Testemunho: Uma família segundo o projeto de Deus

2

Eu, Aline Maria Peron Ferraz, e meu esposo, Marcos Roberto de Souza Ferraz, celebramos o Sacramento do Matrimônio no dia 05 de abril de 2003, com um desejo imenso de constituir uma família segundo o projeto de Deus.   Somos consagrados na Comunidade Católica Pantokrator, membros desta Comunidade, e moramos em Pedreira, na Missão que está na Diocese de Amparo.

Queremos com imensa alegria partilhar a nossa história de vida matrimonial.

No ano de 2007, descobrimos, fazendo alguns exames, que temos dificuldade de gerar um filho. Foi um momento de prova, para o nosso crescimento humano e espiritual, e que concretamente se estendeu por alguns anos, em que mantemos nosso amor e nossa fidelidade a Deus, com a ajuda da Sua Graça, através da oração e partilha com os nossos formadores e com os nossos irmãos de Comunidade, e com a nossa família biológica.

Nós lemos a “Instrução sobre o Respeito á Vida Humana Nascente e a Dignidade da Procriação”, um Documento da Igreja (da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé) que orienta os casais em casos de infertilidade no matrimônio cristão. No parágrafo 08, diz o documento que o casal que não pode gerar um filho não é um casal inferior aos outros. Os casais estéreis não devem esquecer que, mesmo quando a procriação não é possível, nem por isso a vida conjugal perde o seu valor. Com efeito, a esterilidade física pode ser ocasião, para os esposos, de prestar outros importantes serviços à vida humana, tais como a adoção, as várias formas de obras educativas, o auxílio a outras famílias, às crianças pobres e excepcionais. Ele continua, dizendo que os casais que se encontram nessa dolorosa situação são chamados a descobrir nela a oportunidade para uma particular participação na Cruz do Senhor, fonte de fecundidade espiritual.

A Igreja também orienta que a vontade de Deus é que uma nova vida aconteça por meios naturais, ou seja, a união do casal para a procriação. Isso elimina qualquer possibilidade de uso de meios artificiais para a concepção, já que estes ferem profundamente a finalidade unitiva do Matrimônio.

Marcos e Eu, em meio à nossa dificuldade, optamos por ser fiéis à vontade de Deus, e isso nos trouxe grande paz.

Nessa época, havia uma música que nos tocava bastante no meio católico: “vontade de Deus, és meu paraíso; vontade de Deus, és meu paraíso… Todo dia é um novo dia pra Te amar; mais que ontem, no sim de hoje, o novo se fará”. E assim fomos seguindo, no sim de cada dia, buscando a Deus e esperando o filho que só Ele poderia nos dar.

>>Acesse nosso Canal de Formação! Clique Aqui!

No ano de 2009, recebemos uma visita do André, fundador de nossa Comunidade em nossa casa, por ocasião da sua visita pastoral à Missão  de Pedreira. Nosso fundador partilhou conosco que tinha uma preocupação com todos os casais da Comunidade que não podiam ter filhos, em função de ficarem acomodados, sem a exigência da doação que é própria da paternidade e maternidade. E ele disse para nós conversarmos com os nossos formadores pessoais para discernir qual seria a nossa fecundidade…

Poderia ser uma fecundidade espiritual através de uma missão, pelo fato de ter mais disponibilidade. E também havia a possibilidade de adotar uma criança. Então começamos a rezar para esse discernimento…

Marcos e eu decidimos, então, adotar. Entramos para o cadastro de pretendentes de adoção em nossa cidade no início de 2010. E aí começou a nossa gestação, que acontecia em nosso coração, com a ansiedade normal para quem esperava, havia sete anos, que o desejo de ser pais se realizasse.

Então, como dizia a música: “vontade de Deus, és meu paraíso. Todo dia é um novo dia pra Te amar… Mais que ontem, no sim de hoje, o novo se fará…” Nós fomos amando a vontade de Deus a cada novo dia de espera pelo nosso filho. Ah, me esqueci de contar antes que tínhamos escolhido uma menina.

Eis que o novo se fez…  Após 2 anos de gestação… Fomos chamados ao Fórum em maio de 2012; perguntaram se gostaríamos de conhecer a Yasmin Vitória, de 03 anos de idade, a nossa filha que já estava preparada por Deus. Respondemos que “Sim”. E Deus fez em nós Maravilhas… Recebemos a paz da vontade de Deus, que nasceu da paz da espera, da paz da fidelidade à vontade de Deus, nosso paraíso.

A primeira visita à nossa filha foi dia 28 de maio de 2012: conhecemos a pequena Yasmin, Vitória de Deus para nós. E começou o parto… Que trazia a ansiedade se realmente ela iria se adaptar bem conosco, mais uma espera para ela se acostumar com a nossa presença e começarmos efetivamente a participar da sua vida. Nesse tempo, recebemos uma ligação do André, nosso fundador, e ele foi muito atencioso conosco, e disse algumas palavras que foram essenciais para nós naquele momento: “a adoção tem que ser sempre em função da criança; o sonho de ser pais não é o mais importante nesse momento, mas o amor e a acolhida da criança, filha de Deus”.

O nosso parto demorou 1 mês e cinco dias: no dia 04 de julho de 2012, levamos nossa filha para nossa casa. Louvado seja Deus por seus desígnios para nós!!! Ele nos deu uma filha!!!

Gostaríamos de dizer que com a Yasmin veio a graça de Deus para vivermos a paternidade e a maternidade. E, como disse nossa irmã de comunidade, Renata Oliveira, “quando nasce um filho, nasce um pai e uma mãe”. Sentimos isso acontecer conosco, graças a Deus.

>>Envie-nos o seu testemunho com a Obra Pantokrator!

Isso pode acontecer com você também… Se você tiver o dom da paternidade ou maternidade adotiva. A maior motivação que existe para nós é nada mais que o próprio São José, esposo da Virgem Maria, pai adotivo de Jesus e também o fato de sermos, nós mesmos, filhos adotivos de Deus. Portanto aqueles que têm esse desejo ou pensam a respeito,  rezem e peçam para que Deus conduza a sua vida e, se for de Sua vontade, que possam fazer essa grande caridade… Que não será esquecida por Deus.

Adotar: resgatar uma vida humana, dando a ela a dignidade de filho de Deus!!! Assim como nós o somos!!! A Paz de Cristo e a Paz de Sua Vontade a Todos!

Aline e Marcos Ferraz
Missão de Pedreira – Diocese de Amparo – SP

2 COMENTÁRIOS

  1. Se isto não for fecundidade… o que então será?
    O amor é sempre fértil, sempre gera vida. A vocação
    de vocês é, sem dúvida, fonte de vida nova para a Yasmim
    e o testemunho de vocês é fonte de vida e profecia para muitos
    casais que possam estar em estado de acomodação, revolta ou
    atraídos por tipos de fertilização contrários à ordem de Deus.
    Felicidades!

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.