À procura de segurança

0

Alguns conselhos que podem ser aplicadas, na medida conveniente a cada um, a problemas como o sentimento de inferioridade, a inibição e a ansiedade.

quem-e-maior-reino-ceuO homem deverá fundamentar a sua segurança principalmente em quatro grandes pilares, que formam a base da sua segurança.

1. ACEITAR-SE A SI MESMO

Há um princípio que paira acima da medicina, da economia, da tática bélica, da engenharia e de tantas outras ciências, mas especialmente das ciências do espírito:não se supera o que não se reconhece. É óbvio. Como vamos vencer um inimigo – o invasor, o vírus – se antes não o identificamos? Como podemos levantar os pilares de um viaduto se antes não fazemos um profundo estudo de prospecção do terreno sobre o qual vamos construir? Como se pode edificar uma personalidade segura sobre uma terra pantanosa? Qualquer contrariedade, qualquer ameaça a abalarão até os alicerces.

Por outro lado, quem não se aceita nunca terá a paz que dá a unidade interior;estará sempre em conflito consigo mesmo: no campo de batalha da sua consciência, irão digladiar-se permanentemente o homem que ele é na realidade e o homem que ele imagina ou finge ser. Daí surgem, evidentemente, os complexos e as inibições.

Lembro-me agora, com toda a nitidez, de um caso que, visto de fora, pode parecer um tanto ridículo, mas que é característico. Um universitário apresentou-me um amigo seu que desejava falar comigo. Antes, disse-me: “Tenha cuidado, ele se melindra facilmente, é um pouco esquisito”. Quando o rapaz entrou na minha sala, logo vi todo o “panorama”: empertigado, de falar “bonito”, pomposo, pausado e meticuloso, e… de estatura muito abaixo do normal. Reparei nos seus sapatos: usava saltos de dimensões descomunais.

Começamos a falar, a comentar as coisas da Universidade:

– Há alguma coisa que o preocupe? – perguntei-lhe.

– Não, está tudo bem – respondeu-me, nervoso…

Olhei-o demoradamente e ele começou a mexer-se na poltrona.

– Mas vejo que alguma coisa o preocupa – insisti.

Ficou ruborizado.

– Bom, sempre há coisas que preocupam…

– Por exemplo…?

Demorou a responder-me.

– Sinto-me inseguro, inibido…, como se houvesse alguma coisa que não estivesse bem dentro de mim…

– Você sabe que não é esse o problema que o aflige. Há algo mais concreto…

– Será mesmo…?

Riu nervosamente.

– É mesmo. Vá, fale; nunca terá uma oportunidade melhor do que esta.

Vi que fazia um grande esforço:

– Acho que tenho complexo de baixo.

Sem querer, escapou-me:

– Você não tem “complexo de baixo”; você é baixo mesmo!

– Mas como é que o senhor me diz uma coisa dessas! Ninguém até hoje se atreveu a falar-me assim.

– Talvez seja por isso que você diz ter complexo. Você sabe que é baixo, que pelas costas todos o chamam de “baixinho”, mas não o aceita. Estica o pescoço e a coluna, põe esses saltos desproporcionados para dissimular… É isso que faz de você uma pessoa retraída; é isso que transforma um fato natural – que acontece com muitas outras pessoas – num fato complexo.

Ficou vermelho, com os olhos brilhantes… Deu-me pena. E um movimento natural de simpatia tomou conta de mim…

– Vamos, não se preocupe, seja sincero, vamos lutar juntos. Você vai ver como solucionamos rapidinho esse problema…

Nesse momento, não lhe foi mais possível conter as lágrimas. Chorou. Desabafou:

– Trago este conflito dentro de mim como se fosse um parafuso espetado na minha “cuca”…

– Você verá como em algumas semanas vamos superar isso que o esteve atormentando durante tantos anos…

– O senhor inventou o elixir que faz crescer…? – disse com uma risada nervosa e limpando as lágrimas. – Que devo fazer?

