Papa Francisco convoca Ano Santo da Misericórdia

0

“Somos chamados a viver de misericórdia, porque, primeiro, foi usada misericórdia para conosco”, diz o Papa

Durante a celebração das Primeiras Vésperas do Domingo da Misericórdia, no último sábado (11), o Papa Francisco convocou oficialmente o Jubileu extraordinário da Misericórdia, a iniciar-se no próximo dia 8 de dezembro, festa da Imaculada Conceição. Na bula Misericordiae Vultus (“O rosto da misericórdia”), o Santo Padre explica por que decidiu proclamar este Ano Santo e indica os passos para vivê-lo com fruto.

ano-da-misericordia

A data escolhida por Francisco para iniciar o Jubileu é significativa. Em primeiro lugar, aponta para a experiência de misericórdia vivida por Maria Santíssima. “Depois do pecado de Adão e Eva, Deus não quis deixar a humanidade sozinha e à mercê do mal. Por isso, pensou e quis Maria santa e imaculada no amor, para que Se tornasse a Mãe do Redentor do homem”, disse o Papa. “Perante a gravidade do pecado, Deus responde com a plenitude do perdão. A misericórdia será sempre maior do que qualquer pecado, e ninguém pode colocar um limite ao amor de Deus que perdoa.”

O dia 8 de dezembro de 2015 também marca os 50 anos de encerramento do Concílio Vaticano II. O Papa Francisco assinalou este evento como “uma nova etapa na evangelização de sempre” e, citando São João XXIII e o Beato Paulo VI, ressaltou o primado da misericórdia na vida da Igreja.

Francisco também citou a doutrina perene de Santo Tomás de Aquino, para quem “é próprio de Deus usar de misericórdia e, nisto, se manifesta de modo especial a sua onipotência” [1]. Em seguida, expôs o significado de seu lema episcopal: Miserando atque eligendo. De autoria de São Beda, o Venerável [2], a frase faz referência à vocação do apóstolo São Mateus. “Ao passar diante do posto de cobrança dos impostos, os olhos de Jesus fixaram-se nos de Mateus”. Ao mesmo tempo em que penetrou o coração do discípulo com aquele “olhar cheio de misericórdia” (miserando), o Senhor “escolheu-o (eligendo), a ele pecador e publicano, para se tornar um dos Doze”.

O Santo Padre estabeleceu como lema do Ano Santo a exortação de Jesus: “Sede misericordiosos, como o vosso Pai é misericordioso” (Lc 6, 36), assinalando a virtude da misericórdia como um “critério para individuar quem são os seus verdadeiros filhos”. “Somos chamados a viver de misericórdia, porque, primeiro, foi usada misericórdia para conosco“, ensinou.

Ao indicar o caminho para praticar essa virtude, o Papa pediu aos fiéis que ficassem atentos à voz de Deus. “O imperativo de Jesus é dirigido a quantos ouvem a sua voz. Portanto, para ser capazes de misericórdia, devemos primeiro pôr-nos à escuta da Palavra de Deus. Isso significa recuperar o valor do silêncio, para meditar a Palavra que nos é dirigida“.

Sua Santidade também pediu que se redescubram as obras de misericórdia. “É meu vivo desejo que o povo cristão reflita, durante o Jubileu, sobre as obras de misericórdia corporal e espiritual“. Comuns na catequese tradicional da Igreja, as obras de misericórdia corporal são: dar de comer aos famintos, dar de beber aos sedentos, vestir os nus, acolher os peregrinos, dar assistência aos enfermos, visitar os presos e enterrar os mortos. As de misericórdia espiritual, por sua vez, são: aconselhar os indecisos, ensinar os ignorantes, admoestar os pecadores, consolar os aflitos, perdoar as ofensas, suportar com paciência as pessoas molestas e rezar a Deus pelos vivos e defuntos.

O Papa Francisco também pediu que, no Ano Santo, se dê atenção especial ao sacramento da Confissão. “Ponhamos novamente no centro o sacramento da Reconciliação, porque permite tocar sensivelmente a grandeza da misericórdia“. Ele destacou a experiência daqueles que se aproximam do Sacramento da Penitência e “reencontram o caminho para voltar ao Senhor, viver um momento de intensa oração e redescobrir o sentido da sua vida”.

Ao fim de sua carta apostólica, o Papa Francisco chamou à conversão todos os que se encontram afastados da Igreja. “O meu convite à conversão dirige-se, com insistência ainda maior, àquelas pessoas que estão longe da graça de Deus pela sua conduta de vida”, disse. “A todos, crentes e afastados, possa chegar o bálsamo da misericórdia como sinal do Reino de Deus já presente no meio de nós”.

A bula com a qual se convoca o Jubileu extraordinário da Misericórdia está disponível, na íntegra, no site do Vaticano.

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

  1. Suma Teológica, II-II, q. 30, a. 4
  2. Cf. Homilia 21: CCL 122, 149-151

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.