dentro da vocação, ela vem da nossa decisão e do nosso sim pelo bem.

Uma vocação bem vivida, bem experienciada no amor de Deus, jamais será confundida. A pessoa expira um cheiro, um modo diferente de qualquer outra pessoa, ela contagia e atrai a muitos pelo Espírito que porta em seu ser, que sempre a impulsiona a querer sempre o bem, e, principalmente, o bem pelo outro. Ela sente alegria em se dar a cada dia para Deus, mesmo que sofra as dores, as perseguições e as contrariedades, o que mais importa e o dar-se de cada dia, sendo melhor a cada dia.

Não vou dizer que vivo uma vocação perfeita, sem meus defeitos e fragilidades de homem que sou, fraco e dependente da graça de Deus, todos os dias, para vencer os obstáculos e levantar-me das quedas.

Vivi minha vocação como paroquiano, longos anos da minha vida, conheci e aprendi muitas coisas com a igreja. Deus me surpreendeu em muitas coisas, não reconhecia com toda propriedade o que Deus queria de mim no começo, mas ao longo do tempo tive inúmeras experiências de Deus, na vocação como paroquiano.

Com o passar dos anos, Deus foi dando um norte diferente na minha vida e vocação. Não estava compreendendo o que realmente Deus queria me mostrar, ele foi tirando algumas coisas da minha vida, foi me levando para outros lugares, participei de eventos fora da região, tive um contato enorme com a Comunidade Ide; por um bom tempo tive participação em retiros, encontros e alguns cursos com esta comunidade.

Sei que Deus me mostrou diversas coisas, trouxe para mim um ardor novo. Pessoas pregavam, cantavam, viviam tudo aquilo numa alegria muito grande, isto foi me envolvendo e me trazendo para mais perto de Deus, com experiências bem renovadoras e profundas.

Como temos um Deus que sempre quer dar aquilo que precisamos para ter uma vocação e uma vida feliz, foi como o povo de Israel que precisou passar por muitas coisas até chegar à terra prometida, onde colocou o servo Moisés para conduzir seu povo, até chegar à terra prometida.

Creia que Deus , quer você paroquiano ou não, ou seja, todas as realidades cristãs, se perseguir, buscar viver com temor a Deus e buscar sempre, mesmo que as situações e perseguições vierem e quiserem te tirar do caminho, persista, não desista jamais do que Deus tem para você, para mim e para todos nós.

Tem uma Palavra de que gosto muito, que levo comigo, que está em João 16,33. Esta Palavra de estímulo vem de Jesus para todos nós que estamos nesta caminhada, é uma Palavra que sempre me fortalece nos meus momentos de cansaço e fraqueza.

Em meio a tantos lugares que passei, experienciei muitas coisas boas sobre a fé católica. Deus queria me levar para outros horizontes, ele já estava me conduzindo para outra terra, a terra da Comunidade Pantokrator.

Após um término de um noivado, passou algum tempo, recebi um convite de uma amiga para participar de alguns eventos da Comunidade Pantokrator. Como queria algo novo na minha vida, comecei a participar com perseverança todas as semanas, comecei a ter um contato bem forte com a Comunidade Pantokrator. Fiz um primeiro curso em 2004, o GAO, Grupo de aprofundamento de oração, e no ano seguinte, recebi o convite de um co-fundador, Antônio Toledo, para fazer um encontro vocacional da Comunidade. De momento fiquei meio inerte, mas o convite foi muito no sentido do que Deus já preparava, coisas muito novas para mim, na minha vida e também para experimentar uma vocação nova.

Após este convite, Deus foi mudando e me dando novos sentimentos como vocação; creio que uma alegria diferente de tudo que já havia sentido. Mas fui vivendo tudo o que Deus me pedia, a cada dia, a cada coisa que Deus me mostrava através da Comunidade Pantokrator, parecia que ia me atraindo para mais perto deste carisma, desta comunidade, desta vocação.

Comecei a conhecer pessoas novas, ter novas amizades, o convívio era bem agradável, pessoas que partilhavam muito sobre suas vidas, se preocupavam uns com os outros e isto a cada dia ia gerando em mim uma alegria muito grande, parecia que a vocação da Comunidade Pantokrator a cada dia me atraía muito mais.

 A Palavra de Deus em Efésios 4, nos diz que fomos amados antes do nosso existir terreno, e que somos vocacionados, sim, a esta comunhão de amor.

Diante de todo chamado, de toda vocação, primeiro Deus nos ama, e prepara todo desígnio, todo caminhar de nossa vocação. Primeiro ele gera em nós este vislumbramento e uma grande proposta de amor, a ele e ao próximo.

Toda vocação, quando que encontrada pela vida de cada homem, que Deus chama para servi-lo, na obediência e no amor, quando que no caminhar árduo de cada dia faz esta oferta oblativa em meio aos desafios e conflitos, esta vocação é capaz de dar continuidade ao projeto de Deus, por meio de todo plano de reconstrução e recapitulação da vida humana, deformada por inúmeros pecados que têm afastado do plano original de Deus.

Todo chamado tem um toque especial de Deus, tanto para uma vocação específica como uma vocação religiosa. As vocações específicas (como por exemplo: cientista, dentista, engenheiro, professor, etc) são vocações de profissão e dons dado por Deus.

Agora falar de uma vocação religiosa, é saber que precisamos não só deste dom natural e gratuito de Deus, precisamos de ajuda, de uma orientação espiritual, ou seja, um diretor espiritual para ajudar a discernir esta vocação.

Toda a vocação precisa ser uma escolha muito livre, pois quando nos deparamos com vocações forçadas, na maioria das vezes não dá certo, tanto no âmbito profissional, como no âmbito religioso. Isto pode causar vários problemas e frustrações. Posso te dizer que toda vocação, quando que encontrada e bem discernida, tem seu objetivo e o faz feliz. Toda vocação tem como finalidade atingir o outro, ela nunca é para si mesmo e sim para que o outro seja beneficiado com aquilo que Deus te deu.

Na maioria, as vocações profissionais ou religiosas operam sinais, ou seja, Deus vai impulsionando no interior de cada pessoa, esta descoberta, este dom, desde que reconhecemos que temos tais aptidões para uma coisa ou outra.

Quando falava, pouco antes, do meu chamado como batizado, toda trajetória que tive até chegar à Comunidade Católica Pantokrator, tudo isto na minha vida teve uma guinada muito grande, minha vida foi totalmente transformada e recapitulada, hoje sou consagrado na comunidade onde vivo minha fé com muita alegria.

Hoje sei que meu chamado para servir na Comunidade Pantokrator, diante de todo processo de estudo e conhecimento, não só da doutrina, mas pessoal e humano, gera em mim uma gratidão muito grande a Deus. Descobri muitos dons em mim, dos quais o próprio Deus tem-se utilizado onde eu possa dar mais de mim para o bem, tanto para Comunidade como para meu próximo. Sou feliz demais com tudo o que ele me dá hoje, mesmo que, às vezes, bata um grande cansaço, mas o que permanece é a gratidão de poder ser para Deus.

Para finalizar, me consagrei em 2014 na Comunidade, onde expressamos na vocação três realidades como estados de vida: o sacerdócio, o celibato e o matrimônio. Só para frisar, todo homem foi constituído por Deus com uma vocação, ninguém está fora dela. Posso dizer que não tenho ainda meu estado definido, mas está no coração de Deus.

Reinaldo Marques
Consagrado da Comunidade Católica Pantokrator 

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.