– Poderia voltar na semana que vem?

– Claro! E… que mais?

– Tire esses saltos e coloque uns normais; não estique o pescoço e fale sempre com a simplicidade com que me está falando agora.

Na semana seguinte, voltou mais tranqüilo:

– Estou-me sentindo melhor…

– Olhe, Deus permitiu que você nascesse assim. Você é forte, inteligente, ágil. Parece-lhe pouco?

Acrescentei uma frase que então era comum no jargão universitário: “Assuma a sua identidade”.

– Você tem pinta de corredor… Jogou futebol alguma vez?

– Bem, há tempos fui ponta-esquerda…, mas faz tanto tempo que não jogo!…

– Entre no time da faculdade. Treine…

Não demorou a ser selecionado para jogar no time da Universidade. Era tão ágil e tão pequeno que quase passava por entre as pernas dos adversários. “O baixinho é fogo. Não há quem o pare”, comentava um colega. Ficou famoso. Ganhou o apelido de flecha vermelha.

Hoje é um bom engenheiro e um bom cristão. Um homem seguro. A sua estatura é um problema que ficou em nono ou décimo lugar na sua escala de valores. Soube tomar o elixir que aumenta a estatura espiritual: aceitar-se como era, dar graças a Deus pelo muito de bom que Ele lhe tinha dado; pedir perdão pelas suas irritações e revoltas, pelos seus fingimentos e teatralidades; e caminhar em frente sabendo que, com Deus, um garoto que se chamava Davi derrotou um gigante que se chamava Golias.

Esta aceitação serena da realidade constitui, por assim dizer, a medula de uma virtude básica que não é apanágio exclusivo de determinados ambientes religiosos; é patrimônio do gênero humano. No fundo, é sabedoria, porque representa nada menos que o conhecimento e a aceitação da verdade. É realismo.

O realismo de aceitarmos as nossas limitações humanas. Acabamos de ver a questão da estatura, mas há muitos outros tipos de limitações que nos afligem. Todos os médicos conhecem o chamado paciente “tigre”, que não quer submeter-se às limitações impostas por determinada doença: não fica na cama o tempo prescrito, considera-se apto para qualquer esforço… O mesmo se dá nos demais âmbitos da vida: um quereria ser mais inteligente do que realmente é, e insiste em levar para diante uma pós-graduação que está claramente acima das suas forças; aquele faz turnos de trabalho extras e assume dois ou três empregos, sem se conceder o lazer necessário para relaxar-se, apenas porque teima em ser, aos seus próprios olhos, uma espécie de super-homem; aquele outro sofre desmedidamente com os seus erros no começo da carreira profissional, sem levar em conta que ninguém nasce sabendo seja o que for, e que tudo exige um paciente e lento aprendizado… Tudo isso é não aceitar essa primeira verdade acerca de nós mesmos: somos limitados no tempo, no espaço e nas nossas forças e capacidades, sem que isso signifique de forma alguma qualquer demérito para nós.

Há também os defeitos, aquelas falhas morais que, afinal, todos têm – “ninguém é perfeito” –, mas que não gostamos nem um pouco de encontrar em nós. Sabemos que deveríamos ser sempre verazes, mas uma e outra vez nos escapam aquelas mentirinhas “sociais”; sabemos que deveríamos ser sempre ativos e empreendedores, mas uma e outra vez nos apanhamos a adiar incumbências desagradáveis, a “esticar” um cafezinho ou uma “conversinha” descontraída; sabemos que deveríamos ser sempre pacientes e calmos, mas quando a mulher começa a falar com aquele tom irritante de voz… E o mais doloroso nestas coisas é a consciência penetrante de que as qualidades que julgamos ter falham em determinadas circunstâncias ou estão pontilhadas de “exceções”.

