Home Formações Espiritualidade Espírito Empreendedor

Espírito Empreendedor

-

Outro dia, li num destaque de jornal: “casal super empreendedor”. O destaque me chamou a atenção e o assunto também… Dei continuidade à leitura e o empreendimento de que se tratava era produção e venda de Macaxeira Recheada, um pequeno negócio.

Poucos dias antes de ler essa matéria, tinha recebido um e-mail com várias fotos atuais de Dubai, nos Emirados Árabes, comparando com os mesmos locais dez anos atrás, ou seja, 1998. Uma verdadeira revolução da construção civil. É de espantar o crescimento daquela cidade que atualmente chama a atenção do mundo inteiro por suas imponentes construções com design e arquiteturas arrojadíssimas. Sou forçado a usar o superlativo para tentar expressar com clareza o que acontece lá.
O que vemos de igual por trás das duas situações?
As diferenças monetárias de investimentos são “astronômicas”, mas o espírito que move as duas situações é parecido. Em ambos os casos, se está empreendendo. As duas situações nos permitem acreditar que para empreender não é necessário nada além de decisão e ação. Ou seja, trata-se de uma atitude comportamental em que podemos refutar as teses dos pessimistas de plantão, que reduzem a ação de empreender a inúmeras condições de recursos humanos e materiais.
É obvio que, para determinados empreendimentos, os recursos são necessários, mas também é verdade que muitos gozam de recursos, porém, não possuem o “espírito empreendedor” e, sem este, nada vai acontecer. Mas com ele, mesmo sem recursos iniciais, o empreendimento pode acontecer.
Trazendo a idéia do espírito empreendedor para a ótica cristã, o assunto se alarga em alta escala, pois no mundo atual, falar em empreender minimiza os pensamentos à obtenção de lucros logo após a ação do empreendimento. Há, inclusive, pseudoempresários que gastam suas energias somente com empreendimentos e projetos cujo objetivo é, depois de inaugurado, vender o negócio para a exclusiva obtenção de lucro com a oportunidade obtida.
Trabalho com responsabilidade social está cada vez mais difícil encontrar nos dias de hoje; porém, apesar dessa visão, não acho que seja generalizado, pois encontramos ainda empresários que se esforçam por manter negócios que, se trocados por investimentos em bancos, trariam maior resultado financeiro.
O lucro, resultado de empreendimentos particulares com essa finalidade, não é pecado. Aliás, trata-se de um direito do homem que dedicou esforços e recursos para obtê-lo. O mau uso do lucro, este sim, pode ser ocasião de queda e perdição.
O cristão empreendedor deve se perguntar constantemente se o que está fazendo com o resultado é do agrado e da vontade de Deus. Essa reflexão não pode ser egoísta nem hedonista, em virtude da carência de empreendedores conscientes, pois são eles que geram empregos e movimentam a economia, sendo isso, no cenário atual, um fator de extrema importância na sociedade.
É importante recordar que empreender nem sempre é sinônimo de criar empresas, gerar empregos e obter lucros. Empreender é também agir em favor de algo que deve acontecer no ambiente em que se está. Resolver um problema de ordem comunitária é empreender, bem como a organização de algo para melhorar uma atividade e fazer com que ela aconteça de forma mais funcional e eficaz. Toda ação nesse sentido é uma ação empreendedora.
Mas, quais características deve ter um empreendedor? Afinal, o que se passa no coração do homem que deseja empreender? Que desafios vai encontrar?
Antes de lidar com isso, vejamos dois pontos importantes sob a ótica católica no que tange a empreender.
1º – Todo empreendimento deve estar serviço do homem.
A Encíclica Populorum Progressio, de Paulo VI (1967), nos ensina que os empreendimentos que o homem realiza devem “reduzir desigualdades, combater discriminações, libertar o homem da servidão, torná-lo capaz de, por si próprio, ser o agente responsável por seu bem-estar material, progresso moral e desenvolvimento espiritual. Dizer desenvolvimento é, com efeito, preocupar-se tanto com o progresso social como com o crescimento econômico. Não basta aumentar a riqueza comum para que ela seja repartida equitativamente. Não basta promover a técnica para que a terra possa ser habitada de maneira mais humana.”
2º – Fidelidade a Cristo e Sua Igreja
Lendo “Filotéia”, de São Francisco de Sales, encontrei um Capítulo inteiro que trata da fidelidade devida a Deus tanto nas coisas pequenas quanto nas grandes. Serve-se o autor de inúmeras situações cotidianas da vida em que devemos ser fiéis. O mesmo deve ser considerado quando estamos empreendendo algo. Ser fiel é não se deixar levar por situações que desviem o empreendedor da vontade de Deus. É ter a clara convicção de que o que importa é manter os valores cristãos nos objetivos, meios e fins, e com firme propósito de cumpri-los. Tendências que ferem a moral e bons costumes são facilmente inculturadas no dia a dia se não temos o desejo de fidelidade. Buscar conhecer mais os assuntos que envolvem o empreendimento é sair da ignorância que muitas vezes leva ao erro que, mesmo que involuntário, traz conseqüências indesejadas.
O empreendedor costumeiramente possui o perfil listado abaixo. Talvez não todos, mas alguns, com certeza.
Vale ressaltar que são características naturais na personalidade de uma pessoa, mas que, mesmo não as possuindo, é possível desenvolvê-las. O tema não se esgota nisso, mas esses pontos são os mais marcantes:
Visão – Está sempre com os olhos voltados para frente, para as oportunidades que se apresentam. Enxerga tudo e com amplo raio de alcance; e vai encontrar pontos positivos e negativos; os positivos o impulsionam e os negativos existem para ser superados e vencidos.
Foco, entusiasmo e paixão – Não se desvirtua de seus objetivos. É concentrado onde quer chegar e para isso se torna protagonista do empreendimento. Dedica-se como se tudo dependesse de si e se entrega por completo para alcançar os objetivos. Transmite “vida” quando fala sobre o assunto e contagia de ânimo os mais céticos quanto ao empreendimento.
Resiliência e tenacidade – Não se dá por derrotado nos percalços. Tem a performance de um elástico, que retorna à condição inicial após ser esticado. É firme nos propósitos e nas frustrações; insucessos e fracassos não mudam seu vigor para realizar o empreendimento. Tem nas experiências negativas o sentimento de ter aprendido mais.
Missão – Muito mais do que um desejo que vem ao coração, o empreendedor deve ter consciência de que é uma missão a ser assumida e que não pode fugir. Não empreende por fuga ou status; a fuga de uma situação incômoda não justifica um empreendimento, bem como o status e a supervalorização do empreendedor não devem ser a motivação para se fazer algo.

