Testemunhos de jovens sobre JMJ Rio2013

0

”Ide e fazei discípulos entre todas as nacões”
O tema da Jornada resume tudo que vivi desde a Pré-Jornada, Jornada e o que ainda estou vivendo na pós-Jornada.

Pré-Jornada: Em todas as reuniões da diocese de que participei, as moções se resumiam em ”ir em missão”, ”evangelizar”. Em particular, para nós, da Comunidade aqui da Missão de Santos, sentíamos que precisava haver uma união com as demais Comunidades e projetos da diocese. Precisávamos “mostrar a nossa cara”, mostrar que também somos Igreja, mostrar que a diocese pode contar com a gente para sair em missão, pregando, conduzindo adoracão ou simplesmente sendo pequenos, estando presentes.

Jornada: Durante a Jornada, o que mais me marcou foi a união de tanta gente do mundo todo para testemunhar a mesma fé, “a nossa fé”. Poderíamos ter ficado em casa, assistindo a tudo confortavelmente pela TV, sem perder nenhuma palavra ou gesto do Papa, mas conversar com pessoas de idiomas e culturas diferentes tentando deixar um pouco do nosso carisma e trazendo um pouco do carisma deles em nós, não seria possível se não tivéssemos ido até lá (Ide e fazei discípulos…). Passar por aqueles túneis lotados de jovens cantando… rezar juntos em idiomas diferentes etc. Conviver com os nossos limites e com os limites dos irmãos para exercitarmos o amor ao próximo e o amor a nós mesmos: me descobrir mais humana e com isso mais dependente de Deus.

Pós-Jornada: Descobri que o Brasil está encantado com o Papa. Não existe um assunto mais interessante do que falar sobre a visita do Papa ao Brasil, mesmo para os não católicos: falar sobre cada palavra, cada atitude dele. Tenho a impressão de que o Brasil – e talvez o mundo – está descobrindo a Igreja (a verdadeira Igreja) através do Papa. Recordei a minha conversão, quando descobri a Igreja e me encantava com cada Grupo de Oracão, cada Evento da Renovacão Carismática. Tenho a impressão de que o povo está vivendo este mesmo encantamento nesses tempos.

Angela Paixão – Santos-SP

 

testemunho-jmjSabia que não faria tudo o que desejava, que era participar ao máximo da JMJ, mas fiz o que era o sonho de Deus. Nem esperava ver o Papa de tão perto.

Tive várias oportunidades de tocar Jesus em pequenas coisas, como no acolhimento que tive, pois pensei que ficaria em alojamento. A família que nos acolheu são verdadeiros cristãos e estavam bem preocupados em nos acolher bem, aprendi demais com eles.

Pedi uma graça ao Senhor de encontrar uma pessoa na JMJ o que era muito difícil, mas depositei toda minha confiança e Ele me atendeu, foi tudo muito rápido, mas suficiente para tocar o amor de Jesus.
Houve inúmeras situações onde a murmuração e o meu jeito de querer resolver tudo quiseram falar mais alto, mas o louvor e a condução do Espírito Santo tomaram este lugar e tudo caminhou divinamente bem, me senti muito livre diante de Deus.

Pude sentir o amor ciumento do Cristo Pantokrator e todo cuidado que Ele teve conosco, desde que chegamos, tivemos várias oportunidades de falar de Deus e do nosso carisma, em todos os lugares por ande andávamos, a alegria transbordava!

Uma situação tocou-me bastante, onde um taxista com quem conversamos durante uma corrida, disse-nos que a JMJ motivava ele a assumir o compromisso diante de Deus e voltar a Igreja Católica. Não sei onde colocar tanta alegria e vontade de levar esse Deus fiel, misericordioso e bondoso… essa JMJ reavivou mais ainda o meu ardor missionário e que a semente que foi plantada em nossos corações, possa germinar, ser regada pelo Espírito Santo e crescer conforme o desejo do Senhor, que não tenhamos medo e nem dúvida de que ser de Deus vale muito a pena.

Deus não brinca com nossas vidas e o que Ele tem para nós é o melhor sempre e chega sempre na hora certa, é Ele mesmo quem nos prepara para assumir este melhor!

Katia Xavier – Campinas-SP

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.