Ora, a palavra “defeito” significa precisamente isso: algo que falta, que não está presente em nós. Acontece conosco, no plano moral, o mesmo que acontece no intelectual: assim como nascemos ignorantes, isto é, carentes de recursos de conhecimento, da mesma forma nascemos defeituosos, isto é, carentes de virtudes morais. Portanto, nada há de anormal em descobrirmos em nós essas carências, ao menos em determinados setores. Aqui, o realismo está em reconhecer com simplicidade que nos faltam estas e aquelas virtudes, em esforçar-nos humildemente por caracterizar bem quais são – por “dar o nome aos bois” –, e, a seguir, em tomar providências concretas para adquiri-las.

Há, por fim, as culpas, também elas muitos reais. Hoje em dia, fala-se muito em “sentimentos de culpa”, como se fossem qualquer coisa de subjetivo. Não. Devemos ter presente que, na imensa maioria dos casos, os sentimentos de culpa procedem de culpas reais, muito objetivas: de um imperativo moral que infringimos com plena consciência, de uma omissão também clara e grave diante de uma necessidade alheia. Por que razão, diante dos nossos fracassos, tendemos instintivamente a lançar a culpa sobre os outros, ou sobre as circunstâncias, ou sobre o ambiente? Quanta sociologia barata não fazemos, para tirar das costas uma responsabilidade que é nossa, e só nossa!? E por que recuamos sempre mais e até nos justificamos com “traumas de infância”, causados por um “pai tirânico”?

Diz-nos a doutrina cristã que, sem uma especial graça de Deus, ninguém – nenhum ser humano vivo – está isento de cometer algum pecado venial. Ou seja, precisamos reconhecer que somos pecadores, que, diante de Deus, não podemos hoje nem poderemos nunca apresentar uma imagem imaculada. E se não o reconhecermos, não saberemos jamais como é grande o amor desse Deus que nos criou para Ele e que está sempre disposto a acolher-nos de volta. “Quem não reconhece a grandeza das suas culpas, não é capaz de reconhecer a grandeza da misericórdia divina”, diz-nos São João Crisóstomo.

É desta forma, pela aceitação da nossa condição de pecadores, que seremos capazes de converter a prova mais evidente da nossa miséria e ruindade num reencontro com o Deus de toda a misericórdia, que nos espera de braços abertos no Sacramento da Confissão. E no abraço com esse Deus benigno e forte, dissolver-se-á de uma vez por todas tudo o que nos pesava, nos deprimia e angustiava, tudo o que nos fazia experimentar a nossa maldade e o nosso nada.

Aceitar a própria culpa, não ter medo de examinar os próprios atos todos os dias – à luz de Deus –, não só não é deprimente e derrotista, mas é a suprema fonte de segurança, porque nos dá um ponto de partida lúcido e sólido para retificar e reempreender a marcha. A segurança está sempre assentada na terra firme do conhecimento e da aceitação de si próprio. “Só no fundo do abismo de ti mesmo encontrarás onde firmar os pés”, escrevia Fénelon9. Firmar os pés – para dar o grande salto para a vida. Essa é a plataforma de lançamento da grandiosa aventura que é a existência humana.

2. PERDER O MEDO DE ERRAR

Quem se reconhece e se aceita – quem é humilde – não tem medo de errar. Por quê? Porque se, depois de ponderar prudentemente a sua decisão, comete um erro, isso não o surpreende: é próprio da sua condição limitada. São Francisco de Sales dizia-o de uma forma muito expressiva: “Por que surpreender-se de que a miséria seja miserável?”

Lembro-me ainda daquele dia em que subia a encosta das Perdizes, lá em São Paulo, para dar a minha primeira aula na Faculdade Paulista de Direito, da PUC. Ia virando e revirando a matéria, repetindo conceitos e idéias. Estava nervoso; não sabia que impressão causariam as minhas palavras naqueles alunos de rosto desconhecido… E se me fizessem alguma pergunta a que eu não soubesse responder…? E se, no meio da exposição, eu esquecesse a seqüência de idéias…?

Entrei na sala de aula tenso, com um sorriso artificial. Comecei a falar… Estava excessivamente pendente do que dizia e nem olhava para a cara dos alunos. Falei quarenta e cinco minutos seguidos sem interrupção, sem consultar uma nota sequer.

