A Medida Alta do Perdão

2

O perdão sempre me foi algo intrigante. Até mesmo posso dizer que sempre tive dificuldades para perdoar. Como perdoar alguém que lhe fez um mal propositalmente? Para esclarecer: desculpar é afirmar, reconhecer, que o outro não foi culpado pelo que fez é “des-culpado”. Perdoar ao contrário é liberar alguém de pagar o que lhe é devido, apesar de ser culpado pela divida.

perdãoHoje, em nossa sociedade marcada por um senso de justiça humana e ao mesmo tempo por uma cultura de corrupção, é um tanto difícil perdoar. Somos tentados (eu pelo menos) a exigir o “pagamento da divida”, a “justiça”, a final de contas me foi feito um mal proposital. Sim, somos inundados por este mar, por este pensamento de reparação, de justiça, do “olho por olho, dente por dente”.

É interessante, pois este pensamento é algo muito antigo. Jesus já o citava e o repudiava no seu tempo! E nós, tão modernos, ainda vivemos neste pensamento e nesta cultura tão antiquados!

Mas o interessante é que Jesus, que sempre tem o propósito de elevar o homem, de fazer com que ele cresça, vem propor que devemos perdoar se nosso irmão se converter. “Se ele se converter, perdoa-lhe” (Lc 17, 3b). Antes, porém, nos pede uma atitude: “Se teu irmão pecar repreende-o” (Lc 17, 3a). Jesus, num mesmo ensinamento nos mostra duas faces do perdão: a atitude de repreender e a atitude de perdoar. Geralmente não chegamos à segunda porque não passamos pela primeira. Queremos que nosso irmão se arrependa sem antes termos dito a ele que pecou contra nós, que nos magoou. Em minha ultima confissão, ao relatar uma mágoa que tinha de uma pessoa e também que já a tinha perdoado em meu coração, o sacerdote me disse: “Você precisa dizer a esta pessoa que ela te magoou, a fim de que em seu coração você possa realmente dar o perdão a ela”. Sinceramente, no momento não compreendi muito bem o que ele dizia. Meditando sobre isso e sobre a leitura do evangelho acima citado, compreendi o que o sacerdote me disse.

Como tenho lutado para perdoar e não tenho tido muito exito! Certamente isso se dá por não ter trilhado este caminho proposto no evangelho! Jesus é ousado! Propõe-nos uma medida alta, além de nossa inclinação natural, mas possível àqueles que desejam e se põe a trilhar o caminho de santidade, de imitação de Cristo, de filhos de Deus! Talvez, como eu, você tenha muitos irmãos a procurar para perdoar! E talvez, muitos me procurem, certamente!

O importante é que minha atitude de perdão não seja apoiada num senso de justiça humana, mas na busca de santidade, de imitação de Cristo. Jesus nos propõe uma responsabilidade pela vida do irmão. A conversão dele depende de minha repreensão, de meu alerta do seu pecado, não por um desejo de ser somente satisfeito na justiça, mas de liberá-lo de sua divida comigo, e disso também eu ficar livre! Se não o alerto, se não vou até ele, no amor, ambos ficamos presos por uma divida, qual devedor e credor.

Que Jesus nos ajude a ter coragem de exortar nossos irmãos a fim de que todos sejamos livres.

Edgard S. Gonçalves
Consagrado na Comunidade Pantokrator

2 COMENTÁRIOS

  1. Este artigo é muito esclarecedor.

    Pra mim será de grande ajuda. Temos o costume de dizer que perdoamos e até perdoamos, mas não contribuimos com a salvação do outro e acho que isso é muito sério.

    Vlw Ed!

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.