O diferencial do empreendedor cristão: não deve empreender sem depender

Depender de Cristo, da vontade do Pai para sua vida, do Espírito Santo que dá toda a graça para isso. A dependência do alto é frutuosa para que o homem de Deus não se torne orgulhoso do empreendimento realizado.
A dependência de Deus o faz crer que, se não fosse por intervenção divina, o empreendimento não aconteceria.
O Espírito Santo é aquele que leva o homem a fazer coisas que outrora não se achava capaz de fazer. Veja o apóstolo Pedro em Atos 2: num momento, era o covarde que negou Cristo e estava trancado no cenáculo; porém, logo após receber o Espírito Santo em Pentecostes, sai destemidamente para anunciar a Cristo e converte a muitos.
O empreendedor transforma idéias em realidades e não descansa enquanto aquilo que pretende não for alcançado. Se fizer isso segundo os valores cristãos, o mundo todo será mais santo.
O lugar para empreender é o seu lugar! Seja em política, trabalho, empresa, escola, igreja, clube ou lar, todo ambiente é favorável para mudanças.
O mundo precisa de homens e mulheres que empreendam o Reino de Deus. Jesus conta com você!

Rogério F. S. Cardoso
Consagrado na Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.

EDIFICANDO A FÉ NOS CORAÇÕES

Ao tornar-se um Construtor da Fé você participa da Obra de Pantokrator e constrói a fé no coração de milhares de pessoas mensalmente atingidas pela nossa Obra. E ainda colabora na estrutura missionária e na formação dos sacerdotes da Comunidade Pantokrator.

Ao tornar-se um Construtor da Fé você participa da Obra de Pantokrator e constrói a fé no coração de milhares de pessoas mensalmente atingidas pela nossa Obra. E ainda colabora na estrutura missionária e na formação dos sacerdotes da Comunidade Pantokrator.

×