Vaticano apresenta escudo e lema do Papa Francisco: “Amando-o escolheu-o””

0

O Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Padre Federico Lombardi, explicou na manhã desta segunda-feira que o escudo do Papa Francisco é essencialmente o mesmo de quando era Arcebispo e que seu lema é “Miserando atque eligendo”, que pode traduzir-se como “Olhou-o com misericórdia e o escolheu” ou “Amando-o escolheu-o”.

Nos traços essenciais o Papa Francisco decidiu conservar o mesmo emblema que manteve desde sua consagração episcopal, particularmente caracterizado pela simplicidade.

O escudo azul aparece coroado pelos símbolos da dignidade pontifícia iguais àqueles escolhidos por seu predecessor Bento XVI: a mitra colocada ao centro e no alto com as chaves entrecruzadas, uma representada com a cor do ouro e a outra com o da prata, unidas (na parte baixa da imagem) por um laço vermelho.

Em alto, aparece o emblema da Companhia de Jesus (os jesuítas), sua famíliaespiritual: um sol radiante com, ao centro e letras vermelhas, a inscrição IHS, o monograma de Cristo. Sobre a letra H se apoia a cruz, em ponta, com os três pregos em negro colocados à base.

Na parte inferior se vê a estrela e a flor de nardo. A estrela, seguindo a antiga tradição heráldica, simboliza a Santíssima Virgem Maria, Mãe de Cristo e daIgreja; enquanto a flor de nardo evoca a figura de São José, o patrono da Igreja universal cuja festa se celebra neste 19 de março, dia da inauguração do pontificado.

Cadastre-se grátis e receba todas as novidades do site por e-mail

Na tradição iconográfica hispânica São José aparece representado com um ramo de flor de nardo na mão. Ao colocar em seu escudo estas imagens, o Papa quis expressar sua própria e particular devoção à Virgem e São José.

O lema

O lema do Santo Padre Francisco foi tomado das Homilias de São Beda o Venerável sacerdote (Hom. 21; CCL 122, 149-151), quem, comentando o episódio evangélico da vocação de São Mateus, escreve:

“Vidit ergo lesus publicanum et quia miserando atque eligendo vidit, ait illi Sequere me”, que evoca a seguinte passagem: “Jesus viu um homem, chamado Mateus, sentado à mesa de pagamento dos impostos, e lhe disse: ‘segue-me’. O viu mais com o olhar interno de seu amor que com os olhos corporais. Jesus viu o publicano, e o viu com misericórdia, escolhendo-o, (miserando atque eligendo), e lhe disse Siga-me, ‘Segue-Me, que quer dizer: ‘imite-Me’. Disse-lhe “Me siga”, mais que com seus passos, com seu modo de obrar. Porque, quem diz que está sempre em Cristo deve andar continuamente como ele e andou”.

A homilia de São Beda o Venerável, presbítero é uma comemoração à misericórdia divina e aparece reproduzida na Liturgia das Horas na festa de São Mateus que reveste de um significado ainda mais particular na vida e no itinerário espiritual do Papa.

Na festa de São Mateus de1953, o jovem Jorge Mario Bergoglio experimentou –à idade de 17 anos- em um modo muito particular, a presença amorosa de Deus em sua vida. Depois e depois de uma confissão, sentiu-se tocado no coração e advertiu que sobre si mesmo descendia a misericórdia de Deus, quem com olhar de tenro amor, chamava-o à vida religiosa na Companhia de Jesus, fundada por São Ignácio de Loyola.

Uma vez Bispo, o então Dom Bergoglio, em lembrança desse momento que o marcou profundamente, decidiu escolher como lema a expressão de São Beda “miserando atque eligendo” que quis reproduzir posteriormente também no próprio escudo pontifício.

Deixe seu comentário sobre este artigo, e sugestões de temas para ser abordados em nosso site.

ACI Digital

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.