Busca pelo prazer sem medir as consequências

0
prazer

O Carnaval, entre tantas outras comemorações, é uma das festas mais esperadas pelos brasileiros. E o mais estranho de tudo isso é que, se pararmos para pensar bem, não existe nada de muito diferente nessa festa em relação a qualquer outra que possa acontecer durante o ano. Música, dança, bebida e fantasia. Ou apenas bagunça e barulho, se você preferir. De qualquer modo, a maioria das festas envolvem esses elementos, senão no mínimo alguns deles. Então por que o carnaval, especificamente, é tão superestimado pelas pessoas?

Simples. Ao pensar em festa, pensamos em alegria. Celebrar é uma necessidade humana, algo bom e puro que Deus colocou dentro de nós. Nós fomos criados para a alegria, nosso coração tem sede disso e muitas vezes nossa vida é guiada por esta busca. Mas quando não se conhece a Deus, as pessoas confundem alegria com prazer, e é daí que uma cascata de más decisões se inicia. As pessoas vão procurar a alegria no lugar errado. Assim, quando avistam quatro dias inteiros reservados e concentrados apenas para folia e diversão, seus olhos brilham com vontade.

Se você se diz cristão e julga conhecer verdadeiramente a Deus, então você não tem porque buscar a falsa alegria do carnaval. É simplesmente incoerente, incompatível e imprudente. O carnaval, como o nome já insinua, é uma festa concentrada no carnal, e não é à toa que precede justamente a quaresma, tempo de jejum e penitência. Nesses quatro dias, o que se celebra é nada além dos desejos da carne. Quer beijar alguém? Beije. Quer fazer sexo? Faça. Quer beber até cair? Beba. Quer usar roupas que não cobrem nada? Use. Quer dançar sensualmente? Dance. O carnaval é uma exaltação aos pecados, onde o demônio rouba a dignidade humana, onde os limites são eliminados, humanos agem como animais e as consequências são esquecidas.

Prazer a qualquer custo

Quando falo de consequências, não me refiro somente a uma possível gravidez indesejada. Vai muito além disso. Tudo seria muito fácil se fôssemos como os animais, que seguem seus instintos sem precisar se culpar por isso. Porém nós, humanos, não somos compostos somente de carne. Existe um espírito, e ele não é independente do corpo. O espiritual e o carnal jamais andam separados, pelo contrário, são duas partes completamente entrelaçadas. É por isso que quando se tenta eliminar uma delas da equação, encontra-se um vazio interior muito grande.

A carne busca o prazer, de fato. Todos nós queremos senti-lo, mas a que preço? Quando você se submete a uma série de atos cegos apenas para conseguir prazer, como acontece no carnaval, você está desrespeitando sua dignidade como ser humano, reduzindo seu valor e ferindo seu espírito. O que sobra depois? Um grande e imenso nada. Mais que isso, aliás. Um buraco negro, um vazio tão grande que suga qualquer resquício de alegria que possa ter se mostrado nos momentos de prazer, pois você não foi criado para viver uma vida descontrolada.

A alegria verdadeira

Não se desespere, porém. Isso não significa que você deva viver uma vida isenta de prazeres, mergulhando então só no mundo espiritual. Como dito, os dois compõem uma só coisa e eliminar totalmente a carne também é ruim. Jesus nos ensina que a alegria verdadeira está em apreciar os bens desse mundo com sobriedade, sem esquecer-se que é no Céu que a plenitude da felicidade se encontra.

Mesmo os momentos mais saudáveis de alegria nessa terra são passageiros. Tudo aqui passa, inclusive o carnaval. Ainda que muitas pessoas tentem fazer de suas vidas uma festa de carnaval prolongada, no fim do dia, nada sobra. No fim da vida, nada sobra. Santa Teresinha também nos ensina isso, com tão pouca idade, quando percebe que até a alegria de ver uma massa de bolo crescer no forno é efêmera, pois segundos depois ela pode murchar.

Não coloque todas as suas fichas em momentos como o carnaval, em que você dá todas as suas energias e em troca não fica com nada além de uma sensação de que ainda falta algo. As pessoas costumam dizer que tudo o que é bom dura pouco e o que é ruim dura muito mais. Nesse caso, não tem nem como discordar. O carnaval é uma celebração muito antiga, de origem pagã, que existe há séculos antes de Cristo e permanece forte até os tempos atuais. Mas não se deixe enganar pela música, pelas cores, pelas fotos sorridentes. O demônio é encantador, mas é mentiroso. O carnaval é uma mentira. Muitos santos se entristecem com a quantidade de pessoas que caem nessa armadilha ao longo dos séculos. Não seja mais um de coração sedento no meio de uma multidão, ao redor de um rio de água lodosa.

Não estou dizendo para ficar a semana inteira trancado no quarto, fingindo que não tem nada acontecendo. Pelo contrário, a melhor maneira de combater um festival de pecados é ir amar a Deus por quem não O ama. Adore. Ore. Suplique. Evangelize. Acampe, promova gincanas cristãs. Faça festa para Jesus. Gaste suas energias em algo que te faça apreciar sim os prazeres da vida, mas que alimente também o seu espírito. E, no caminho, leve muitas outras pessoas contigo para encontrarem juntos a alegria verdadeira.

Giovana Cardoso
Postulante da Comunidade Católica Pantokrator

Deixe uma resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, insira seu nome aqui.