Papa Francisco: a Igreja é uma família que acolhe, não uma seita exclusiva

0

Na Audiência Geral desta quarta-feira, o Papa Francisco convidou a fazer da Igreja uma casa de acolhida, uma “família hospital” em que todos têm capacidade porque suas portas estão abertas e, portanto, não é uma “seita exclusiva”.

Papa-CTV

“Todos devemos ser conscientes de que a fé cristã se joga no campo aberto da vida compartilhada com todos, a família e a paróquia devem cumprir o milagre de uma vida mais comunitária para toda a sociedade”, pediu.

Nesta ocasião, o Pontífice dedicou sua Catequese à relação entre a família e a comunidade cristã. Uma união “natural” já que “a Igreja é uma família espiritual e a família é uma pequena Igreja”, disse.

“A comunidade cristã – explicou – é a casa daqueles que acreditam em Jesus como a fonte da fraternidade entre todos os homens”. Assim, “a Igreja caminha em meio aos povos, na história dos homens e das mulheres, dos pais e das mães, dos filhos e das filhas: esta é a história que conta para o Senhor”.

Francisco esclareceu que “a história dos afetos humanos se escreve diretamente no coração de Deus” e “este é o lugar da vida e da fé”, por isso “a família é o lugar de nossa iniciação –insubstituível, indelével – a esta história de vida plena que terminará na contemplação de Deus por toda a eternidade no céu, mas que começa na família e por isso é tão importante a família”, adicionou.

“O filho de Deus aprendeu a história humana por esta via e a percorreu até o fundo”, afirmou o Papa, que também aludiu à maneira em que nasceu Jesus. “Vivendo durante trinta anos esta experiência, Jesus assimilou a condição humana, acolhendo-a em sua comunhão com o Pai e em sua mesma missão apostólica”. Depois, “quando deixou Nazaré e começou a vida pública, Jesus formou ao seu redor uma comunidade, uma ‘assembleia’, quer dizer, uma ‘convocação’ de pessoas” e “este é o significado da palavra ‘Igreja’”.

O Papa também destacou que “nos Evangelhos, a assembleia de Jesus tem a forma de uma ‘família hospital’, não de uma seita exclusiva: encontramos Pedro e João, mas também o faminto e o sedento, o estrangeiro e o açoitado, o pecador e o publicano, os fariseus e as multidões”.

Ante esta realidade, “Jesus não cessa de acolher e de falar com todos, também com quem não espera nunca encontrar Deus em sua vida. É uma lição forte para a Igreja!”, manifestou o Papa.

“Para que esteja viva na atualidade esta realidade da assembleia de Jesus é indispensável reavivar a aliança entre a família e a comunidade cristã” e assim “poderemos dizer que a família e a paróquia são dois lugares nos quais se realiza essa comunhão de amor que encontra sua fonte última em Deus mesmo”. Por isso, “uma Igreja de verdade segundo o Evangelho só pode ter a forma de uma casa acolhedora, sempre com as portas abertas!”.

“As Igrejas e as instituições com as portas fechadas não devem se chamar igrejas, mas museus!”, sublinhou Francisco. Além disso, assegurou que “contra os ‘centros de poder’ ideológicos, financeiros e políticos, repomos nossas esperanças nestes centros de amor; nossa esperança está aí, centros de evangelizadores, ricos de calor humano, apoiados na solidariedade e a participação”.

Segundo o Pontífice, “reforçar os laços entre a família e a comunidade cristã é hoje indispensável e urgente” e “há necessidade de uma fé generosa para reencontrar a inteligência e a valentia para renovar esta aliança”.

Diante dos problemas que muitas famílias têm, o Papa assegurou que “sem a graça de Deus não podemos fazer nada, tudo nos é dado gratuitamente. O Senhor não chega jamais a uma nova família sem fazer algum milagre. Recordemos o que aconteceu nas Bodas do Caná. Sim, se nos pusermos em suas mãos o Senhor nos fará milagres”.

Francisco também reconheceu que “a comunidade cristã deve fazer sua parte”, por exemplo, “procurar superar esperas muito diretivas e funcionais, favorecendo o diálogo interpessoal, o conhecimento e a estima recíproca”.

Ao final de sua intervenção, Francisco saudou os jovens, doentes e esposos recém-casados. “Hoje celebramos a memória litúrgica do jesuíta São Pedro Claver (missionário jesuíta espanhol), patrono das missões da África. Queridos jovens, que seu incansável serviço aos últimos lhes impulsione a eleger a solidariedade para os necessitados; que seu vigor espiritual ajude vocês, queridos doentes, a confrontar a cruz com valentia; que seu amor por Cristo seja modelo para vocês, queridos recém-casados, para que o amor esteja no centro de sua nova família”.

Via Acidigital

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.