Testemunho

0

Na quinta feira do dia 12/03, como sempre fui ao Grupo de Oração desta Comunidade e, como vocês mesmos falaram foi uma semana difícil, muito cansativa, mas ao mesmo tempo cheia da graça de Deus. Não tinha muitas forças, mas lá estava eu novamente diante de Jesus Sacramentado, chorando, derramando muitas lágrimas.

testemunho

Quando descrevo assim podem pensar que é uma situação comum chegar diante de Jesus apresentar suas misérias e chorar muito como sinal de arrependimento, mas para mim ontem não era uma situação comum, muitas eram as coincidências que me fizeram acreditar que na verdade tratava-se de “providencia de Deus em minha vida!”. Era Jesus ali, na minha frente, me tocando, falando comigo em uma situação de dificuldade muito parecida com a que vivi em agosto de 2011. Jesus estava novamente me chamando para dedicar-me e acreditar Nele cada vez mais.

Bom, para entenderem a história, vou contar um pouco da minha vida. Sou mineira, criada em uma pequena cidade e vim para Campinas aos 16 anos, aqui estudei, casei-me e tenho três filhos, um menino de 12 anos (Christian), um de 6 anos (Lucca) e uma menina de 25 anos (Keila). Os dois primeiros me acompanham semanalmente ao grupo de oração e amam a Comunidade assim como eu e meu esposo. Já a mais velha faz faculdade e mora fora, mas é adorável, muito obediente, uma ótima filha. Participamos da Comunidade desde abril de 2011.

Foi neste ano de 2011 a partir de um encontro de casais que encontrei aqui em Campinas um lugar parecido com aquele que tinha em Minas, com pessoas que acreditavam realmente em Jesus, que pregavam a fé que não sai somente da boca para fora. Encontrei aconchego, me senti em casa. Na Comunidade Pantokrator me sinto realmente “em casa”.

Admiro muito o trabalho de todos na Comunidade, mas tenho um carinho especial por duas pessoas que me acolheram em agosto de 2011, a Marciléia que me abraçou, me ouviu e rezou por mim quando estava com dificuldades com meu filho de 12 anos, a ela minha gratidão, pois as palavras ditas naquela oportunidade são relembradas diariamente.

Outra pessoa é o Nilton Júnior que sem saber me ajudou muito. Foi no dia 06 de agosto de 2011 na Balada Católica, a Gaudium. Naquele dia vi pela primeira vez o Nilton e ele falava com tanta certeza Daquele Deus, do amor misericordioso, das misérias que Deus não gostaria que fizessem parte de nossas vidas. Do perdão. Naquele momento olhei para Jesus exposto e Ele conversava comigo. Eu chorava por problemas que estava passando com meu filho mais velho que na época tinha nove anos que poderia até ser expulso da escola. Eu não consegui entender porque meu filho tinha aquele comportamento, incompatível com a realidade vivida na família, somos unidos, pais carinhos, cuidadosos … Mas ali estava eu chorando e diante de Deus buscando respostas e soluções.

Naquele momento o Nilton dizia: “Filhos seus pais estão em casa preocupados com o que estão fazendo. “Se estão se drogando ou vivendo uma vida desregrada… Mas filhos hoje vocês estão aqui. Mudem suas vidas. Mudem!” Naquele momento olhei para Jesus e pensei: Estou aqui na condição de filha e mãe e hoje preciso fazer “sacrifícios” pela mudança do meu filho. E na minha mente naquele momento veio que deveria deixar de beber qualquer bebida alcoólica e daquele dia em diante foi o que fiz e muitas bênçãos tenho vivido em minha vida.

Quero testemunhar que não tem sido fácil, meu filho não mudou da água para o vinho, a luta é constante, mas Deus tem me dado muita sabedoria e força ajudá-lo a encontrar o verdadeiro e único caminho que nos leva ao Pai. E assim tem sido a minha vida, uma luta diária.

Quando iniciei dizendo que no dia 12/03/2015 chorei muito no grupo de Oração, foi porque a Keila que na verdade é minha irmã mais nova, mas que foi criada como filha, que cuidamos e muito amamos e ajudamos a manter todas as suas necessidades desde os 10 anos. Enfim é nossa menininha. Ela está doente.

A Keila que estava no último semestre da Faculdade de Enfermagem, ótima aluna, adora fazer esportes, principalmente futebol e ciclismo está com uma doença chamada osteonecrose que afetou os dois quadris, o osso dela está com mais de 50% de “morte” e hoje a Keila vai usar cadeira de rodas para tentar “reviver” esse osso. Neste momento a vida dela praticamente “parou”.

E o mais difícil é saber que tudo foi por causa da medicação que tomou para a toxoplasmose que teve em 2011, ocasião em que perdeu 70% da visão de um olho e teve que aprender a viver com essa deficiência. Não tinha opção na época, ou tomava os remédios ou ficava cega. E agora de novo mais um desafio. Foi um choque para todos. Forças neste momento só por causa de Deus.

No ultimo sábado (14/03/2015) estava muito triste, pois teria sair para comprar a cadeira de rodas para a Keila que vai ficar alguns meses tentando recuperar-se com repouso e, caso isso não seja possível vai ter que passar por uma cirurgia e colocar prótese. Estamos entregando tudo nas mãos de Deus.

As coincidências que mencionei foi porque em 2011 o Nilton me convenceu de que quanto mais próximo, íntimo de Jesus tudo se torna mais fácil. Assim como o Nilton que nesta quinta do grupo de oração quase não conseguiu chegar de São Paulo por causa do trânsito eu também estava desanimada, mas felizmente fui impulsionado por aquele filho que rezei tanto em 2011 e que falou para mim: “Estou cansado, mas quero tanto ir ao grupo”. E disse a ele “se você quer filho, nós vamos”.

Parece mentira, mas o filho rebelde que tanto rezo me levou a rezar ontem, me ajudou. E quem lá estava de novo? O Nilton. E novamente eu com um problema com uma filha precisando “crer” com todas as minhas forças que “Deus Pode”, que “Meu Deus é o Deus do impossível”. E o Nilton com seu jeitinho e sabedoria me ajudou. Como foi bom!!!!

Hoje, com os olhos inchados de tanto chorar posso dizer que creio que Deus fará o melhor.

Reforço a cada dia as minhas forças com a ajuda de todos vocês da Comunidade Católica Pantrokrator.

Muito obrigada!

Adriana de Oliveira Resende

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.