Tocar no menino Deus

0

“Porque a Deus nenhuma coisa é impossível.” (Lc 1,37). Parece que passou rápido demais… o ano já está novamente terminando e já é Natal. Quando penso em Natal, sempre me lembro da figura do Menino Jesus: pequeno, frágil, indefeso, um Deus que se deixa tocar.

“Eis o ícone do Natal: um frágil recém-nascido, que as mãos de uma mulher protegem com pobres panos e depõe na manjedoura. Quem pode pensar que aquele pequeno ser humano é o ‘Filho do Altíssimo’ (Lc 1,32)?” (1).
Neste mundo transtornado, totalmente sensitivo e absolutamente racional, Deus faz uma grande e brusca freada e diz à humanidade: “Eu estou aqui e Eu tudo posso.”
Celebrar o Natal é celebrar o mistério do impossível.
Todos os anos o Bom Deus nos leva novamente a refletir: “O que há de impossível em sua vida e que eu posso realizar?”
Caindo na racionalidade, somos levados a entrar em uma mentalidade que nos conduz a acreditar que só podemos andar onde há chão, onde há concreto embaixo de nossos pés. Tudo o que foge ao explicável é prontamente rejeitado e exclamamos: “isso é impossível!!!”
Bem diferente de Maria, rejeitamos o que Deus quer nos apresentar, Seu sonho, Seu projeto a nosso respeito porque somos incapazes de diante do impossível de Deus responder como nossa Mãe: “Como se fará isso?” (Lc 1,34 a).
Nossa resposta é sempre afirmativa: “imagina, isto é impossível e não irá acontecer nunca!”
Surpreendentemente, Nossa Senhora não questiona, não rejeita, não descarta o sonho de Deus; ela apenas o acolhe amorosamente e empenhadamente responde: “só preciso saber como isto se dará para que eu saiba o que eu devo fazer, como devo me comportar, como devo colaborar com este sonho.”
É mistério, é mistério do Natal e é mistério da nossa vida que se mistifica com a de Cristo- é Natal e Deus quer manifestar o impossível em nós.
Talvez seja humanamente impossível aquela reconciliação, aquele emprego, aquela cura, aquele filho, aquele marido, aquela transformação… e o Natal chega e nos fala “a Deus nenhuma coisa é impossível.”
“Somente Ela, a Mãe, conhece a verdade e conserva o seu mistério. Nesta noite, nós também podemos ‘passar’ através do seu olhar para reconhecer neste Menino o rosto humano de Deus. Para nós também, homens do terceiro milênio, é possível encontrar Cristo e contemplá-Lo com os olhos de Maria. A noite de Natal torna-se, então, escola de fé e de vida”(2).
Na singularidade de um Menino está o mistério da vida: Deus tudo pode!!!
“O Menino jaz na pobreza duma manjedoura: este é o sinal de Deus. Passam os séculos e os milênios, mas o sinal permanece, e vale também para nós, homens e mulheres do terceiro milênio. É sinal de esperança para a inteira família humana; sinal de paz para os que sofrem por causa de todo gênero de conflito; sinal de libertação para os pobres e oprimidos; sinal de misericórdia para quem se encerra no círculo vicioso do pecado; sinal de amor e de consolação para quem se sente só e abandonado. Sinal pequeno e frágil, humilde e silencioso, mas rico do poder de Deus” (5).

(1) Homilia do Santo Padre Papa João Paulo II, Missa da meia-noite, 24 de dezembro de 2002.
(2) Ibidem.
(3) Ibidem.

Myrian Cristina Neves Botelho de Andrade
Consagrada na Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.