As vocações, dom do amor de Deus

1

As famílias, “comunidade de vida e de amor”, são lugar para redescobrir a beleza do sacerdócio e da vida consagrada. É o que ressalta Bento XVI na Mensagem para o próximo Dia Mundial de Oração pelas Vocações, que será celebrado em 29 de abril, IV Domingo da Páscoa.

“As vocações, dom do amor de Deus” é o tema do 49º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, ocasião para refletir sobre a “verdade profunda da nossa existência”, contida – ressalta o Santo Padre – neste “mistério admirável”, onde “cada criatura, e particularmente cada pessoa humana, é fruto de um pensamento e de um ato de amor de Deus, amor imenso, fiel e eterno” (cf. Jer 31, 3).

“É a descoberta deste fato que muda, verdadeiramente e profundamente, a nossa vida”, recorda-nos o Pontífice. “Trata-se de um amor sem reservas que nos precede, sustenta e chama ao longo do caminho da vida e que tem a sua raiz na gratuidade absoluta de Deus.”

De fato, cada vocação específica nasce da iniciativa de Deus, é dom do amor de Deus! É Ele que realiza o «primeiro passo», e não o faz por uma particular bondade que teria vislumbrado em nós, mas em virtude da presença do seu próprio amor «derramado nos nossos corações pelo Espírito Santo» (Rm 5, 5).

Na realidade, “a medida alta da vida cristã consiste em amar «como» Deus; trata-se de um amor que, no dom total de si, se manifesta fiel e fecundo”.

Neste terreno de um coração em oblação, “na abertura ao amor de Deus e como fruto deste amor, nascem e crescem todas as vocações. E é bebendo nesta fonte durante a oração, através duma familiaridade assídua com a Palavra e os Sacramentos, nomeadamente a Eucaristia, que é possível viver o amor ao próximo, em cujo rosto se aprende a vislumbrar o de Cristo Senhor (cf. Mt 25, 31-46).

Palavra, oração e Eucaristia constituem o tesouro precioso para se compreender a beleza duma vida totalmente gasta pelo Reino.

Em seguida, Bento XVI pede às Igrejas locais que “se tornem «lugar» de vigilante discernimento e de verificação vocacional profunda, oferecendo aos jovens e às jovens um acompanhamento espiritual sábio e vigoroso. Deste modo, a própria comunidade cristã torna-se manifestação do amor de Deus, que guarda em si mesma cada vocação”.

“Tal dinâmica, que corresponde às exigências do mandamento novo de Jesus – acrescenta Bento XVI –, pode encontrar uma expressiva e singular realização nas famílias cristãs, cujo amor é expressão do amor de Cristo, que Se entregou a Si mesmo pela sua Igreja (cf. Ef 5, 25).”

Nas famílias, «comunidades de vida e de amor» (Gaudium et spes, 48), as novas gerações podem fazer uma experiência maravilhosa do amor de oblação.

“De fato – constata o Papa –, as famílias são não apenas o lugar privilegiado da formação humana e cristã, mas podem constituir também «o primeiro e o melhor seminário da vocação à vida consagrada pelo Reino de Deus» (Exort. ap. Familiaris consortio, 53), fazendo descobrir, mesmo no âmbito da família, a beleza e a importância do sacerdócio e da vida consagrada.”

“Que os Pastores e todos os fiéis leigos – são, por fim, os votos de Bento XVI – colaborem entre si para que, na Igreja, se multipliquem estas «casas e escolas de comunhão» a exemplo da Sagrada Família de Nazaré, reflexo harmonioso na terra da vida da Santíssima Trindade.” (RL)

Rádio Vaticano

Encontro Vocacional – Comunidade Pantokrator
Dias 03 e 04/Março
vocacional@pantokrator.org.br

 

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.