Coreia do Sul desafia o Norte e faz exercício com munição real

0

A Coreia do Sul realizou nesta segunda-feira, 20, um exercício militar com munição real numa área disputada com a Coreia do Norte, apesar das ameaças de guerra de Pyongyang.

O exercício deveria ter ocorrido no fim de semana, mas foi adiado devido ao mau tempo. Ele durou cerca de duas horas, com disparos quase constantes de artilharia – alguns próximos, outros distantes – que sacudiram os abrigos antiaéreos da ilha de Yeonpyeong.

“Não posso lhes dizer exatamente quantos foram disparados, alguns são distantes, alguns são barulhentos. O abrigo está chacoalhando e as pessoas aqui estão preocupadas, inclusive eu mesmo”, disse uma testemunha à Reuters.

Yeonpyeong fica perto de uma área marítima disputada pelas duas Coreias. Em 23 de novembro, na última vez em que a Coreia do Sul testou munições lá, a Coreia do Norte reagiu bombardeando a ilha, o que causou a morte de dois civis e dois militares, no pior ataque contra o território sul-coreano desde o fim da Guerra da Coreia (1950-53).

A Coreia do Norte alertou na semana passada para um ataque ainda mais violento caso o Sul repetisse os exercícios. China e Rússia pediram a Seul que não os realizasse, mas os Estados Unidos disseram que os sul-coreanos tinham direito de fazê-los.

Em meio à tensão, houve também relatos de um possível avanço diplomático. Segundo a CNN, o negociador norte-americano Bill Richardson obteve concessões norte-coreanas a respeito da retomada das inspeções nucleares da ONU.

Em viagem não-oficial a Pyongyang, Richardson teria também convencido o regime comunista a negociar a venda de 12 mil cápsulas de combustível nuclear, que seriam enviadas ao exterior, possivelmente à Coreia do Sul, segundo o canal. Também ficou estabelecida a criação de uma comissão militar envolvendo EUA e as duas Coreias, além de um outro canal direto de contato entre os militares norte e sul-coreanos.

A chancelaria sul-coreana não comentou as informações.

A Coreia do Norte expulsou os inspetores nucleares em abril de 2009, rompendo um acordo anterior de desarmamento.

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.