Governo espanhol entregou 100 000 euros ao grupo gay para a uma campanha de publicidade para à prevenção da AIDS entre homossexuais

0

MADRI, 14 Mar. 11 / 09:17 am (ACI)

O presidente do Instituto de Política Familiar (IPF), Eduardo Hetfelder, denunciou que a entrega de dinheiro público ao grupo gay para uma campanha de prevenção da AIDS, é em realidade parte do projeto ideológico do Governo socialista para transformar a sociedade e fazê-la contrária ao homem, à vida e à família.

Na quarta-feira, 9, o Ministério de Sanidade (Saúde), sob a direção da ministra Leire Pajín, entregou 100 000 euros ao grupo gay para a contratação de uma campanha de publicidade institucional dirigida à prevenção de contágios de AIDS entre homossexuais. Em diálogo com a agência do grupo ACI em espanhol, a ACI Prensa, Hertfelder confirmou que o fim, na verdade, é promover o uso do preservativo.

Nesse sentido, indicou que se trata de “uma medida mais de Leire Pajín que não tem nenhuma vontade política nem de reduzir a AIDS, nem de fazer uma verdadeira campanha informativa em educação sexual, mas de apoiar grupos totalmente ideologizados”.

O objetivo é “promover uma ideologia de Estado e sua forma de entender a sociedade. É uma má utilização dos dinheiros do Estado”, afirmou na quinta-feira 10.

Hertfelder disse que esse é o sentido das normas e leis que ditam o Presidente do Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero; e sua ministra Leire Pajín.

“Ajudam a todos os grupos coletivos, promove todas aquelas coisas que vão encaminhadas contra a pessoa humana”, denunciou.

Do mesmo modo, advertiu que não se reduz o contágio da AIDS entregando dinheiro a grupos gays nem promovendo o preservativo, e sim potencializando “aquelas medidas que vão encaminhadas a reduzir (…) essas relações sexuais (entre homossexuais) e portanto seria promovendo a castidade” entre estas pessoas.

Em matéria de vida e família, o Governo socialista aprovou uma lei que liberaliza mais o aborto na Espanha, assim como a legalização das uniões homossexuais.

No campo educativo, impôs-se a polêmica disciplina de Educação para a Cidadania (EpC) em 2006.

Apresentado como um curso de cultura cívica, seus críticos denunciam que promove o laicismo, a ideologia de gênero, e o aborto; e não respeita o direito dos pais de família a educarem os seus filhos de acordo às suas convicções.

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.

3 × dois =