Percebi, porém, um certo distanciamento da “turma”, um certo respeito… Um rapaz, muito comunicativo e inteligente, talvez para superar a distância criada entre o grupo e o professor, aproximou-se e cumprimentou-me: “Parabéns, professor. Que memória! Não consultou em nenhum momento os seus apontamentos… Foi muito interessante…”

Respirei… Mas, desconfiado, quis saber: “Você entendeu o que eu disse?” Admirou-se com a minha pergunta: não a esperava. Sorrindo, encabulado, confessou-me: “Entendi muito pouco… E, pelo que pude observar, a «turma» entendeu menos ainda”.

A lição estava clara: “Dei a aula para mim e não para eles. Dei a aula para demonstrar que estava capacitado, mas não para ensinar”. Faltara descontração, didática, empatia; não fizera nenhuma pausa, nenhuma pergunta… Fora tudoacademicamente perfeito, como um belo cadáver… Fora um fracasso.

Lembro-me também de que, quando descia aquela encosta, fiz o propósito de tentar ser mais humilde, de preparar um esquema mais simples, de perder o medo de errar, esse medo que me deixara tão tenso e tão cansado… De pensar mais nos meus alunos e menos na imagem que eles pudessem fazer de mim… E se me fizessem uma pergunta a que não soubesse responder…, que diria? Pois bem, diria a verdade…, que precisava estudar a questão com mais calma e, na próxima aula, lhes responderia… Tão simples assim…

Que tranqüilidade a minha ao subir a encosta no dia seguinte!… E que agradecimento o dos alunos ao verem a minha atitude mais solta, mais desinibida, mais simpática!

Uma lição que tive que reaprender muitas vezes ao longo da minha vida de professor e de sacerdote: a simplicidade, a transparência, a espontaneidade são o melhor remédio para a tensão e a timidez, e o recurso mais eficaz para que as nossas palavras e os nossos desejos de fazer o bem tenham eco. Não olhemos as pupilas alheias como se fossem um espelho no qual se reflita a nossa própria imagem; não estejamos pendentes da resposta que esse espelho possa dar às perguntas que a nossa vaidade formula continuamente: “O que é que você pensa de mim? Gostou da colocação que fiz?” Tudo isso é raquítico, decadente, cheira ao mofo do próprio Eu, imobiliza e retrai, inibe e tranca a espontaneidade. Percamos o medo de errar, e erraremos menos.

3. CONFIAR EM DEUS

A nossa fraqueza reclama a fortaleza de Deus. Inezita Barroso, numa das músicas do folclore brasileiro, cantava: “Um homem sem Deus é como um filho sem pai, como um faminto sem pão, como um morro sem batucada”.

Uma criança órfã, perdida na vida, sente medo de tudo e de todos. O homem dos nossos dias, que enfrenta o advento do Terceiro Milênio, de uma cultura que se esvai de costas para Deus, parece sofrer do desamparo da orfandade. Isolado, individualista, auto-suficiente, é extremamente vulnerável. A frustração, o fracasso, a solidão, a doença, a dor pairam continuamente por cima da sua cabeça como uma espada de Dâmocles. Parece submetido à arbitrariedade de um destino cego. E isso o apavora, como se apavora uma criança abandonada.

É isso o que provoca, em última instância, a ansiedade. Porque esse sentimento – como todas as outras manifestações de insegurança – surge quando o homem não encontra os elementos necessários para defender a sua frágil vulnerabilidade.

A investigação fenomenológica atual foi, pouco a pouco, pondo de manifesto que a ansiedade aparece onde falta o sentimento ou a vivência daquilo que os alemães chamam Geborgenheit e que se pode traduzir por “amparo afetivo”. A sua expressão mais característica, mais genuína, é a do amor paterno e materno10. Mas o pai e a mãe, que nos deram a vida e nos protegem no ambiente familiar, não têm o poder de libertar-nos dos perigos que nos rodeiam num universo agressivo e egoísta. Para que esse “amparo afetivo” nos cubra como uma grande cúpula protetora, tem que ser tão amplo que abranja as circunstâncias aleatórias e os eventos cósmicos. E isso, só Deus o pode proporcionar.

