Socialistas da França anunciam campanha contra “vírus da religião”

1

O governo socialista da França anunciou a criação de um “Observatório Nacional da Laicidade”, uma iniciativa que na prática se traduziria em uma violação à liberdade religiosa com a deportação de muçulmanos, judeus e cristãos que sejam considerados portadores de uma “patologia religiosa”.

O presidente Francois Hollande, que em sua campanha eleitoral ofereceu legalizar as uniões homossexuais equiparadas ao matrimônio, disse em 10 de dezembro que no ano 2013 se estabelecerá o chamado Observatório.

Este organismo, assinala um comunicado oficial da presidência, “terá como tarefa formular propostas sobre a transmissão da ‘moral pública’ para dar-lhe um lugar digno na escola”.

Embora o comunicado não especifique os alcances do Observatório, foi o Ministro do Interior, Manuel Valls, quem explicou sua missão. O funcionário indicou que “o objetivo não é combater as opiniões com a força, mas ser detector e compreender quando uma opinião se faz potencialmente violenta e chega ao excesso criminal. O objetivo é identificar quando é bom intervir para lutar com o que se converte em uma patologia religiosa”.

Cadastre-se grátis e receba todas as novidades do site por e-mail

Valls –cujo governo permite a pornografia com moças de 18 anos de idade– ressaltou que o Observatório se enfocará em extremistas de todos os credos e pôs como exemplo o grupo lefebvrista Civitas, cujas ações considerou “nos limites da legalidade”, quando protestou em mais de uma ocasião contra o aborto, a lei de uniões gay e em defesa da liberdade religiosa.

Sobre esta iniciativa do governo francês, a agência Reuters assinala que “a França deportará a imãs estrangeiros e radicais debandados de grupos religiosos, incluindo os tradicionalistas católicos de linha dura, se uma nova política de segurança revela que sofrem de uma ‘patologia religiosa’ e podem fazer-se violentos”.

Valls disse também que “os criacionistas nos Estados Unidos e no mundo islâmico, os extremistas muçulmanos e os católicos ultratradicionalistas e os judeus ultraortodoxos querem viver separadamente do mundo moderno”.

Com este Observatório, o governo da França seria quem ditaria quem são os católicos “que se comportam bem” quando no país se debate uma lei para legalizar as uniões homossexuais que foi rechaçada no dia 17 de novembro deste ano por uma maré humana de aproximadamente 250 mil pessoas que saiu às ruas das principais cidades do país.

Blog Carmadélio

1 COMENTÁRIO

  1. Eu sou o padre francês e por favor rezo para França que bem precisa isto… França quis rejeitar Deus de escolas, casas, famílias, hospitais e aqui é onde nós estamos lá! Nós caímos muito baixos. É talvez necessário que a filha “ainée” da Igreja (Jean Paul II) em passagem lá se levantar? Obrigado por suas orações. Padre F-Régis de Joigny
    ————————————
    Je suis prêtre français et je vous en prie, priez pour la France qui en a bien besoin… La France a voulu rejeter Dieu des écoles, des maisons, des familles, des hôpitaux… et voilà où nous en sommes !
    Nous sommes tombés bien bas. Faut-il peut-être que la fille ainée de l’Église en passe par là pour se relever?
    Merci de vos prières. Père F-Régis de Joigny

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.

5 × quatro =