Na Florida (EUA), professor critica “casamento” homossexual e é removido da escola

0

A Escola Secundária Mount Dora removeu Gerald (Jerry) Buell, um professor veterano de estudos sociais, de sua classe por causa de comentários que ele fez no Facebook criticando o “casamento” homossexual. Christopher Patton, responsável pela área de comunicações das escolas do município de Lake, disse para LifeSiteNews que Buell foi mudado para deveres administrativos pendendo os resultados de uma investigação envolvendo uma suspeita violação do código de ética.

Em sua conta pessoal de Facebook, fora do horário escolar, Buell postou uma reação ao fato de que o Estado de Nova Iorque aprovou o “casamento” homossexual, dizendo que ele “quase vomitou”. Ele também se referiu às uniões homossexuais como pecado, dizendo que são parte de um “esgoto” de condutas em comentários citados pelo jornal Orlando Sentinel.

Embora LifeSiteNews não tivesse tido condições de fazer contato com Buell na casa dele, as informações sobre ele na página da escola — que foram apagadas depois da publicação deste artigo — revelaram que ele é um cristão dedicado. “Em primeiro lugar, sou um homem de Deus”, escreveu ele. “Tento ensinar e guiar meus estudantes como se a Escola Secundária Lake tivesse contratado o próprio Jesus Cristo. Isso não significa que dou sermões e sirvo a comunhão diariamente… o que significa é que faço tudo o que está ao meu alcance para ensinar, servir e ministrar para meus estudantes como professor guiado e conectado ao Criador do Universo”.
Em resposta às críticas que vem recebendo de ser incitador de ódio, Buell disse ao Orlando Sentinel: “Tenho alunos que sei que são homossexuais. Eles sabem que não os odeio. Eu os amo”.

“Não foi por ódio”, acrescentou ele. “Foi sobre o modo como interpreto as coisas”.
Patton disse para LSN que na terça-feira receberam um email com queixas, contendo citações que apareceram no Orlando Sentinel. Por isso, Buell, disse ele, foi removido de sua classe e foi colocado em outra função, no escritório do distrito, para trabalhar em responsabilidades que não envolvem dar aulas, enquanto a diretoria investiga se as ações dele constituem uma violação do código de ética.

Um caso muito semelhante ao de Buell é o caso canadense do professor Chris Kempling que em 1995 foi suspenso de dar aulas por escrever cartas a um jornal local explicando a convicção cristã sobre a homossexualidade. Kempling lutou contra todas as acusações até o Supremo Tribunal do Canadá, onde seu recurso foi negado — deixando-o com centenas de milhares de dólares em honorários legais para pagar.

O caso de Buell não é novo nos Estados Unidos. No verão passado, um professor católico foi demitido da Universidade de Illinois por enviar um email aos estudantes de um curso sobre a doutrina católica, explicando como a atividade homossexual é contrária à lei moral natural.

Mais recentemente, Damian Goddard, narrador de programas de esportes da TV do Canadá, foi demitido porque, numa mensagem de Twitter, ele apoiou Todd Reynolds, agente de hóquei de Burlington. Reynolds provocou indignação quando criticou Sean Avery, estrela do hóquei do New York Rangers, por fazer um anúncio de TV apoiando o “casamento” gay. “De forma total e com todo o coração apoio Todd Reynolds e sua defesa ao VERDADEIRO e tradicional sentido do casamento”, Goddard disse em sua mensagem de Twitter.

Informações de contato:
Principal Pam Chateauneuf
ChateauneufP@lake.k12.fl.us
Debbie Stivender, Lake County School Board
Stivenderd@lake.k12.fl.us

Notícias Pró-Família

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.