Deus é Pai. É a origem e o sustentador da nossa existência: Nele vivemos, nos movemos e somos! (At 17, 18). Um verdadeiro cristão vive no regaço de Deus – que é para ele “papai” e “mamãe” –, sente-se carinhosamente protegido, seguro, como um “bebê” no colo da mãe. Entende muito bem aquelas palavras do Senhor: Pode a mulher esquecer-se daquele que amamenta, não ter ternura pelo filho das suas entranhas? Contudo, mesmo que ela se esquecesse, Eu não me esquecerei de ti (Is 49, 15). E a realidade que estas palavras encerram comunicam-lhe uma segurança que dissipa todos os medos e ansiedades.

Deus, sem dúvida, tem uma realidade objetiva, mas tem também uma ressonância subjetiva muito profunda. Quando se acredita que Ele é Pai, um Pai amoroso que nos ama muito mais do que nos podem amar todos os pais e todas as mães do mundo juntos, sentimos realmente um sentimento íntimo de “amparo materno e paterno” de dimensões universais. Quando a fé passa da cabeça para o coração, da psiquépara o soma, o corpo e a alma experimentam uma paz que ultrapassa todo o entendimento humano. Quando a palavra do Senhor que nos diz: No mundo haveis de ter tribulações, mas confiai: Eu venci o mundo (Jo 16, 33), penetra a fundo na nossa vida, invade-nos como que uma segurança inabalável, mudam as perspectivas da alma e também – por que não? – a química do corpo: sentimos uma serenidade que não se consegue alcançar nem com filosofias de “pensamento positivo” nem com os “fármacos” da última geração.

A ansiedade, sem dúvida, pode ter um fundo biológico – e nesse caso é necessário ir ao médico –, mas a maior parte das vezes é conseqüência de uma falta de fé profunda. Há muitos cristãos angustiados porque há muitos cristãos mornos, tíbios. Na realidade, há uma relação inversamente proporcional entre a fé e a ansiedade: mais ansiedade, menos fé; mais fé, menos ansiedade.

“Que confiança, que descanso e que otimismo vos dará, no meio das dificuldades, sentir-vos filhos de um Pai que tudo sabe e que tudo pode!”11 Que sentimento de paz e de serenidade, de segurança, nos transmite sentir que, por exemplo, as palavras dirigidas por Nossa Senhora de Guadalupe ao índio Juan Diego podem também ter por endereço o nosso coração: “Escuta, e guarda-o no teu coração, meu filho o menor, que o que te assusta e te aflige é nada. Não se perturbe o teu rosto nem o teu coração, não temas esta doença, nem nenhuma outra doença ou coisa dolorosa e aflitiva. Não estou eu aqui, eu que sou tua Mãe? Não estás sob a minha sombra e resguardo? Não sou eu a fonte da tua alegria? Não estás debaixo do meu manto e em meus braços? Por acaso tens necessidade de alguma outra coisa? Nada te aflija ou te perturbe…”12

Se queremos ter algum complexo, tenhamos o autêntico e nobre “complexo de superioridade” dos filhos de Deus. Temos que saber pisar esta terra como o príncipe pisa os tapetes do palácio de seu pai, o rei, porque o nosso Pai, o Rei dos céus e da terra, é o dono desse outro palácio que tem como teto as estrelas e como chão o esplêndido tapete dos campos floridos e da infinita policromia das florestas13.

4. ABRIR-SE AOS OUTROS

É evidente que superar a insegurança – vimo-lo atrás – implica um esquecimento de si próprio. A preocupação obsessiva com o sucesso pessoal, o contínuo retorno ao próprio Eu, é o que traz consigo o medo do fracasso.

