Testemunho: Como foi o meu chamado vocacional?

1
chamado

Desde quando fui criada e sonhada por Deus, eu passei a ter um chamado, a missão de vida que Deus me deu a partir daquele consentimento, o que Ele me capacitou ou habilitou para fazer no mundo. O bonito do chamado é que não temos capacidades próprias para fazer, mas Cristo nos capacita para que isso seja feito. Meu chamado foi muito simples, embora tenha sido pouco aceito no início, mas quando é chamado de Deus, Ele não desiste nunca e sempre dentro do seu coração ficará um incômodo daquilo que é realmente a vontade de Deus. Isso aconteceu comigo por muitos anos até eu realmente aceitar que Deus me chamava a ser diferente, a ter uma intimidade verdadeira com Ele, e viver intensamente. Venho de uma família muito humilde e desde pequenos minha mãe sempre nos direcionou aos caminhos de Deus, levando a gente para missas, na catequese, até que pudéssemos criar nossa fé. E eu louvo muito a Deus por ela ter feito isso. Quando adolescente, eu desejei fazer o crisma, para confirmar a minha fé, e foi quando conheci uma dessas comunidades novas, da Renovação Carismática.

O chamado de Deus

A partir daí eu tive um encontro pessoal com Deus, o despertar começou quando eu estava em um encontro dessa comunidade, e senti profundamente Deus me chamando a viver uma vida consagrada a Ele, e somente para Ele, de uma forma muito diferente daquilo do que eu vivia, o chamado à radicalidade, que eu não entendia muito. Na época, eu em meio às minhas euforias, fiz um caminho vocacional, porque buscava incessantemente preencher todo o meu coração, e nesse caminho eu me sentia sufocada diante das circunstâncias daquilo que Deus me pedia, não tinha muita maturidade e não me conhecia suficiente para dar continuidade. Então, não aprofundei nesse discernimento vocacional. Muitas coisas aconteceram ao longo dos tempos, eu me afastei muito dessa comunidade, e passei a viver uma vida mundana, e ao mesmo tempo na igreja, mas algo ainda me incomodava, porém eu ignorava o tempo todo. Servia a Deus em algumas atividades da igreja, mas nada me preenchia, assumia diversos serviços e mesmo assim me sentia vazia, nada era o suficiente, e sempre me questionava a Deus sobre tudo isso, e por que o Senhor me incomodava tanto com essa consagração, e com esse desejo de ser diferente, por que no meio de tantas amigas minhas eu era chamada a viver assim na santidade.

Vocação designada por Deus, prática de felicidade!

Depois de tantos questionamentos sobre o que era esse vazio, sempre Deus me revelava essa promessa Dele pela vida religiosa, na busca de encontro de Deus, nessa sede de ser de Deus e Dele somente. Em agosto de 2015, eu mudei de estado, e foi quando eu conheci a Comunidade Católica Pantokrator. E na comunidade, veio logo à tona sobre o chamado, sobre vida consagrada, sobre a radicalidade que o Senhor me chamava desde 2003. Porém, novamente em meio a tantos conflitos e mágoas sobre vida consagrada, experiência com Deus e tudo que Ele deseja para minha vida, no começo, eu resisti a viver isso. Eu tinha um desejo muito forte de servir a Deus, sentia muito forte a presença de Deus, mas não compreendia o quanto isso era forte, e me sentia insegura. Em um retiro que fiz na Comunidade Católica Pantokrator, eu sentia Deus me amando, mas com um amor diferente, amor ciumento e devorador. Foi nesse encontro que o Senhor me chamava a dar mais um passo de confiança e fidelidade para ser Dele. A partir disso, fiz um processo vocacional por mais uma vez, só que dessa vez eu dei importância para aquilo que Deus me chama a viver.

O chamado é a maior força interior que um homem ou mulher pode ter para avançar diante dos problemas da vida, muitas vezes, é no chamado que você consegue vencer as adversidades, que irão acontecer na sua caminhada, que não são fáceis. Existem muitas batalhas, exige muitas renúncias, mas só Deus nos dá a graça por meio da nossa abertura e intimidade com Ele. Fugir do seu chamado é como se você fugisse do próprio Cristo, porque Ele nos fez dignos de ser filhos, imagem e semelhança Dele e de testemunhar isso ao mundo – esse é o nosso chamado.

O Apóstolo Paulo nos ensina que existe uma longa carreira pela frente, e eu só vou poder guardar a minha fé, cumprir com a minha carreira, se eu for fiel ao que Deus me chamou. Quando você descobre o seu chamado, e aceita viver e sabe valorizar, temos a felicidade em Cristo e Ele se alegra com isso. Cada dia que estou fazendo o meu chamado acontecer, cumprindo com o que Deus sonhou para minha vida, eu estou buscando a vontade do Pai. E Deus vai fazendo cumprir tudo de sobrenatural na minha vida, enquanto eu trilho o caminho da santidade até chegar ao céu.

Fransbiane Jesus da Silva
Postulante da Comunidade Católica Pantokrator

1 COMENTÁRIO

  1. […] Meu nome é Leila Engels e quero partilhar com vocês uma das maiores experiências da minha vida: quando fui enviada pela Comunidade Pantokrator, como missionária para a França. Tudo aconteceu, quando durante uma celebração realizada em nossa comunidade, nosso fundador André Luiz Botelho de Andrade, fez um convite para todos os membros da Vida de Aliança, que era viver por um período de dois anos na França para ajudar a Casa de Missão. Posso dizer que foi a primeira vez que senti algo tão forte dentro de mim, meu coração batia tão rápido que tive a certeza de que Deus falava diretamente para mim, e não tive dúvidas: Deus me chamava! […]

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.

onze − 7 =