Mas ninguém é capaz de viver no simples esvaziamento interior: ou pensa em si, ou pensa nos outros; ou se ama a si de forma desordenada – e isso é egoísmo –, ou, esquecido de si, ocupa-se dos outros – e isso é amor. Por esta razão poderíamos afirmar que só se perde o medo de errar, de comprometer-se, de dar-se, quando está em jogo um motivo superior, e esse motivo é o amor. Quem tem medo não é perfeito no amor (2 Jo 4, 18), diz-nos ninguém menos que o Apóstolo João, o “discípulo amado que tanto amou”, e que superou os estreitos horizontes do mar de Tiberíades para ganhar, sem medo, os altos horizontes do Mediterrâneo e do mundo inteiro.

Tal como na desintegração do átomo, a abertura do Eu para o amor libera uma imensa força energética que faz explodir todos os estranhos “mecanismos de defesa” dos neuróticos, medrosos e complexados.

Os seres humanos que vivem um amor solidário superam rapidamente as suas inibições. Entregam-se uns aos outros. Criam uma rede de liames fortes que sustentam as fraquezas e revigoram as limitações, uma corrente em que os elos se interligam com solidez para formarem um todo inquebrantável e seguro.

A Sagrada Escritura diz isso de uma forma muito bela: O irmão que ajuda o irmão é como uma cidade amuralhada (cfr. Prov 18, 19). Talvez, em sentido contrário, a falta de união fraternal, produzida pela crise da instituição familiar, tenha propiciado a proliferação de tantos jovens inibidos, isolados, deprimidos, misantropos, que povoam as escolas e universidades. O amor é a motivação mais forte para ousar e é, ao mesmo tempo, a trama mais forte para nos segurar.

Sem dúvida, é preciso ter coragem para amar, para quebrar a carapaça inibidora. Mas, por sua vez, o amor é uma fonte copiosa de coragem. É interessante constatar que Adler e a sua escola indicam, como remédio fundamental para vencer a inibição e o complexo de inferioridade, a renúncia ao egocentrismo por meio do amor. Utilizam uma expressão característica: a coragem do dom de si, Mut Zur Hingabe14.

A coragem para amar traz consigo o amor que dá coragem.

Mas é preciso o impulso inicial da coragem; cumpre agarrar a consciência pela gola e gritar-lhe: “Pare com isso, pare com essa excessiva preocupação pela sua imagem; pare com essa mania de pensar tanto em si mesmo; pare com esse egocentrismo ostracista que o está mergulhando na solidão; tenha a coragem de esquecer-se de si próprio, de pensar mais na felicidade alheia; tenha a coragem de amar, de dar-se!”

Este primeiro esforço para abrir-se vai alargando pouco a pouco as estreitas fendas de comunicação da carapaça inibidora, deixa entrar paulatinamente os raios luminosos do amor, e imperceptivelmente infunde coragem… Amor chama coragem, coragem chama amor, repetimos, até que, depois de um processo progressivo, de repente a carapaça se quebra… E o amor brota aos borbotões, a intimidade de um ser flui para a intimidade do outro como um rio de paz e de alegria, a vibração se comunica… Nasce um homem novo, que sente algo que até então não tinha experimentado: a alegria de viver, de caminhar a passos largos pela vida, de rir às gargalhadas, de abraçar e deixar-se abraçar.

Diríamos, parafraseando Jorge Manrique:

O amor é uma força tão forte

que força toda a razão.

É mais forte do que a morte!

É uma força de tal sorte

que impulsiona para diante

e dilata o coração.

Queremos superar as inibições e os complexos? Comecemos a tecer e entretecer os pequenos fios do amor fraterno e da amizade. Esses finos liames irão formar uma verdadeira rede de sustentação que nos tornará firmes e seguros.

Rafael Llano Cifuentes

Fonte: “Insegurança, medo e coragem”, 2ª ed., Quadrante, São Paulo, 2004, págs. 26-40.

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.